Fevereiro 1, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
157 visualizações

Primeiro protesto em massa na Catalunha contra a reforma trabalhista a ser votada em 3 de fevereiro no Congresso dos Deputados, convocado pela Taula Sindical.

As manifestações em Barcelona, Tarragona, Lleida e Sabadell são o sinal de partida para a oposição dos sindicatos combativos à consolidação dos cortes trabalhistas dos governos Zapatero e Rajoy que a reforma trabalhista promovida por Yolanda Díaz, com o apoio do CEOE, CCOO e UGT, representa.

Neste sábado, 29 de janeiro, a Catalunha viveu o primeiro dia de protestos em massa contra a Reforma Trabalhista acordada pelo governo espanhol, CCOO e UGT e a patronal CEOE em 28 de dezembro. Convocada pela Mesa Sindical de Cataluña, hoje é o sinal de partida para uma mobilização sindical contra esta nova reforma trabalhista que, longe de revogá-las, consolida as principais medidas das reformas trabalhistas de 2010 e 2012, sob os governos de Rodríguez Zapatero e Mariano Rajoy.

A principal mobilização ocorreu em Barcelona, onde mais de 3.000 pessoas participaram da manifestação realizada entre os Jardinets de Gracia e a sede da organização patronal Fomento del Trabajo. A demonstração começou após a chegada de várias colunas de Baix Llobregat e Santa Coloma.

Em um ambiente combativo, a manifestação passou por Pau Claris, Via Laietana para a sede da organização patronal Fomento de Trabajo, em meio a gritos e slogans contra a docilidade das CCOO e UGT e partidos que mentiram ao seu eleitorado.

Também houve manifestações em Sabadell, Tarragona e Lleida. Centenas de pessoas denunciaram a falsa revogação da reforma trabalhista e, no caso de Lleida, procederam à queima de várias caixas simbolizando os efeitos que a reforma trabalhista gerou entre a classe trabalhadora.

O dia das manifestações foi convocado pela Taula Sindical de Catalunya, formada pelos sindicatos Confederació General del Treball (CGT) de Catalunya, Intersindical Alternativa de Catalunya (IAC), Confederació Nacional del Treball (CNT), Coordinadora Obrera Sindical (COS), Solidaridad Obrera (SO) e Comisiones Obreras de Base (Cobas), que se consolidou através de várias mobilizações nos últimos meses (greve sanitária em março, greve dos trabalhadores temporários em outubro e novembro) como a alternativa sindical ao binômio CCOO-UGT. Contou ainda com o apoio do movimento por moradia, dos coletivos de aposentados, de várias organizações libertárias da Catalunha, da esquerda pró-independência, etc.

As mobilizações continuarão nos próximos dias e meses. Os diferentes sindicatos da Mesa Sindical tornaram público na última quinta-feira seu compromisso de manter a mobilização nos próximos meses contra esta burla do governo espanhol, que longe de cumprir sua promessa de revogar a última reforma trabalhista, a valida. A próxima reunião será nesta quinta-feira, 3 de fevereiro, às 19h.

Fonte: https://cgtcatalunya.cat/milers-de-persones-surten-al-carrer-contra-la-reforma-laboral/

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/01/31/espanha-reforma-laboral-2021-uma-vigarice-a-favor-da-patronal/

agência de notícias anarquistas-ana

tarde de chuva
ninguém na rua
guarda a chuva

Alonso Alvarez



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org