Abril 30, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
203 visualizações


Gostaríamos de começar este comunicado compartilhando a dor dos milhares e milhares de famílias que perderam seus entes queridos nesta crise de saúde. Este sindicato não é estranho às consequências desta pandemia, pois é a classe trabalhadora da qual fazemos parte de forma intrínseca, que sofre na linha de frente, vive com os riscos de não parar a maquinaria produtiva e sofre os cortes e privatizações dos serviços públicos. Neste teatro de embaraços que a política parlamentar se tornou, o anarquismo está surgindo hoje como a opção mais honesta para enfrentar o atual estado de coisas. É a classe trabalhadora que está pagando por todas as consequências políticas, sociais e econômicas de uma situação que, naturalmente, não provocamos. Se não acatamos seu regime em 1978 – dissociando completamente nossa organização dos pactos da transição – muito menos o faremos agora, quando seus fundamentos forem abalados e quando seu ícone da democracia estiver vivendo em fuga sob a proteção de uma ditadura islâmica. Não fazer parte deste circo estatal lhe dá a independência necessária para apontar as falhas de um sistema econômico que continua a enriquecer uma elite enquanto degrada o meio ambiente e nega um futuro para as vidas de milhões de seres humanos.

Se no ano passado este sindicato quisesse se posicionar para unir os pontos em comum (humildemente tentando superar a enorme brecha de tempo) que as ideias libertárias têm com a explosão social que levou à Revolução Comunera. Este ano, acreditamos que é mais apropriado olhar para trás e recuperar algumas das lutas que temos dado espaço ou promovido em nosso espaço de Villalar esperando que elas tenham servido para germinar aquela fonte de liberdade que esperamos construir entre todas as almas honestas que anseiam por justiça com letras maiúsculas.

Nosso espaço libertário em Villalar tentou ser um alto-falante tanto para as ideias de libertação que são aglutinadas dentro de nossa organização, quanto para uma multidão de grupos que estão relacionados a nós. Também cuidamos para que opções que por sua natureza foram e são sistematicamente silenciadas pelo poder do Estado em todas as suas ramificações tenham um lugar em nossa casa para expressar livremente sua mensagem. Expor que outro mundo é possível, encorajar afinidade e organização entre iguais ou tornar conhecidas outras formas de gestão baseadas no apoio mútuo e na solidariedade com as quais posicionar o anarquismo ante um mundo cada vez mais violento, injusto e degradado, tem sido e será nosso objetivo não apenas em Villalar, mas no trabalho diário de nossas vidas.

• Diante da degradação ambiental gerada pela produção capitalista, demos voz a coletivos tão próximos de nossas sensibilidades como a plataforma Tierra de Campos Viva, a plataforma em defesa do rio Tajo em Toledo, a Salamanca antinuclear ou a Coordenação contra a usina nuclear de Garoña em Burgos.

• Diante do centralismo econômico e do despovoamento que o acompanha, acrescentamos as razões de nosso mundo rural nas palavras de nossos camaradas da CNT de Teruel e em defesa da gestão coletiva dos bens comuns pela plataforma Stop Expolio.

• Diante da impunidade dos crimes do franquismo, opusemo-nos à nossa memória de trabalhadores apresentando nosso grupo específico de memória histórica de Valladolid. Grupo que está trabalhando junto com outros coletivos de outras latitudes – dentro da CNT – para resgatar do esquecimento e dar valor à nossa fértil história confederal, podendo mesmo desfrutar há alguns anos da presença em Villalar de nosso inesquecível companheiro Felix Padin, que foi uma referência da resistência antifascista.

• Contra a imposição de corporações alimentares, soberania e autogestão, movidas por grupos de consumo próprios ou projetos participativos que quebram as regras do mercado como Bajo el Asfalto está la Huerta (Debaixo do asfalto está a horta).

• Em face da educação privada ou subsidiada, a defesa da escola pública pela plataforma da escola secular ou ir um passo além apoiando a educação gratuita, como nos mostrou o projeto A Escolinha em sua época.

• Diante da reverência e da covardia do Estado espanhol diante de um crime estatal, a firme denúncia do assassinato de José Couso com a presença de seu próprio irmão em nossa tenda.

• Contra a criminalização do protesto e da repressão, compartilhamos a inocência de nossos camaradas Pablo e Jorge, desmantelando ponto por ponto a montagem policial sofrida durante a greve geral de 14N em Logroño.

• Contra o racismo e os muros econômicos, a experiência e a situação dos campos de refugiados na Grécia por pessoas que estavam na linha de frente fazendo trabalho humanitário.

• Diante de suas reformas trabalhistas, acidentes de trabalho e precariedade, tivemos a presença de numerosos setores em luta sob a sigla deste sindicato, desde a greve de limpeza em Madri até a denúncia de bloqueios ou a luta por melhorias nos acordos (como o metalúrgico) onde temos uma forte presença. Diante dos cortes nas liberdades e dos antros ilegais do Estado, das críticas ao sistema prisional e da solidariedade com os prisioneiros.

• Contra a sociedade patriarcal, nosso impulso feminista e militante trazido por nossas corajosas camaradas, participantes diretas na organização de duas greves gerais.

Com este pano de fundo, que entendemos ser muito positivo, nossa melhor homenagem às comunas de todos os tempos e de todos os lugares, é e será a de continuar a luta. A organização dos trabalhadores torna-se essencial para que as razões dos comuns tenham passado por cima do egoísmo e do ódio racista encarnado hoje como ontem na extrema direita, ultra ou sutil. Não é fortuito que enquanto a mídia nos bombardeia com debates alheios à classe trabalhadora, as desigualdades sociais ou econômicas aumentam ou os direitos civis e trabalhistas são violados. A consciência da classe trabalhadora e sua organização entre iguais deve emergir em cada local de trabalho, em cada bairro, em cada cidade, em cada um dos atos em que a bandeira vermelha e preta ilumina uma auréola de esperança nos sonhos de todos os explorados que clamam por resistência contra qualquer forma de opressão. Embora não tenhamos sido capazes de fazer uma chamada ao auge do aniversário que temos diante de nós por causa do estado de alarme, não lhes demos o prazer de nos render como aqueles que perderam suas vidas nestes campos de Villalar 500 anos atrás.

Fonte: https://www.cntvalladolid.es/villalar-v-centenario-el-legado-eterno-de-la-rebeldia/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Era verde ou azul?
Sumiu num piscar de olhos
veloz colibri.

Teruko Oda




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org