Abril 19, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
242 visualizações


A primavera começou com o surgimento de vários casos contra anarquistas em diferentes partes do país: Ruymán da FAGC, alguns anarquistas italianos baseados em Barcelona e “os seis de Zaragoza”.

Na imaginação coletiva, os anarquistas não existem. Somos um monstro do passado, indeterminado, que só aparece em áreas marginais e à noite, como o “bicho-papão”. Mas quando os assuntos atuais são frouxos ou os movimentos sociais estão ativos, os casos contra os anarquistas disparam. Sempre na forma de uma montagem com todo o dispositivo de mídia pronto para repetir e amplificar uma história até que ela seja crível.

No primeiro caso temos o ativista anarquista Ruymán, da Federação Anarquista da Gran Canaria. Ele colabora há anos com o Sindicato de Inquilinas de Gran Canaria. Em seu projeto “La Esperanza”, eles ocupam casas vazias para dá-las às pessoas necessitadas.

Ele é acusado de atacar a autoridade por supostamente ter chutado um dos policiais que o detiveram ilegalmente (sem se identificar). Para isto, ele está sendo solicitado por um ano e seis meses de prisão. Por sua vez, Ruymán denunciou uma surra destes policiais. O Ministério Público rejeitou sua queixa como “flutuante”, apesar do fato de que nos diferentes testemunhos sobre a agressão fala-se de cotoveladas, joelhadas e estrangulamentos e, claro, sempre, como início desta agressão, uma bofetada no rosto. Por outro lado, nada é dito sobre a detenção ilegal porque esses agentes estavam lidando com uma queixa contra Ruymán de “coerção” por um dos inquilinos do projeto “La Esperanza”. Esta queixa foi posteriormente retirada, mas a detenção ilegal ocorreu.

Em relação aos anarquistas italianos, destaca-se o nome de Sara Casiccia, que foi acusada de tentar incendiar uma van da polícia. Bem, aqui a montagem é risível, e segurem-se, porque vamos começar:

– Primeiro ela é presa na Rambla Catalunya com Còrsega e não na rua Valencia onde as altercações acontecem, mas não é surpreendente que no atestado policial eles coloquem a prisão na rua Valencia.

– Ao analisar o vídeo do incidente, o acusado estava vestido de uma maneira completamente diferente daquela descrita na declaração policial, além de não se parecer com a pessoa que ateou fogo na van.

– O grande elo entre todos os detentos é ter um isqueiro da mesma marca. O isqueiro é vendido em um pacote com a marca “Horizon” de tabaco. Um tabaco de enrolar barato.

– Finalmente, os agentes destacaram em seu ataque “o forte cheiro de gasolina nas roupas da acusada” como forte evidência. O caso é tão absurdo que até o Ministério Público se juntou à defesa para pedir a liberdade da acusada.

Não contentes com isso, os meios de comunicação mais infames do Estado estão transmitindo todo tipo de barbaridades infladas como se verdades fossem. Por exemplo, o fato de pertencerem ao movimento dos “okupa” significa que eles estão ligados às drogas e à venda de drogas. Alguns também são descritos como “viciados em drogas” que por sua vez estão “organizados”, sofrendo de dependência e, ao mesmo tempo, estar organizado em um comando é bastante inconsistente. Ter que deixar de lado outras fantasias, como os comandos terroristas anarquistas itinerantes, quando vemos que as pessoas presas vivem na Espanha há anos. Tudo isso polvilhado com acrônimos como ACAB ou CSOA para que o espanhol médio entenda que se sua filha, sobrinha ou primo tem o tecido de roupas impressas assim “devem ser observador”, que “isso não aconteceu com Franco” e “o Alfinete de Múrcia é o que essas crianças precisam”.

O terceiro caso, o dos seis em Zaragoza, também é flagrante. Em 2019, um comício antifascista foi convocado em frente a uma reunião do VOX [partido de extrema direita]. Esta concentração, onde cerca de duzentas pessoas participaram depois de sofrer várias acusações e confrontos policiais, fez com que cerca de oitenta manifestantes se refugiassem na cidade universitária, onde vários deles atiraram objetos contra a polícia causando ferimentos a alguns agentes. A polícia prendeu então seis jovens em diferentes bares próximos à universidade. Um vídeo da mídia “El Heraldo Aragonés” é apresentado sobre o incidente onde até o tribunal provincial admite que “a identificação da identidade das silhuetas que aparecem nas gravações foi impossível para o tribunal devido a sua má qualidade e a falta de luz, dado o momento em que os eventos ocorreram, de modo que não foi possível determinar se o acusado estava ou não presente dentro do grupo violento”, apesar disso, condenaram a seis anos de prisão a esses jovens por agressão a um oficial da autoridade e desordem pública. Os pais desses jovens se organizaram em uma plataforma para lutar contra a sentença.

O ponto comum em todas essas perseguições não é apenas ideologia, mas é e sempre será classe. A coerção pela qual Ruymán é denunciado é um exemplo. Esta denúncia por um “invasor” do projeto “La Esperanza” faz parte das estratégias de uma pessoa deteriorada pela “cultura da pobreza”, algo que a maioria dos juízes e policiais não compreendem, nem jamais compreenderão. As relações com a parte da sociedade que tem sido sistematicamente posta de lado e violada, às vezes por gerações, são falhas, complexas e violentas. Inconsistências e explosões de tom a que o mundo normativo (branco, heterossexual, etc.) agarra para apontar o dedo ao “drogado”, ao cigano, ao “nóia”, e porque não ao ativista, anarquista ou não, que talvez seja aquele que é com eles atingido, e portanto, também pode receber essa violência. Toda perseguição ao anarquismo é feita na chave do ódio aos pobres, assimilando violência e pobreza, dependência e pobreza, vida às margens do sistema e pobreza, autogestão e pobreza, é um coquetel simplista de eficácia comprovada ao longo de séculos de história.

Entretanto, enquanto não estivermos sozinhos contra seu ódio, haverá resistência. Liberdade para os reprimidos.

Fonte: https://cantabria.cnt.es/primavera-y-represion/?fbclid=IwAR3ujOttLr0_GCutMbO6-wMNJse9KiUJr0w3MQyGE50mSB1Kh3UAaUEwe1g

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/04/14/espanha-fanzine-a-solidariedade-nao-e-so-palavra-escrita-balanco-repressivo-contra-anarquistas-no-estado-espanhol/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/04/02/espanha-madrid-cronica-da-concentracao-em-tirso-de-molina-em-solidariedade-com-os-anarquistas-presos-em-barcelona-e-todos-os-reprimidos/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/03/23/espanha-pela-retirada-das-acusacoes-e-a-liberacao-de-ruyman-rodriguez/

agência de notícias anarquistas-ana

Da flor o orvalho
nas pétalas: tua face
depois que choraste.

Luiz Bacellar




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org