192 visualizações


A educação popular foi um dos pilares fundamentais da transformação social em tempos da II República, e a Cartilha escolar antifascista foi sem dúvida a ferramenta mais eficaz para definir e implantar seus valores entre as milícias republicanas por parte do Ministério de Instrução Pública em sua luta contra o analfabetismo. A primeira edição foi impressa em Valência em 1937, com uma tiragem de 150.000 exemplares.

A Cartilha escolar antifascista, concebida e distribuída durante a contenda bélica, pretendia iniciar no conhecimento das operações aritméticas básicas e da leitura e escrita os soldados do bando republicano e, ao mesmo tempo, conscientizá-los e comprometê-los com a luta antifascista. Neste folheto todas as classes foram representadas e serviu como panfleto reivindicativo tanto na luta pela democratização da cultura como na luta contra o fascismo. Seu particular modo de unir educação matemática, propaganda política e arte de vanguarda lhe valeu, sem dúvida, a condição de “livro singular”.

O texto desta cartilha foi redigido, a pedido do Ministério de Instrução Pública, por Fernando Sáinz Ruiz e de Eusebio Cimorra. A confecção gráfica veio da mão de Mauricio Amster, um dos artistas gráficos mais destacados da época, além de renomado tipógrafo, e dos fotógrafos José Val del Omar e José Calandín Guzmán.

Cartilla escolar antifascista

Libros del Zorro Rojo, Madrid 2020

96 págs. Rústica 24×17 cm

ISBN 9788412270556

18,90 €

librosdelzorrorojo.com

agência de notícias anarquistas-ana

em zigue-zague
mosquitos-pólvora pairam
final de tarde

Marcos Amorim




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org