258 visualizações


Após alguns meses em que seguimos o rastro da edição original e trabalhamos conscientemente em sua reimpressão, anunciamos que El camino de pasión de Zensl Mühsam. Trece años prisionera de Stalin, de Rudolf Rocker, está agora em circulação.

Deixamos aqui algumas das características de nossa edição:

Título: El camino de pasión de Zensl Mühsam. Trece años prisionera de Stalin

Autor: Rudolf Rocker

ISBN: 978-84-121882-9-5

Páginas: 142

Preço: 8 euros.

2021

Em meados de março de 2020, enquanto a crise sanitária nos obrigava ao confinamento e começávamos a ver o lado mais sombrio da pandemia, encontramos o editorial da edição 3 da revista Mujeres Libres (Madri, julho de 1936), que encontramos através do livro sobre Lucía Sánchez Saornil publicado por La Malatesta (Madri, 2014). No texto, as companheiras de Mujeres Libres ecoaram uma “notícia perturbadora” que lhes chegou de Moscou. Elas diziam que Zensl Mühsam, viúva de Erich Müsham, tinha desaparecido na União Soviética e se perguntavam sobre seu paradeiro, advertindo que ela poderia ter sido sequestrada e internada em algum gulag siberiano.

Naquela época, nossa pequena editora já estava planejando publicar Sinais da Tormenta. Anarquistas alemães contra Hitler, de David Bernardini, e queríamos saber o que estava por trás desta história, completamente desconhecida para nós, que, mesmo indiretamente, tinha a ver com toda a situação política descrita no ensaio histórico de Bernardini. A partir daí, começamos uma pequena investigação que, entre outros documentos, nos levou a uma notícia intitulada “O Caminho da Paixão de Zensl Mühsam”, assinada por Rudolf Rocker e datada de agosto de 1949, na qual o anarquista alemão narrou todos os detalhes do caso e fez um apelo desesperado à comunidade internacional para a libertação de Mühsam.

Pouco tempo depois percebemos que esta notícia, “O Caminho da Paixão de Zensl Mühsam”, fazia parte de um texto muito mais longo com o mesmo nome, que havia sido seriado na imprensa libertária internacional e que uma editora ligada ao SAI (Solidariedade Anarquista Internacional) havia publicado em forma de panfleto entre 1949 e 1950. Esse texto El camino de pasión de Zensl Mühsam. Trece años prisionera de Stalin, é o que estamos reimprimindo hoje com a Piedra Papel Libros.

Kreszentia Elfinger, “Zensl”, que assumiu o sobrenome de seu parceiro, nasceu em 1884 em uma área rural da Baviera. Em busca de melhores oportunidades de emprego, como trabalhava como empregada desde muito jovem, emigrou para Munique, capital da Baviera, onde conheceu os emigrantes russos que haviam chegado após o fracasso da revolução de 1905. Seria naquela mesma cidade onde ela conheceria Erich Mühsam, uma das figuras mais proeminentes do movimento libertário alemão, com quem ela se casou em 1915.

O casal viveu intensamente o período de turbulência política que a Alemanha viveu após o fim da Primeira Guerra Mundial. O fracasso do projeto libertário na Alemanha em 1915, e neste contexto, o fracasso do projeto revolucionário do Conselho Bávaro (1919), cujos promotores mais proeminentes eram Erich Mühsam e no qual o anarquismo – uma minoria na Alemanha – desempenhou um papel muito proeminente, marcou em grande parte o destino subsequente de ambos. No início, tanto Erich como Zensl foram presos. Entretanto, enquanto Zensl foi logo libertado da prisão, Erich recebeu uma sentença exemplar de quinze anos.

Durante os anos de prisão de Erich Mühsam, sua companheira foi incansável em sua atividade política e solidária, cujo objetivo principal era obter uma anistia para os presos políticos alemães, que haviam enchido as prisões após o fracasso do ciclo revolucionário que começou em novembro de 1918. Seria neste período que ele estabeleceria boas relações com a militância da Rote Hilfe, uma organização de solidariedade, assistência e alívio aos prisioneiros muito próxima ao Partido Comunista Alemão e à Terceira Internacional. Seria precisamente nestes círculos que ele se encontraria com Elena Stásova, delegada na Alemanha do Komintern e presidente do Socorro Vermelho Internacional desde 1927.

Depois que o governo republicano concedeu uma anistia geral, Erich Mühsam foi libertado da prisão em 1924. O casal se mudou para Berlim e continuou a ter contatos ocasionais com militantes das organizações comunistas de assistência durante todo este tempo.

No entanto, tudo mudaria em 1933, após a rápida ascensão do Partido Nazista ao poder. Erich Mühsam foi preso novamente. Seu nome, como o de muitos dos militantes das organizações de esquerda, apareceu nas listas que os nazistas usaram para quebrar o movimento operário alemão. Internado em um dos primeiros campos de concentração, Oranienburg, Erich Mühsam foi sistematicamente torturado pelos guardas do campo e foi assassinado pelas SS em 10 de julho de 1934.

O golpe foi brutal para sua companheira. Apesar do medo de ser presa pelos nazistas, Zensl exigiu uma investigação para esclarecer as circunstâncias da morte de Erich e para descobrir quem era o responsável. Ao mesmo tempo, ela mudou sua residência para Dresden, uma cidade perto da fronteira com a Tchecoslováquia, e colocou todos os arquivos pessoais de seu marido na custódia de Ernst Simmerling, cunhado de Rocker.

Em 15 de julho de 1934, após ter sido avisada por uma jornalista americana, Dorothy Thompson, de sua iminente prisão pela Gestapo, ela cruzou a fronteira com segurança e, pouco tempo depois, através de alguns contatos, conseguiu levar o legado de Erich Mühsam a Praga por uma mala diplomática. Pouco tempo depois, em 1935, foi publicado O Calvário de Erich Mühsam, uma obra que denunciou o regime de terror implementado pelo NSDAP na Alemanha e que levou à perda de sua nacionalidade alemã. O texto foi publicado por uma editora ligada ao Socorro Vermelho Internacional, uma organização que, como mencionado acima, foi então presidida por Elena Stásova e que estava diretamente ligada à Internacional Comunista.

Durante sua estada na Tchecoslováquia, e através da mediação de Stásova, as autoridades soviéticas encorajaram Zensl a se mudar para Moscou. Ela chegou lá com seu sobrinho, Joseph Elfinger, em agosto de 1935. Pouco depois ela embarcou em uma turnê denunciando as atrocidades do regime nazista, participou de um serviço memorial para Erich Mühsam, e facilitou a entrega do legado pessoal de seu marido às autoridades soviéticas em fevereiro de 1936.

Entretanto, alguns meses depois, em abril de 1936, Zensl Mühsam foi presa e encarcerada na prisão de Lubyanka, em Moscou. Ela havia sido acusada de participar de atividades contrarrevolucionárias de caráter trotskista. Seu sobrinho também foi preso e nunca mais foi visto de novo.

A falta de notícias sobre o paradeiro de Zensl levou o filósofo André Guide a se interessar por ela durante sua visita a Moscou. Ele recebeu apenas notícias vagas. Foi precisamente então, em meados de 1936, que uma campanha internacional de denúncia foi organizada e Zensl Mühsam foi libertada da prisão.

A partir de então, as hierarquias do regime soviético nunca mais deixaram de manter Zensl sob controle. Em 1937, ele fez um acordo com o Instituto Maksim Gorky para depositar o legado de Erich Mühsam em troca de uma pensão alimentícia. Pouco tempo depois, em 1938, ela solicitou um visto de saída para viajar para os Estados Unidos, o qual foi negado.

Alguns meses mais tarde, Zensl foi presa novamente. Em 1939, ela foi condenada por atividades contrarrevolucionárias e começou sua provação em vários campos de trabalho. No âmbito do Pacto Germano-Soviético, ela foi selecionada para fazer parte do contingente de alemães residentes na URSS que seriam entregues à Gestapo, mas Zensl nunca cruzou a fronteira. Em 1940, ela foi internada no Campo Laboral Yavas III em Mordovia, onde permaneceu até 1946. Em novembro daquele ano ela foi deportada para uma cidade perto de Novosibirsk, mas em 1947 ela voltou clandestinamente para Moscou, onde, depois de ser reconhecida e denunciada às autoridades, ela pediu para retornar à Alemanha Oriental. Entretanto, seu pedido foi negado pelas autoridades do Partido Socialista Unificado da Alemanha, o único partido da República Democrática Alemã, e ela foi forçada a deixar Moscou, mudando-se para Ivanovo, onde pôde trabalhar em um orfanato.

Sua sorte mudou novamente em 1949, quando ela foi presa e deportada para a região de Omsk, onde teve que trabalhar em uma fazenda coletiva. Foi precisamente durante estes meses que Rudolf Rocker, que sempre fez o melhor para ajudar Zensl, iniciou uma campanha dos Estados Unidos para denunciar a situação da viúva de Erich Mühsam, cujo fruto é o texto que agora estamos republicando.

Entretanto, a situação de Zensl não pôde mudar até a morte de Stalin em 1953, quando ela foi autorizada a retornar ao orfanato em Ivanovo e pôde processar seu pedido de retorno à Alemanha sem impedimentos. Foi somente em meados de 1955 que Zensl se mudou para Berlim Oriental, onde as autoridades comunistas lhe concederam uma pensão honorária e começou um período de recuperação e valorização do trabalho de Erich Mühsam, o que levou à publicação póstuma de parte de seu trabalho, uma cópia microfilmada do legado de Erich Mühsam depositado no Instituto Maksim Gorky foi entregue à Academia de Artes de Berlim, e Zensl Mühsam recebeu a Ordem do Mérito Patriótico por ocasião de seu 75º aniversário.

Ao mesmo tempo, Zensl Mühsam foi reabilitada na União Soviética através da sucessiva revisão de suas convicções; um processo que não pôde ser totalmente concluído, pois Zensl morreu em 1962 de câncer de pulmão. Suas cinzas foram colocadas em uma cova na área dedicada aos heróis socialistas no cemitério principal de Friedrichsfelde. Após a queda do Muro de Berlim, apenas trinta anos depois, em 1992, as cinzas de Zensl foram colocadas no túmulo de Erich Mühsam, localizado em um cemitério na parte ocidental.

A vida de Zensl Mühsam, que representa a coragem dos milhares de mulheres europeias que sofreram sob o totalitarismo nazista e estalinista, é também um relato do trabalho indispensável que muitas mulheres desempenharam na preservação do legado documental de seus companheiros; Uma obra invisível, pouco reconhecida, mas fundamental para a transmissão da obra de autores como Erich Mühsam (Zensl Mühsam), Miguel Hernández (Josefina Manresa), Blas Infante (Angustias García Parias), Piotr Kropotkin (Sofía Anániev) ou E. A. Rheinhardt (Erica de Behr), para dar apenas alguns exemplos.

Este livro, de certa forma, é dedicado a todos elas.

Piedra Papel Libros

piedrapapapellibros.com

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/08/espanha-rudolf-rocker-fala-bengali-e-urdu/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2011/06/26/alemanha-resolucao-sobre-os-direitos-autorais-da-obra-de-rudolf-rocker/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2011/06/26/alemanha-resolucao-sobre-os-direitos-autorais-da-obra-de-rudolf-rocker/

agência de notícias anarquistas-ana

Quanta solidão
nos olhos do velho
no choro do cão

Regina Ragazzi




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org