Fevereiro 1, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
156 visualizações

A Fundação encarregada de preservar o arquivo da CNT está procurando dinheiro suficiente para melhorar seu sistema de catalogação e profissionalizar certos serviços. Milhares de cartazes, livros e cabeçalhos de imprensa ainda estão armazenados em caixas à espera dos recursos necessários para disponibilizá-los aos pesquisadores e partes interessadas.

 Por Guillermo Martínez

Em 2020, eles trataram de 440 consultas de pesquisadores e forneceram informações a 123 pessoas que procuravam um traço de seu ente querido. Foi o que fez a Fundação Anselmo Lorenzo (FAL) no ano passado, entidade que detém o precioso arquivo da Confederação Nacional do Trabalho (CNT) e agora busca 100.000 euros para continuar sua atividade de catalogação, documentação e indexação dos milhares de documentos que ainda não podem ser consultados depois de 1939. O tesouro que é preservado em Yuncler, Toledo, faz deles o maior arquivo anarquista da Península Ibérica e um dos maiores do mundo: “Parece que estamos pedindo muito dinheiro, e eu acho que juntos podemos consegui-lo, mas não é tanto considerando o material que precisamos e os orçamentos nos quais outros arquivos normalmente se movimentam”, diz Sonia Turón, presidente da Fundação.

A história desta documentação data do final da Guerra Civil, quando centenas de toneladas de papel e cultura anarquista foram perdidas. Em Salamanca, todo o material apreendido pelo lado vitorioso de Franco dos ateneus, organizações, partidos políticos e sindicatos foi concentrado. “Ali, em Salamanca, onde todas as questões intelectuais do regime começaram, eles só guardavam o que lhes interessava, ou seja, o material em que os nomes e sobrenomes apareciam para que mais tarde pudessem perseguir e reprimir essas pessoas. Eles não só nos aniquilaram fisicamente, mas também em termos de documentação”, acrescenta Turón. Além disso, os próprios militantes libertários destruíram o material em sua posse, temendo que o novo regime ditatorial pudesse retaliar contra eles por isso.

Décadas depois, a CNT decidiu criar a FAL para preservar, catalogar e divulgar tudo o que restava da documentação histórica daquela época, mais o que vem chegando ao longo dos anos do movimento libertário no exílio e a grande relação que as afiliadas da Confederação têm mantido com os movimentos sociais mais vanguardistas politicamente. “Temos muita documentação porque o trabalho construtivo que realizamos durante a revolução social e o movimento libertário em geral nos deixou um longo caminho a percorrer, apesar de tudo”, diz a presidente.

Construindo um pensamento novo

Ela mesma está consciente de como estes anos de democracia também foram anos de silêncio: “É incrível o medo que tem havido durante este tempo que agora nos fazem tantas perguntas sobre parentes. Agora, depois de duas ou três gerações, é quando as pessoas ousam dizer que seus avós estão aqui”. Seja como for, os milhares de documentos arquivados em Yuncler enviam uma mensagem. Parafraseando Turón, são a prova da criação de uma nova forma de pensar que já existia, para que pudesse ser repetida, precisamente aproximando-a da realidade, a fim de criar novas práticas do movimento anarcossindicalista e libertário.

O valor de 100.000 euros parece um pouco exagerado, especialmente levando em conta os números de crowfunding, os meios pelos quais eles esperam obtê-lo graças às pequenas contribuições de centenas de pessoas conscientes do valor desta documentação. Apesar disso, com todo o dinheiro que conseguem obter, eles tentarão melhorar seu sistema de catalogação, preservação, restauração e digitalização. Por exemplo, calcularam que com 3.000 euros poderiam financiar a compra de material de conservação e com outros 3.000 euros o equipamento informático necessário para a digitalização de material de imprensa e a digitalização de fotografias, slides e negativos. Com 11.000 euros, eles poderiam adquirir um scanner profissional de grande formato, e com cerca de 20.000 euros, um programa profissional de gerenciamento de documentos.

A este respeito, deve-se notar que a FAL, como a CNT, não recebe nenhum tipo de subsídio, e como Turón assinala, nem eles o querem. Portanto, é com o dinheiro dos membros e doadores da FAL e dos militantes da CNT que tal empreendimento é financiado. Apesar de suas limitações, eles se tornaram o centro nevrálgico da cultura anarquista na Espanha. Isto é evidenciado pelas dezenas de palestras, conferências e apresentações de livros e filmes que acontecem a cada temporada em sua sede no bairro dos Embajadores, em Madri, bem como pelos títulos que publica continuamente, na tentativa de recuperar e atualizar “tudo o que tem a ver com o movimento libertário”, salienta a presidente.

A presença da memória histórica da família

Para este fim, três pessoas são empregadas na Fundação, embora muitas outras, incluindo as da diretoria, também dediquem parte de seu tempo ao bom funcionamento da organização. Destes três, um é Juan Cruz, o arquivista da FAL que realiza seu trabalho cotidiano em Yuncler: “Estou encarregado do trabalho básico de arquivo, como catalogar as coleções, digitalizá-las e processar novas entradas de documentos e melhorar sua conservação, mas também do trabalho de base, ou seja, atender aos pesquisadores e divulgar o material”, conta ao Público da cidade de Toledo.

Sua experiência lhe diz que o usuário atual que se aproxima do arquivo CNT tem perfis diferentes, embora há alguns anos ele fosse mais monocromático. Além de pesquisadores profissionais ligados ao mundo universitário e muitos outros estudantes que estão começando com seus projetos de graduação final ou mestrado, Cruz explica “a recuperação da memória familiar”. Ele se refere às pessoas que pertenciam ao movimento libertário ou eram militantes da CNT sobre os quais quase nada se sabe e cujos parentes veem a FAL como uma ferramenta para acabar com este manto de silêncio.

Perguntado o que há dentro de todas as caixas que ele ainda tem para catalogar, o arquivista responde que se trata de uma coleção muito valiosa. Uma grande porcentagem do que diz respeito à ditadura, ao exílio e à Transição da perspectiva anarquista ainda não está disponível para consulta. É por isso que eles precisam do dinheiro. “Estamos falando de toda a coleção fotográfica do exílio e da Transição, da coleção audiovisual após a Guerra Civil, de um grande número de gravações de palestras, entrevistas com militantes veteranos, gravações de comícios nos anos 70 e também das coleções pessoais de antigos anarquistas que depositaram toda sua documentação e biblioteca na FAL”, explica Cruz. Além de tudo isso, existem objetos como cartões da Confederação, fotografias de todos os tipos, cartões postais e até mesmo pinturas.

Melhorar seu catálogo sem ajuda estatal

O nível de descrição ainda mantido nas caixas relativas ao exílio libertário na França, por exemplo, é “muito pobre”, descreve o arquivista. Na mesma coleção, que ainda é quase não catalogada, está a documentação do exílio latino-americano, onde há uma infinidade de cabeçalhos de imprensa nos quais seria necessário realizar trabalhos adicionais, como onomásticos, para recuperar os nomes que aparecem, a fim de facilitar as consultas posteriores. Mesmo assim, a coleção atual inclui 6.000 cartazes, mais de 5.000 cabeçalhos de imprensa catalogados desde o final do século XIX, um arquivo audiovisual e uma biblioteca especializada com milhares de títulos em sua coleção.

Por outro lado, o arquivo da FAL e da CNT está ganhando cada vez mais reconhecimento no mundo dos arquivos, especialmente aqueles que possuem documentação dos trabalhadores e dos sindicatos. Além disso, embora o Estado espanhol reconheça a FAL como o interlocutor válido nestes assuntos, a FAL e a CNT sempre foram muito relutantes em fazer parte de qualquer estrutura de sistema de arquivos do Estado. Por quê? “Porque é o Estado que ainda mantém um enorme volume de documentação roubada que não nos foi devolvida. Portanto, não pode haver qualquer tipo de relação de igualdade com o Ministério da Cultura”, conclui Cruz.

Fonte: https://www.publico.es/politica/anarquismo-necesita-100000-euros-digitalizar-historia.html?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=web

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/12/21/espanha-video-a-fal-lanca-campanha-de-financiamento-publico-para-a-catalogacao-de-toda-a-colecao-pos-1939/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/12/16/espanha-crowdfunding-da-fal/

agência de notícias anarquistas-ana

Obscuramente
livros, lâminas, chaves
seguem minha sorte.

Jorge Luis Borges



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org