243 visualizações


Nos últimos anos, e ainda mais nos últimos meses, o surgimento de muitos (e grandes) projetos de instalação de parques eólicos e solares no território está gerando o surgimento de muitos protestos e desafios do mundo rural. A razão é simples: como em muitas outras ocasiões, estas comunidades sentem como as decisões são impostas a elas sem sua participação quando serão elas as que sofrerão os efeitos. Mas que outros ângulos devemos incluir neste debate?

Renovável, o recurso ou a tecnologia

Quando falamos de um recurso renovável, é claro a que nos referimos. Enquanto o petróleo é um bem finito que mais cedo ou mais tarde se esgotará, o sol, o vento ou as marés, incluindo a energia geotérmica, são fontes de energia que podem durar. A queima de petróleo, além disso, envolve a emissão de gases de efeito estufa com impactos cada vez mais complexos e destrutivos, tanto que a Agência Internacional de Energia, alguns anos atrás, recomendou deixar dois terços das reservas conhecidas de todos os combustíveis fósseis no subsolo. Por todas estas razões, existe um consenso social sobre a necessidade de parar de consumir petróleo.

Mas esta situação se torna mais complexa quando analisamos a tecnologia e o funcionamento das formas atuais de aproveitamento da energia do sol e do vento. Painéis solares e moinhos de vento que redesenham nossas paisagens escondem dentro deles a necessidade de materiais minerais que, como o petróleo, também são finitos. Em alguns casos, eles são minerais tão escassos que se enquadram em uma categoria conhecida como “terras raras”. Na verdade, não só a mecânica de extração de energia depende de minerais finitos, como o transporte da eletricidade com a qual queremos carregar nossos carros elétricos significa muitos quilômetros de cobre. E como são muitos, e como parece que serão muitos mais, a questão é dupla: quanto cobre está disponível e qual é o impacto de extraí-lo?

Minerais importados

Neste sentido, as campanhas de muitas entidades para nos informar sobre a origem do coltan utilizado em todos os nossos telefones celulares são um abridor de olhos. O cobalto necessário nestas tecnologias é encontrado no Congo. Grande parte do cobre é encontrado no Peru e no Chile. O lítio em baterias para armazenar a energia obtida, na Bolívia, Chile, Argentina e parece que em breve em Portugal. E aqueles minerais com nomes que são difíceis de lembrar são em sua maioria processados na China.

Em todos esses lugares, a extração mineira acelerada que envolve o abastecimento dessa indústria e seus usos, causa sérios problemas pela contaminação direta da terra, água e ar na área, requer um uso excessivo da água que limita outros usos mais essenciais, tais como beber ou agricultura e gera sérios problemas sociais como o deslocamento forçado de comunidades, doenças por toda a toxicidade mencionada ou conflitos bélicos reais para o controle desses recursos.

Outro exemplo ainda mais desconhecido

É paradoxal saber que, para construir moinhos de vento “verdes”, a floresta tropical amazônica do Equador é desmatada. As lâminas de rotor dos moinhos de vento “são em sua maioria feitas de plástico reforçado com fibra de vidro e madeira de balsa colada com resina epóxi ou poliéster”, diz Peter Meinlschmidt, diretor do Instituto Fraunhofer para Pesquisa de Madeira, Wilhelm-Klauditz-Institut, WKI, em Brunswick.

A balsa é uma árvore que cresce nas florestas tropicais e está atualmente sendo explorada em grandes quantidades pelo capital estrangeiro, especialmente da China, como reclama a população indígena do Equador. E embora seja uma árvore que cresce rapidamente, a demanda pelo material é ainda mais rápida, o que acaba por causar altos índices de desmatamento da floresta tropical e coloca em risco o clima e a vida sustentável (eles mesmos) dessas comunidades.

O mais importante é o uso

Sem minimizar a importância de qual energia é utilizada e consumida, como ela é explorada e processada, bem como quem controla a geração de energia, é importante pensar no que a energia é utilizada. Se eu uso alguns decilitros de gasolina para minha motosserra, estou usando-a de uma maneira não favorável ao meio ambiente? Se eu posso usá-la para fazer lenha para o inverno, claramente não. Devemos prestar mais atenção a este ponto, mas as administrações o ignoram. Precisamos cortar árvores para ter um aspirador elétrico em casa quando há vassouras? Precisamos consumir petróleo para importar alimentos que podemos produzir em nossas terras?

Gustavo Duch

Quarta-feira, 31 de março

Fonte: http://culturayanarquismo.blogspot.com/2021/03/renovables-no-gracias.html

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/12/19/mexico-comunicado-libertario-frente-aos-projetos-de-morte-na-peninsula-de-yucatan/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2017/07/28/grecia-berea-chamado-anarquista-contra-a-investida-do-capitalismo-verde/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2014/06/16/grecia-berea-concerto-contra-a-instalacao-de-sete-parques-eolicos-no-monte-vermio/

agência de notícias anarquistas-ana

Lua crescente.
Onde está a outra parte?
Derramou no mar.

Rafael Medeiros




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org