Março 31, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
204 visualizações


• Na sede da Associação para a Recuperação da Memória Histórica, pode-se lembrar desses heróis esquecidos que lutaram pelos direitos trabalhistas individuais e coletivos desde o movimento libertário, até 15 de abril.

Por Madalina Panti | 24/03/2021

À beira de completar 100 anos, Martín Arnal Mur tornou-se uma das poucas testemunhas vivas da Guerra Civil e Revolução Espanhola. Ele não é um nome desconhecido para os aragoneses nem para o anarco-sindicalismo. Desde os coletivos agrários de 1936 em sua cidade natal, Angüés (Huesca), até a luta pelos direitos trabalhistas, passando pelos campos de concentração franceses, sua vida representa uma compilação de memória histórica que continua a se espalhar.

Ramón Acín ou Joaquín Ascaso são figuras bem conhecidas pelo valor que contribuíram para a política e a cultura aragonesa. Suas vidas, e as de muitos companheiros da época, estão reunidas no livro “Libertarios de Aragón” de Agustín Martín, que narra a coexistência de vários protagonistas do movimento libertário em terras aragonesas desde o início do século XX. Aragão é um dos territórios onde o pensamento libertário se enraizou com mais força depois da Catalunha e no mesmo nível da Andaluzia, de fato a capital aragonesa foi chamada de “a pérola negra” ou “a cidade libertária”, pois testemunhou várias insurreições.

Através de breves biografias, a Associação para a Recuperação da Memória Histórica de Aragão (ARMHA) valoriza em uma exposição a todos aqueles que defenderam a fraternidade, a igualdade ou a rejeição da burguesia, “foi um dos movimentos mais importantes que existiram desde a República ou desde antes da criação da CNT, muito mais do que em outros países”. “Essas pessoas não tinham ninguém, ninguém se lembrava delas e mesmo assim tinham um enorme significado”, lembra Enrique Gomez, presidente da ARMHA.

Os painéis da exposição conseguem colocar o público nas duras horas de trabalho de 12 e 19 horas sem pausas, trabalho infantil, sem proteção e cuidados médicos ou proibição de greves. “Os anarquistas eram importantes, a República e a esquerda vieram em grande parte porque, de alguma forma, os libertários decidiram se colocar a ela, na verdade eles tinham até um ministro e um ministro que estava no governo da República, mas tudo o que eles fizeram foi esquecido porque eles não pertenciam a um partido político em particular. Se eles tivessem sido socialistas, por exemplo, teria havido livros ou uma fundação, mas não se fala de anarquistas, eles sempre tiveram uma má reputação”, diz Gomez, da ARMHA.

Esta exposição é complementada pela projeção de vários documentários como “Bajo signo libertario” e “Aragón, trabaja y lucha” realizados pela CNT, do Arquivo Cinematográfico da Revolução Espanhola, 1936-1939. Eles detalham as realizações, contribuições e dados relevantes, pouco conhecidos desta parte da história.

A resistência contra o fascismo

Milhares de pessoas perderam a vida por seus ideais ao defenderem conceitos universais como liberdade, bem-estar social e uma série de direitos individuais e coletivos, como o direito de formar e aderir a sindicatos, o que naquela época era proibido. Esta resistência teve consequências, “a repressão estava na ordem do dia”. Havia pessoas que acabaram em campos de concentração e outras que preferiram cometer suicídio”, diz Gómez. Este foi o caso de dois amigos, Evaristo Viñuales e Máximo Franco que, após anos de luta libertária, tiraram suas próprias vidas juntos em 1939 para evitar cair nas mãos dos fascistas. As últimas palavras de Viñuales foram: “este é nosso último protesto contra o fascismo”.

Muitos outros conseguiram exilar-se em países como a França ou cruzaram através do charco para países de língua espanhola. Quando a Guerra Civil terminou e parecia que eles iriam poder deixar os campos “tiveram a má sorte de os nazistas terem chegado” e “alguns acabaram voltando, muitos morreram durante a guerra e outros foram para o exílio no México”, diz o presidente da ARMHA.

Francisco Ponzán foi um dos que atravessaram para a França, onde permanece na memória. Discípulo de libertários, ele foi militante na CNT e promoveu a criação do Conselho de Aragão e organizou um grupo de espionagem entre outras ações, mas, no entanto, ele se destacou porque em seu exílio na França ele começou a espalhar uma rede antifranco dentro e fora do país. Ele facilitou a saída e a entrada na França de centenas de pessoas em troca de armas e dinheiro para lutar contra Franco até que finalmente foi pego e fuzilado pela Gestapo.

Mulheres livres

Na linha de frente da luta pelos direitos e liberdades havia também figuras femininas. De sangue aragonês, algumas delas, como Maria Castaneda, tornaram-se uma das confederadas mais ativas de Zaragoza, após terem sido presas em várias ocasiões por terem uma ideologia libertária. Ela foi uma das poucas que tentaram resistir ao regime de Franco, mas foi impossível. Ela decidiu deixar a cidade com seu marido, mas foi presa e fuzilada pouco tempo depois. Um dos objetivos dessas mulheres era unir o gênero feminino para mostrar-lhes uma vida diferente da submissão.

La Jabalina não é apenas uma peça, por trás do apelido está María Pérez, uma anarquista e enfermeira de Teruel que se juntou à Juventudes Libertarias em 1934 e mais tarde, em 1936, ela se juntou a confederal Columna de Hierro (Coluna de Ferro) em Sarrión e como enfermeira ela participou da criação de um hospital de campo. Em 1939 ela foi presa pelos franquistas e, após vários anos de julgamentos, foi fuzilada em agosto de 1942.

Quiteria Serrano conseguiu ir para a França e se estabelecer, apesar de ter acabado se casando no Chile. Após a ditadura de Pinochet nos anos 80, ela retornou à Espanha e viveu até os 87 anos de idade na província de Tarragona. Ela é reconhecida como uma das lutadoras e organizadora de fugas da capital aragonesa para a zona republicana, as famosas “Evasões” pela noite através dos Montes de Torrero.

Os direitos e liberdades que estes personagens deixaram na história pretendem continuar deixando sua marca para não esquecer os esforços e sacrifícios feitos para defendê-los. “Queríamos incentivar as pessoas para que, quando vissem isto, tentassem elas mesmas descobrir mais sobre elas, pois esta exposição chega a muitas escolas secundárias também”.

Também para lembrar histórias pessoais como o próprio avô de Enrique Gómez, cuja vida ainda está presente: “meu próprio avô construiu sua própria história, ele estava na CNT e como era um dos poucos que sabia ler e escrever, eles o colocaram no sindicato dos encanadores. Um dia o levaram ao museu Pablo Gargallo, que tinham como centro de detenção, e lá ele salvou sua pele porque o colocaram para trabalhar em troca de comida. Ele estava há 5 anos na prisão e depois vivendo sob o regime de Franco, ele teve a sorte naqueles tempos difíceis, apesar de ter uma atitude crítica”, conclui o presidente da ARMHA.

Fonte: https://www.eldiario.es/aragon/cultura/libertarios-heroes-olvidados-lucharon-franquismo_1_7343378.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Calor e chuva
Caminham pela janela
Lágrimas de outono

Yumi Kojima




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org