Março 30, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
300 visualizações

Por Manuel Aguilera | 26/03/22

Os ucranianos lutaram contra o autoritarismo russo desde sua independência em 1917. De um lado estavam os nacionalistas e do outro um humilde camponês anarquista chamado Nestor Makhno, que organizou o primeiro amplo ensaio anarquista na Europa no leste da Ucrânia. Os bolcheviques acusaram os dois de serem pró-independência e contrarrevolucionários e os esmagaram pela força.

Entre 1918 e 1920, na região de Guliaipolé, não muito longe de Mariupol (hoje sitiada por Putin), desenvolveu-se um modelo antiautoritário de sociedade, sem nenhum poder político governante, baseado em comunas. Trabalhadores e camponeses criaram um Conselho Revolucionário independente e difundiram o comunismo libertário. Eles abriram prisões e fundaram uma escola seguindo o modelo pedagógico do anarquista catalão Francisco Ferrer i Guardia. Seu braço militar era o Exército Insurrecional Makhnovista, com cerca de 20.000 voluntários. Seu emblema era a bandeira negra, por isso foi chamado de Exército Negro. Eles confrontaram primeiro os monárquicos, o Exército Branco, que estavam lutando na guerra civil russa contra o Exército Vermelho.

Inicialmente, os bolcheviques e os makhnovistas assinaram um pacto para combater o inimigo comum, mas Moscou acabou acusando o Conselho de Guliaipolé de contrarrevolução. Eles responderam: “Vocês tem o direito de declarar contrarrevolucionários mais de um milhão de seres humanos que quebraram as correntes da escravidão e agora estão construindo suas próprias vidas à sua maneira?”.

Os bolcheviques deixaram de colaborar com o Exército Negro e este último teve que conseguir derrotar os brancos ucranianos (e suas tropas chechenas). Após a vitória, o atrito continuou e os bolcheviques ordenaram a dissolução do exército makhnovista. Em novembro de 1920, o Exército Vermelho de Trotsky cercou Guliaipolé e os combates pesados se seguiram. Foi uma luta desigual. Makhno foi ferido e derrotado. Ele teve que se exilar em Paris e seus seguidores foram presos ou mortos.

A URSS continuou a reprimir os anarquistas até que eles desapareceram sob a ditadura de Stalin. Como diz Julián Vadillo, o movimento makhnovista “foi a primeira encarnação das ideias libertárias no terreno e o primeiro precedente para o processo revolucionário que se desenvolveu na Espanha em 1936”. Makhno encontraria o líder anarquista espanhol Buenaventura Durruti em Paris, e os acontecimentos na Ucrânia condicionariam as relações entre libertários e comunistas durante a Guerra Civil. A imprensa da época dá um bom relato sobre isso. Os jornais da CNT alertaram constantemente sobre a ameaça do autoritarismo bolchevique. E assim foi: em maio de 1937, eles se enfrentaram novamente em Barcelona.

Fonte: https://www.ultimahora.es/opinion/tribuna/2022/03/26/1714739/ucrania-majno-represion-bolchevique.html

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/03/21/espanha-anarquistas-na-ucrania/

agência de notícias anarquistas-ana

no fundo do lago
uma sandália de palha:
chuva de granizo

Buson



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org