Março 10, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
402 visualizações


Com a aplicação extensiva do crime de apologia ao terrorismo, houve um aumento quatro vezes maior do número de pessoas presas desde que a ETA depôs suas armas até hoje, em comparação com os sete anos anteriores à cessação da violência. Parece que certos órgãos das forças de segurança e do judiciário, tendo percebido uma redução na qualidade do terrorismo, decidiram compensar com o número de detenções por suposta glorificação: em alguns casos marginais e inofensivos, em outros diretamente inexistentes.

O professor de Direito Penal Jacobo Dopico aponta que um dos inícios desta situação tem origem nas operações “Aranha” ordenadas pela Guardia Civil, assim como na perseguição de piadas sobre Carrero Blanco. Desde então, vem aumentando até se tornar cada vez mais irrespirável, aumentando a frequência de perseguições ligadas a opiniões públicas ou mesmo a expressões humorísticas expressas pela esquerda menos conformista.

Não só temos legislação que afirma processar a glorificação do terrorismo (embora nunca se refira ao terrorismo de Estado), mas também temos leis que dão proteção excessiva a órgãos de poder como a Igreja e a Coroa, punindo o que veio a ser chamado de “insulto à monarquia” ou “ofensa aos sentimentos religiosos”. Assim, descobrimos que aqueles que criticam em seu discurso as instâncias repressivas e de poder são perseguidos, processados e condenados, enquanto que, com impunidade e aprovação da mídia, crescem os discursos e organizações que dirigem seu discurso de ódio contra os grupos mais vulneráveis.

O “direito penal do inimigo penal do inimigo” alude a um conceito introduzido por Günther Jakobs, segundo o qual certas condutas ou fatos em si mesmos deixariam de ser julgados, para colocar o foco sobre a “periculosidade” do indivíduo. Primeiro, o sistema jurídico é adaptado para acomodar crimes de formulação ambígua e, portanto, de aplicação igualmente ambígua. Então a ideia é introduzida na imaginação coletiva de que qualquer pessoa que seja acusada, e muito menos condenada, por este tipo de crime é um inimigo da sociedade. Temos o coquetel perfeito para fazer um “standby” de nossas liberdades democráticas quando alguém ousa questioná-las em demasia. Por que alguém que ataca o Estado garantidor dessa mesma liberdade de expressão deveria se beneficiar do direito de se expressar livremente?

Estrutura legal das leis da mordaça ou como reprimir constitucionalmente

Antes de detalhar a estrutura legislativa, é necessário distinguir entre a esfera penal (crimes) e a esfera administrativa (infrações). Enquanto os crimes podem levar a penas de prisão, as infrações geralmente implicam em sanções econômicas.

A Lei Orgânica para a Proteção da Segurança Pública (LOSC) não faz parte do código penal, mas da esfera administrativa. É por isso que não é a que levou Hasél à prisão. Embora esta lei tenha transferido alguns dos delitos menores para a esfera administrativa, ela apenas reforçou a acusação destas condutas. Isto se deve principalmente ao fato de que estas infrações administrativas são atribuídas ao poder executivo. Ou seja, as delegações do governo através da polícia condenam sem a necessidade de outras provas além da palavra dos agentes das forças policiais. As etapas de processo e julgamento são omitidas e eles se tornam juiz e júri. Embora este tipo de infração possa ser apelado em um tribunal com um processo contencioso administrativo, as pessoas multadas muitas vezes relutam em iniciar um processo longo e pesado com os custos processuais que ele implica.

Além disso, esta conversão de delitos penais menores que não envolvem penas de prisão em delitos administrativos permitiu uma legislação mais extensa em alguns casos (com a desculpa de “perturbar a segurança pública”) e mais severa em outros. As principais liberdades que são limitadas com a LOSC são o direito de manifestação com até 600.000 euros, a tentativa de impedir despejos com até 30.000 euros e a gravação ou fotografia da polícia no exercício de suas funções. Algumas pessoas extremamente desconfiadas podem pensar que esta lei procura impedir a denúncia de possíveis abusos policiais ou contrariar atestados policiais enquadrados na literatura de ficção.

Finalmente, a retirada destes delitos menores da esfera criminal intensificou as sanções econômicas. Na prática, isto significa uma repressão silenciosa, a monetária.

As modificações do código penal ou como procurar novos inimigos.

Em 2015, junto com a LOSC, foram feitas reformas no código penal que infligiram um duro golpe na liberdade de expressão. O controvertido e indeterminado crime de glorificação do terrorismo se agrava para levar sentenças de prisão mesmo sem registro criminal. Este é o crime, juntamente com o de insultar a coroa, o que levou Pablo Hasél à prisão.

Por outro lado, as vítimas e suas famílias são protegidas, sob pena de prisão, de possíveis “desacreditações”. A dor das vítimas do terrorismo (de uma, sempre a mesma) é instrumentalizada pelo Estado em sua busca de novos inimigos. O conceito de crime informático que pode ser tipificado como um crime de terrorismo também é expandido.

Agora que não há terroristas, ficamos apenas com os glorificadores e os temidos hackers. Agora que não há novas vítimas, é usada a indignação das antigas.

Existem, além disso, várias outras ofensas vergonhosas, tais como ofensas a sentimentos religiosos, insultos a figuras estatais ou ofensas à Espanha. Um tipo de crime relacionado à religião só pode ser um pouco místico, se não evocativo de tempos passados, quando a blasfêmia era perseguida. E sim, agora, de acordo com o código penal, é possível ofender a Espanha. Portanto, em abstrato.

Não é apenas um rapper, é a liberdade de expressão.

A prisão é o pior lugar para onde se pode enviar uma pessoa quando ela comete um crime e o simples fato de que o discurso público pode estar ligado a essa punição é algo que nos leva de volta aos tempos e aos caminhos de um regime totalmente autoritário. É para lá que queremos voltar?

Mesmo os casos de ameaças, calúnias ou incitação ao ódio não são em si mesmos constitutivos de prisão em suas formas brandas. As rimas de Hasél dificilmente se encaixam nessas categorias. Portanto, não é coincidência que outros artigos penais sejam utilizados neste caso. Aqueles criados como uma renda de bobina para amordaçar aquelas ideias que questionam instituições e pilares da ordem com uma letra maiúscula.

Diante desta distribuição injusta de punição que persegue aqueles que apontam para cima mas olham para o outro lado quando os de baixo são baleados, não devemos permanecer em silêncio. Não é por causa de Hasél, ou não só. Infelizmente, ele é um dos muitos que já foram condenados. A diferença é que Hasél lutou para tornar este sistema legal visível. Vamos tirar proveito disso. É uma boa oportunidade para enfrentar a perseguição de opiniões políticas. É uma boa oportunidade para a liberdade de expressão. Aproveitemos para forçar as partes a tomarem uma posição se quiserem continuar a se vender como democratas. Aproveitemos esta oportunidade para soltar a mordaça. É uma boa oportunidade.

Luis Dorado Garcés

Guillermo D. G.

Editores do Grupo de Comunicação da CNT Logroño

Fonte:  https://aragon-rioja.cnt.es/si-se-encarcelan-las-palabras-se-libera-el-miedo/

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/03/01/espanha-novos-protestos-em-barcelona-a-favor-de-pablo-hasel/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/02/24/onda-de-protestos-no-estado-espanhol-pelo-encarceramento-de-pablo-hasel/

agência de notícias anarquistas-ana

A vasta noite
não é agora outra coisa
se não fragrância.

Jorge Luis Borges




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org