Março 4, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
229 visualizações

Perante os acontecimentos arrepiantes resultantes da invasão da Ucrânia pelas Forças Armadas da Federação Russa, não podemos continuar calados. Acreditamos que este é o momento em que devemos elevar nossa voz, a voz do humanismo, acima de qualquer outra questão. E não somos especialistas em geopolítica, nem mesmo amadores; Não somos especialistas em reservas de energia, nem industriais e nem agrícolas. Na verdade, não somos especialistas em praticamente nada, apenas no nosso ofício e trabalho como trabalhadores que somos, e é precisamente isso que acreditamos que nos dá a legitimidade de poder lançar uma arenga vazia de violência e baseada na realidade das pessoas comuns da classe trabalhadora. Porque isto, embora nos digam outra coisa, não se trata de pátrias, nem de territórios históricos, trata-se do capitalismo e do ódio exacerbado deste sistema contra as pessoas, ódio que deriva do desejo de ganhar cada vez mais dinheiro, e cada vez mais poder.

Eles podem nos dizer que o bandido é um ou outro, mas a realidade está sendo muito mais simples: a realidade, mais uma vez, é o que a classe trabalhadora sofre independente de sua nacionalidade: morte, sofrimento, exílio…

Não somos enganados por aqueles que banalizam o fascismo e o nazismo qualificando um ou outro, conforme apropriado, como nazistas ou fascistas. Porque isso é, mais uma vez, o capitalismo. Ninguém que é a favor da guerra é o mocinho dessa história. Ninguém que enche a boca pedindo a morte não serve para nada. É inútil apelar a blocos políticos já desaparecidos, para justificar certas posições. Putin não é comunista. Biden não é um pacifista. E um e outro pouco se importam com a democracia. Na verdade, eles são cortados do mesmo padrão. Ambos atendem, cada um à sua maneira, a oligarquia empresarial. A esse 1% que domina o mundo com seu capital e que tem a audácia de falar dos benefícios econômicos da guerra, ignorando o sofrimento que ela causa.

Povos ucranianos e russos e pessoas de qualquer outra parte do mundo são nossos irmãos; irmãos de classe e a eles nós devemos, por eles levantamos a voz para continuar gritando: NÃO À GUERRA! NÃO AO MILITARISMO! Governe quem governe.

Chega de nos matar para fazer seu negócio sujo. Chega do seu negócio. Nós iremos, a classe trabalhadora, nos levantar para nossa própria emancipação e vamos esvaziar do poder essa turba de covardes e mentalidade criminosa que grita por guerra, sendo incapazes de dar a vida por qualquer coisa ou por qualquer pessoa.

Deixemos de pensar nos termos que o sistema de dominação nos marca e nos impõe e pensemos no novo mundo que podemos construir: livre de violência e onde todos sejamos irmãos. Abandonemos o mercantilismo e a mercantilização da vida. Mas enquanto esse tempo chega, gritemos com uma só voz:

PARE A GUERRA, PAREM AGORA!

NEM PUTIN NEM BIDEN!

NÃO À OTAN!

SOLDADOS DE TODOS OS EXÉRCITOS: DESERTEM!

Fraga, 26 de fevereiro de 2022

CNT-AIT Federação Local de Fraga

Fonte: http://bajocincalibertario.blogspot.com/2022/02/no-la-guerra-no-al-milit

Tradução > GTR@Leibowitz__

agência de notícias anarquistas-ana

A pedra da rua.
Humilham-te sem cessar.
Ah! os pés humanos…

Fanny Dupré



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org