Junho 24, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
320 visualizações


Houve um tempo em que as propostas dos pedagogos espanhóis eram observadas com atenção em todo o mundo. Uma época em que havia uma abundância de escolas inovadoras, com métodos educacionais avançados, o que causou admiração entre professores e pensadores do início do século XX. Centros educacionais, geralmente fora do Estado ou escolas religiosas, que com poucos meios mas com uma convicção esmagadora, conseguiram elevar o nível cultural entre as classes mais desprivilegiadas.

Era o final do século XIX; o país estava em uma situação econômica deplorável, mantida por governantes medíocres submersos em corrupção, incapazes de tentar resolver os problemas urgentes sofridos pela maioria da população espanhola. A divisão entre as classes sociais era enorme: algumas pessoas ricas desfrutam de um excelente padrão de vida, enquanto as imensas massas trabalhadoras tinham sérias dificuldades financeiras. A oferta cultural era relegada ao gozo apenas de uma minoria; estima-se que em 1900, 60% dos cidadãos espanhóis eram analfabetos. E nesse contexto terrível, surgiu uma autêntica revolução pedagógica que, com suas peculiaridades, atingiu praticamente todas as partes da península; Zamora não foi exceção e em nossa província foram desenvolvidas interessantes propostas educativas de caráter popular, dignas de comentário neste artigo.

Em 1876, foi fundada a Institución Libre de Enseñanza (ILE), um estabelecimento educacional secular privado, inspirado no Krausismo e na pedagogia renovadora de Giner de los Ríos, Pestalozzi e Froebel. As contribuições únicas do ILE foram muitas: a rejeição do livro didático, a colaboração entre os estudantes, o respeito pelo mundo do trabalho, as caminhadas, as críticas aos exames ou o compromisso com a avaliação contínua, defendendo o conceito de que a educação deve cobrir toda a vida de uma pessoa.

Na órbita da instituição estaria a Residência de Estudantes em Madri, onde coincidiu uma longa lista de figuras importantes para a cultura do primeiro terço do século passado: Luis Buñuel, Federico García Lorca, Salvador Dalí, Rafael Alberti, Nicolás Guillén, Juan Ramón Jiménez, Miguel de Unamuno, Marie Curie, María Montessori, Benito Pérez Galdós, Gerardo Diego e León Felipe.

Vários desses intelectuais participariam das Missões Pedagógicas, um organismo financiado pelo governo republicano, que visava levar a cinematografia, o teatro ou uma seleção das melhores obras da literatura universal para os cantos mais remotos do país. Sanabria foi visitada no outono de 1934, ali, aqueles “missionários da cultura” puderam verificar o isolamento e a miséria sofrida pelos camponeses, além disso, eles forneceram material para algumas escolas, ou organizaram conferências sobre água potável ou avanços agrícolas. Durante sua estada em Sanabria, souberam da eclosão dos eventos revolucionários de outubro, estes também foram promovidos com ênfase pelos “carrilanos” da região, defensores do anarco-sindicalismo, que estavam construindo a ferrovia para a Galiza.

Seguindo os postulados do ILE, a instituição filantrópica Fundación Sierra-Pambley, em 1897, criou uma escola primária em Moreruela de Tábara. Uma realidade possível graças ao altruísmo do regeneracionista leonês Francisco Fernández Blanco. A escola podia ser frequentada por crianças de quatro vilarejos da região, com idades entre oito e quatorze anos, e elas deveriam ser: filhos de trabalhadores, órfãos ou de uma família pobre. A qualidade do treinamento, sua gratuidade, a horta escolar ou a existência de materiais pedagógicos e científicos modernos, foram sinais da identidade da escola. Os professores organizavam viagens frequentes: a Puente Quintos, ao Mosteiro de Moreruela ou ao recentemente construído Salto de Ricobayo, e quando era viável, as aulas eram realizadas ao ar livre.

Nesta educação alternativa, não só existiam centros destinados às crianças, mas sua infraestrutura também era utilizada para educar os idosos. Muitas iniciativas culturais surgiram: grupos de teatro, muitas vezes ligados a associações de bairro ou ateneus libertários; aulas noturnas para adultos, quase sempre gratuitas, ensinadas com entusiasmo por ativistas entusiastas que dominaram as letras, palestras informativas, sendo uma referência as palestras dominicais da Escola Moderna, devido ao elenco de professores e palestrantes científicos; bibliotecas populares, administradas por ateneus operários ou coletivos literários; recitais de poesia; grupos de esporte e caminhadas, organizados pela juventude e a criação das Universidades Populares, centros onde o povo podia ter acesso a uma cultura que até então lhe havia sido negada.

A Universidade Popular de Zamora foi aberta em 1933, ligada à Associação Profissional de Estudantes de Zamora (APEZ), que por sua vez aderiu à Federação Universitária Escolar (FUE). Era um coletivo autogerido, aberto a todos os cidadãos, e foi promovido por professores inquietos que treinavam alunos como Amado Hernández Pascual, Engracia del Río ou Valentín Ferrero, em estreita colaboração com os intelectuais progressistas de Zamora da época. Em suas modestas instalações, que estavam na antiga Escola Normal dos Professores (hoje Biblioteca Pública) e na extinta Casa do Povo, realizavam até o verão de 1936 atividades didáticas variadas, gratuitas: palestras sobre saúde; exposições; idiomas, assim como aulas noturnas de gramática, geografia, aritmética ou desenho.

No estudo “La labor educativa de Amado Hernández Pascual: universidad popular, esperanto y difusión cultural en Zamora y Argujillo durante los años 30”, recentemente publicado no Anuário do Instituto Florián de Ocampo de Estudos Zamoranos, detalhou em profundidade esta interessante experiência educacional coletivista.

Um pouco mais longe, em Barcelona, o pedagogo Francesc Ferrer i Guàrdia, em 1901, inaugurou a primeira Escola Moderna. Não era apenas mais um centro educacional, pois abria as portas para a renovação pedagógica do mundo de seu tempo. Ferrer, um pensador livre e anarquista declarado, propôs um sistema completo baseado no secularismo, racionalismo igualitário, apoio mútuo, jogo e ciência. Em suas salas de aula ele introduziu o ensino misto, eliminou recompensas e punições na infância, descartou exames, utilizou técnicas como a correspondência escolar (mais tarde aceita pela Freinet), ou o cuidado com a higiene como método preventivo de doenças.

A biblioteca da escola foi outro dos pilares do modelo Ferrerista, publicando seus próprios materiais e uma cuidadosa coleção de textos de autores de destaque: Odón del Buen, Santiago Ramón y Cajal, Émile Zola, Élisée Reclus, Jean Grave e Liev Tolstói. Também publicou um boletim periódico detalhando sua ideologia e suas chamadas.

Ferrer considerava que a Igreja Católica era diretamente responsável pelo atraso secular que a Espanha sofria, assim, na Escola Moderna eles decidiram não ensinar dogmas religiosos, o que somado à sua plena defesa da coeducação e suas críticas à instituição católica, o fizeram confrontar-se com os setores mais atávicos da sociedade, que conseguiram fechar sua escola em 1906. E mais tarde, vítima de uma montagem, foi acusado de ser o promotor da Semana Trágica, sofrendo um julgamento atormentado por irregularidades, condenando-o à morte. Apesar dos massivos protestos internacionais pedindo sua absolvição, o pedagogo foi executado. Seu último grito, diante do pelotão de fuzilamento, foi um símbolo intemporal e um escárnio da intolerância: “Viva a Escola Moderna!”

Anos mais tarde, sucessivos governos, diante do escândalo de magnitude universal que o final fatídico de Ferrer significava, tentaram compensar sua figura desvendando placas ou nomeando ruas em sua homenagem. Em Zamora, um seguidor seu, o romancista Vicente Blasco Ibáñez, também tinha sua placa de identificação na nomenclatura da cidade, na atual Avenida de Portugal. No entanto, foi o povo que melhor honrou sua memória, pois abririam cuidadosamente numerosas escolas gratuitas em todo o território nacional, que operariam autofinanciadas até o final da Guerra Civil, seguindo ideias de Ferrer, consolidando um sistema educacional alternativo e popular, diametralmente diferenciado da educação estatal ou das ordens religiosas.

Suas técnicas didáticas foram adotadas pelo movimento libertário como um todo, que manteriam muitas escolas onde desenvolveram suas propostas; algumas delas entrariam para a história da educação: A Escola Natura “La Farigola” de Clot, sob a direção de Joan Puig Elías; a Escola Neutra de Gijón, do educador Eleuterio Quintanilla; as colônias escolares no campo do Levantine, do professor Higinio Noja Ruiz; ou os grupos infantis de Edgardo Ricetti (Sabadell), Antonia Maymón, e do andaluz extático José Sánchez Rosa. Sua influência atravessou até mesmo nossas fronteiras, chegando a escolas na América do Norte, Argentina, Brasil ou França e teve até admiradores fervorosos no Oriente, sendo suas ideias introduzidas pelo famoso escritor chinês Ba Jin.

Tal foi o prestígio deste modelo instrutivo integral, que durante uma visita de Albert Einstein em 1923 a Barcelona, o cientista visitou um centro do sindicato CNT, encontrando-se com o libertário Leonês Ángel Pestaña, e aproveitou a oportunidade para dar conselhos sobre aspectos culturais aos trabalhadores presentes.

Na província, temos provas do sincero pedido de livros e publicações, nas páginas do semanário “Campo Libre!”, pelos cenetistas de Losacio de Alba, provavelmente para tentar criar uma biblioteca popular na cidade, em 1936.

É claro que estas experiências foram um produto de seu tempo, com demasiadas limitações, e realizadas dentro de uma sociedade oposta à atual, mas para o pesquisador crítico, é difícil não ser seduzido por alguns idealistas, que conseguiram algo inimaginável hoje: fazer de nosso país uma referência em pedagogia. Sua atitude foi, para dizer o mínimo, louvável, e considero que suas propostas ainda são dignas de estudo para qualquer professor com preocupações pedagógicas.

Problemas crônicos da educação em nossos dias, tais como falta de motivação, falta de meios e investimento, burocracia, um bilinguismo mal planejado (ensinar tudo em inglês), um sistema ilógico de exames competitivos, excesso de individualismo e rivalidade, ou altos índices, que aqueles professores originais tentaram resolver. Também imaginavam um modelo educacional muito diferente daquele que conhecemos hoje.

Cooperar, não competir, um princípio que também é ideal neste momento. E a liberdade, o bem mais precioso. Quando nosso país era a inveja de todos, por sua educação inovadora.

Fonte: https://serhistorico.net/2021/01/09/cuando-fuimos-los-mejores-en-innovacion-educativa-carlos-coca-duran/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Janelas fechadas.
Lá fora, uma frente fria
pedindo passagem.

Renata Paccola




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org