Dezembro 25, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
296 visualizações


Recopilação de escritos, biografias, documentos, imagens, testemunhos, curiosidades… extraídos de diversas fontes, sobre os elementos guerrilheiros anarquistas, suas circunstâncias e protagonistas, na província de León.

Somente se evidenciaram os elementos claramente anarquistas ou com um número relevante de cenetistas em suas fileiras e as biografias de seus membros libertários e os que com filiação desconhecida pertenciam a elas e poderiam ser supostamente cenetistas também. Para o restante dos guerrilheiros uma pequena pincelada biográfica.

El Seta, León 2020

“A maioria dos espanhóis hoje tem uma imagem distorcida do período, baseada em dois mitos principais: que o fenômeno era limitado e que a guerrilha era comunista (salvo em umas poucas exceções). Pelo que se refere ao primeiro mito, foi habilmente cultivado pelos fascistas já desde os anos da guerrilha. O regime apresentava os combatentes como bandoleiros, vermelhos delinquentes e foragidos sanguinários, subtraindo de sua atividade o componente político. E quanto ao segundo mito, a despeito da propaganda comunista que lançou o PCE depois da transição espanhola, os guerrilheiros comunistas não foram nem a maioria nem os mais decisivos nas ações. Simplesmente depois de 1945 os delegados do partido assumiram o controle em muitas zonas da Espanha montanhosa.”

Kostas Floros. Kiklos Alpha. Historia del Movimiento Libertario Español durante la Dictadura. 1939-1977.            

“Os leoneses se lançaram ao monte para evitar uma morte certa e depositaram seus sonhos de redenção nos países que lutavam na Europa pela liberdade e a democracia. E lutaram com ousadia tendo em conta seus precários meios. O total  final de baixas reflete a dureza do combate: 60 guerrilheiros, 23 ligações, 17 membros da força pública e 55 pessoas catalogadas como “população civil”. Alguns maquis despertaram dessa luta desigual no exílio, outros não tiveram tanta sorte e perderam a vida na tentativa. Os guerrilheiros esperavam ser, quando caísse o fascismo, os representantes de um povo livre, mas esse povo maltratado e oprimido só pensava em viver a qualquer preço. Inclusive o preço da liberdade. Em troca dessa submissão, nas zonas rurais se criaram mitos e lendas relacionados com os maquis. E é que, a falta de liberdade, as pessoas do mundo rural leonês – como as do resto do país – optaram por criar mitos de liberdade. Ou de esperança. De sonhos, definitivamente.”

Secundino Serrano. La resistencia antifranquista en la provincia de León.

>> Link para baixar PDF:

https://drive.google.com/file/d/1toFVVcZxWv-Jm-lMp2Sq4AU7vOp0OiRD/view

Tradução > Sol de Abril

agência de notícias anarquistas-ana

Ao fazer a sesta,
A mão que segura o leque
Pára de se mexer …

Taigi




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org