Dezembro 18, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
358 visualizações


Enquanto a direita e a ultradireita neste país indescritível, que são muito semelhantes, dedicam-se a remover estátuas, e todo tipo de símbolos, de personalidades da esquerda, o nacionalismo espanhol vem crescendo há muito tempo na direção oposta. A diferença é que Largo Caballero ou Indalecio Prieto, sem eu compartilhar sua ideologia, embora pudéssemos ter estado na mesma barricada em outra vida, eram pelo menos líderes em um contexto democrático, e me perdoe mais uma vez por apontar o óbvio. Vá em frente e diga que não sou amigo de dedicar monumentos a figuras políticas, nem mesmo, é claro, àqueles com quem mais posso simpatizar. Talvez eu esteja mais inclinado a dedicá-los a personalidades culturais ou científicas, embora isso sempre possa ser controverso, já que às vezes chamamos qualquer coisa de cultura.

Além disso, que é sempre discutível, a história contemporânea deste país indizível chamado Espanha é o que é, e a direita simplesmente sofre de uma certa tradição liberal e democrática, que deveria ser característica de qualquer história contemporânea digna desse nome, que a empurra de uma forma ou de outra, por ação ou omissão, para aceitar o horror de Franco. Caso contrário, de uma forma mais direta, Franco e seus capangas são considerados os salvadores da tradição cristã contra a conspiração maçônica e comunista (juro que ainda ouço este argumento destes personagens inefáveis).

A fachada, eu digo, é muito adulta. Como se isso não fosse suficiente, Madrid é inundada de bandeiras espanholas, cujo tamanho é inversamente proporcional à massa cinza desses governantes. Neste mesmo ano, embora pareça incrível, um monumento é dedicado na capital aos chamados “Heróis de Baler”, em outras palavras, aqueles mais conhecidos como os “últimos das Filipinas”. O evento foi, naturalmente, apimentado por uma multidão de bandeiras vermelhas e brancas, presidido pelo prefeito de Pepero, juntamente com o Exército e com a assistência dos abertamente fascistas do Vox. Acho que os aplausos para a Espanha poderiam ser ouvidos em centenas de metros ao redor. A montagem da estátua, ao que parece, foi uma promessa eleitoral de Martínez Almeida, que rivaliza com o eleitorado de ultradireita, e é inestimável observar a obra de arte em questão.

Sem esconder seus elogios ao espírito militar, mesmo que agora ele esteja no formato “defensivo”, o tenente Martin Cerezo parece heroico em sua mão. Acredito que no início pensou-se, por causa da compensação, em colocar ao lado de outra estátua do também herói Rizal, esta da independência filipina, fuzilado dois anos antes dos eventos de Baler pela Espanha, mas no final foi decidido colocá-la em outro lugar. Este ato de nacionalismo espanhol, leia-se fascista, não é isolado. O levantar irrisório de bandeiras sem fim, estes símbolos, quaisquer que sejam suas cores, de opressão política, de alienação coletiva ou a conversão de jovens em forragem de canhão em nome de não sei que ideais, é unido pela ereção de outros monumentos, como o dedicado a Blas de Lezo, que acredito ser pelo mesmo escultor patriótico que este dos heróis de Baler.

Nada de novo por parte dos reacionários, já que o franquismo usou o mito do último das Filipinas sobre o celuloide, como outro exemplo da “gloriosa” tradição imperial espanhola, com noções irritantes como virilidade ou sacrifício agora encarnadas em uma figura escultórica. Curiosamente, há um remake desse filme, “1898: o último das Filipinas”, talvez não de qualidade excessiva, mas pelo menos com um certo espírito crítico longe desses irritantes mitos patrióticos. Em resumo, a aparência inspira respeito e temos que sofrer estes clichês do nacionalismo espanhol, tão prejudicial como qualquer outro que impeça a superação de barreiras de todo tipo para a humanidade, embora não esqueçamos, além disso, que no contexto de um país onde triunfou uma certa forma de fascismo (a exacerbação do mito alienante da nação). Em qualquer caso, a história da humanidade como um todo está cheia de conquistas, dominações e massacres, realizados em nome de religiões e bandeiras. Vamos parar com as exaltações mitomaníacas e tentar encontrar algo melhor.

Juan Cáspar

Fonte: https://acracia.org/estatuas-y-reaccion/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

uma pétala caída
que torna a seu ramo
ah! é uma borboleta

Arakida Moritake




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org