Novembro 30, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
333 visualizações


O Fundo Monetário Internacional (FMI), que diz tão pouco (ou nada) sobre corrupção, exploração infantil ou insegurança no emprego, tem uma estranha fixação nas pensões e nos modestos salários dos trabalhadores. Apesar de o montante desses pagamentos ter sido congelado e cortado durante anos, os principais líderes do FMI aproveitam quaisquer aparições públicas para culpar as pensões e recomendam o abandono do sistema público como uma exigência, quase que exclusivamente, para superar as crises cíclicas do modelo econômico atual.

A alarmante perda de independência e espírito crítico pela maioria da profissão jornalística não é uma tendência exclusiva da mídia privada e pública espanhola, mas nos coloca muito à frente do resto dos países ao nosso redor. Se este não fosse o caso, não se entenderia que estas rotinas dos porta-vozes do capitalismo internacional recebem destaque e credibilidade; supostos especialistas cujos salários são pelo menos doze vezes mais altos do que o salário médio ou pensão na Espanha. A mesma unanimidade é produzida quando a ordem é para silenciar vozes dissidentes ou ignorar as lutas de organizações e grupos que estão descontentes com o regime.

O mais recente desses sermões neoliberais foi entregue pelo chefe da missão do FMI na Espanha, Andrea Schaechter, que alertou o quanto perigoso poderia ser o acordo para aumentar em 0,9% as pensões e salários dos funcionários públicos em nosso país. Ao mesmo tempo, ela aproveitou a receptividade das autoridades e da mídia para salientar a necessidade de apoio público às empresas privadas e para reiterar a conveniência de liberalizar o sistema de aposentadoria.

Com exceção dos trabalhadores autônomos e das PMEs, não parece que a situação dos empregadores seja tão delicada quanto a de um terço das famílias espanholas que já estão imersas ou seriamente ameaçadas pela pobreza, pois ao mesmo tempo em que a Sra. Schaechter nos alertou sobre o risco de aumentar a renda dos trabalhadores, ativos ou aposentados, o mercado acionário espanhol estava passando por um aumento semanal de 13,52%, o maior aumento nos últimos 22 anos.

Este movimento ascendente no pregão é devido, de acordo com as opiniões expressas nos suplementos de cor sépia, ao anúncio de uma próxima vacina contra a Covid-19 pela empresa farmacêutica Pfizer.

Não seria justo dar aos líderes internacionais todo o crédito pelas campanhas em favor da moderação nos gastos sociais, pois na casta governante nacional também temos figuras importantes que não se esquivam de falar o que pensam. Antonio Garamendi, o presidente da Confederação Espanhola de Organizações Empresariais (CEOE), cujo salário é superior a 300.000 euros por ano, criticou o aumento de 0,9% nos funcionários públicos e aposentados. O governador do Banco da Espanha, Pablo Hernández de Cos, também se pronunciou contra este aumento salarial para funcionários públicos, alegando que o IPC anual é inferior a esta porcentagem. Além de não ir ao mercado e ver os preços subirem, Hernández de Cos parece esquecer que os funcionários públicos – como muitos outros trabalhadores – sofreram anos de congelamento e cortes. Neste caso, o insulto é muito maior porque o salário concedido a esse cargo (186.000 euros em 2017) provém dos cofres públicos.

E para terminar, nada melhor do que lembrar algumas das declarações dos empresários modelos deste país: Juan Roig (dono de Mercadona) não corta um centavo e nos pede para pensar mais em termos de “picareta e pá” e menos sobre a vacina; Ignacio Goirigolzarri (presidente da Bankia) também não esconde e diz que temos que nos preocupar tanto com a economia quanto com a saúde. Quanto a Amancio Ortega (nº 1 dos mais ricos da Espanha), ele não hesitou, apesar de sua crescente riqueza, em aproveitar o ERTE e a redução de pessoal para “modernizar” os negócios da Inditex. Por sua vez, Ana Botín, presidente do Banco Santander, que agora se orgulha de ser uma feminista, anunciou que está assumindo outros 4.000 empregos e está aplicando 1.000 transferências a fim de fechar um terço de suas agências bancárias.

Apesar das evidências de que o dinheiro não está nos livros dos aposentados, os responsáveis ainda estão tentando tornar os já pobres mais precários e empobrecidos.

Fonte: https://www.elsaltodiario.com/alkimia/los-ricos-piden-austeridad-a-los-pobres

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

o bambual se encantava
parecia alheio
uma pessoa

Guimarães Rosa




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org