Julho 28, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
239 visualizações


Até agora todos já deveríamos ter visto claramente, e se ainda não vimos, deveríamos começar a nos perguntar o que nos cegou?

Em 2011, no calor do 15M, nasceu o N-1. N-1 era uma rede social política, mas acima de tudo era uma rede social ética. Não queria dados, nem tinha a intenção de negociar com eles. Mas essa rede social desapareceu e as razões de seu desaparecimento não são claras. No entanto, você pode ter certeza de que é preciso muito esforço para construir uma rede social que possa minimizar a sombra do Twitter, Facebook, Watshapp, etc. É preciso muito esforço. Isso requer muito esforço, portanto é lógico que o N-1 acabou desaparecendo. Mas não só o N-1 falhou, outros projetos mais ambiciosos, com mais cabeça e mais recursos, como a Diáspora, identi.ca, GNUsocial… também falharam ou, pelo menos, não são conhecidos por terem qualquer repercussão social. Talvez Mastodon ou Signal estejam entre as poucas tentativas que estão tendo algum impacto, pelo menos no que diz respeito aos coletivos políticos.

Atualmente é raro encontrar coletivos sociais sem perfis em redes sociais comerciais, incluindo o própria DV, e isto tem suas consequências. Todo seguidor que os coletivos sociais ganham é marcado por uma ideologia ou pelo menos por um interesse. Esse interesse moldará a publicidade e o conteúdo que eles veem. É provável que eles moldem sua opinião e ações futuras com relativo sucesso. Enquanto os coletivos sociais alimentam dados para o mais que questionado mercado de mídia social, nosso impacto nas mídias sociais é praticamente nulo.

Imagine o seguinte exemplo. Um grupo de direitos animais de Burgos quer informar sobre o abuso de animais que ocorre no abatedouro de carne selecionado de propriedade da Campofrío. Para isso, eles decidem abrir contas em redes sociais, mas o fazem “bem”. Muitas pessoas de mentalidade semelhante se organizaram para comentar, retuitar, recomendar, etc… ao mesmo tempo e dar relevância ao conteúdo que sai da nova conta, ganhando seguidores, amigos… A operação recebe várias centenas de seguidores e vários milhares de pessoas que veem o conteúdo. Um sucesso completo. Mas exceto para os seguidores, os novos amigos, as “curtidas”, os “retweets”, o coletivo animalista não tem ideia da repercussão que seu conteúdo teve: as pessoas pararam para lê-lo, clicaram no link, leram mais sobre ele, olharam para outros conteúdos animalistas? Há muitas questões que escapam ao coletivo animal, mas não à rede social. A rede social, graças a este coletivo, sabe quais pessoas foram impactadas, quais pessoas foram atraídas pelo conteúdo e quais não foram. Não termina aí. Depois de alguns dias, alguém de Campofrío percebe que a campanha do coletivo prejudicou sua imagem e decide tomar medidas. O plano é simples, eles pagarão em redes sociais para procurar pessoas que tenham seguido esse conteúdo e mostrar-lhes conteúdo que as fará mudar de ideia. Este processo é extremamente complicado e realmente perverso. O destinatário não deve pensar por um momento que está sendo visado. Estes mecanismos têm sido e são utilizados por muitas potências mundiais. Sem ir mais longe, o proto-fascismo republicano que Trump liderou e que foi replicado em muitos países sob outras siglas e os líderes aproveitaram esses mecanismos em suas campanhas políticas para “ativar” ou “desativar” os eleitores, como está muito bem explicado, por exemplo, no documentário “O Grande Hackeamento”.

Na Península Ibérica, Facebook é a rainha do “tinglao”. Proprietário das plataformas Facebook, Instagram, Watshapp… As mensagens que enviamos uns aos outros, o conteúdo que lemos, tudo é supostamente triangulado entre as empresas do grupo e outras empresas. Cada palavra, cada vídeo, cada imagem e cada áudio acrescenta e segue seu perfil digital. Antes de mostrar a busca, o mecanismo de busca tem uma grande ideia do que você está interessado. Antes de entrar na página daquela loja on-line, suas últimas conversas influenciarão os produtos na página principal. E em tudo isso a grande maioria dos coletivos políticos, movimentos sociais, partidos e sindicatos terão contribuído. Tudo em prol do proselitismo, um proselitismo muito pobre e ridículo.

Mas tudo isso não é novidade. Somos assim desde 2011 e a grande maioria dos movimentos sociais são escravos do proselitismo digital, dos “likes”, dos “retweets” e “curtidas”. O que é novo é a última diretiva da UE chamada “Controle por Chat”. Goza de amplo apoio no Parlamento Europeu (537 vs 133). A diretriz propõe que cada uma de nossas conversas privadas, e-mails, chats, etc. devem ser processados do ponto de vista da “segurança do cidadão”. Para argumentar a aberrante diretiva seus apoiadores se agarraram, acima de tudo, no tema da pornografia infantil. Um argumento que, assim que você conhecer o mundo digital, descobrirá que ele se desfaz e que certamente mostra que existem outros tipos de razões obscuras para espionar seus concidadãos.

E enquanto isso, estamos mais longe da privacidade a cada dia que passa. Todos os dias, um punhado de novas contas políticas no Twitter são abertas. Todos os dias que passam, assim como muitos grupos de Whatsapp e Telegram são criados para transmitir, encontrar ou discutir coisas que ninguém conhece. Ninguém, exceto Twitter, Amazon, Google, Facebook, Pavel Durov e agora também o comissário mais fascista da brigada de informação da delegacia de polícia mais próxima. O que diabos nos cegou?

Fonte: https://diariodevurgos.com/dvwps/deberiamos-abandonar-las-redes-sociales.php

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Lá, bem sobre a estrada,
a casa entre flores onde
não entrarei nunca.

Alexei Bueno



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org