Fevereiro 23, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
244 visualizações


Muitos de nós, que compõem este jornal, crescemos com os livros publicados pela Virus. Eles editaram George Orwell, Mike Davis, Ursula K. Le Guin, Karl Polanyi, Murray Bookchin, David Graeber, Janet Biehl, Silvia Federici, Nerea Barjola, Nanni Ballestrini, Tomás Ibáñez, Jann-Marc Rouillan, Hans Magnus Enzensberger, Miquel Amorós, Ivan Illich, Pierre Clastres, Xavier Díez, Pedro García Olivo, Mumia Abu-Jamal, David Fernández, Barbara Biglia, César Lorenzo, Xavier Cañadas e Ramón J. Sender, entre muitos outros. Eles também deram voz a coletivos como o Punt 6, o Grupo Krisis e o Observatório Metropolitano de Madrid. Esta é provavelmente a editora cujos títulos revisamos com mais frequência em nossa seção de Recomendações. Suas obras fazem parte de nossa bagagem política e militante, elas foram e continuam sendo sustento e apoio em nosso caminho em direção a um mundo melhor.

Agora que já se passaram trinta anos desde que a Virus nasceu como um coletivo no bairro de El Raval (Barcelona), realizamos esta breve entrevista para comemorar este aniversário junto com eles.

Todo por Hacer (TxH): Para começar esta entrevista, gostaríamos de parabenizá-lo por seu trigésimo aniversário. Diga-nos, como e por que a Virus Editorial nasceu em 1991?

Virus: Muito obrigado, compas. A Virus nasceu em El Lokal, um lugar chave de encontro dos movimentos sociais de Barcelona e um lugar de divulgação da contracultura, ainda aberto, ativo e com sólidas raízes nas lutas do bairro Raval. Na época, o projeto Vírus era fornecer infraestrutura e meios a serviço do pensamento crítico e da memória libertária, promover o livro como ferramenta e gerar um espaço de distribuição que pudesse levar nossas ideias, práticas e propostas para além do circuito fechado em que muitas vezes são aprisionadas. Assim, a Virus nasceu praticamente ao mesmo tempo em que uma editora e distribuidora com grande esforço e grandes ambições com a publicação do livreto La lucha del movimiento libertario contra el franquismo, cuja venda serviria para financiar a publicação do livro Sabaté: Guerrilha urbana na Espanha, por nosso querido Antonio Téllez Solà.

TxH: Trinta anos é um caminho muito longo, vocês já atingiram seus objetivos iniciais? Sua vida cotidiana é muito diferente da ideia inicial com a qual o projeto nasceu? Voltando ao presente, gostariam de nos falar sobre algum projeto ou novidade com a qual vocês estejam particularmente entusiasmados?

Virus: Vem à mente o título do livro de Angela Davis, A Liberdade é uma batalha constante. Sim, é um longo caminho cheio de altos e baixos, obstáculos e contratempos. A verdade é que a Virus não parou de crescer ao longo dos anos, mas sempre foi sustentada nas costas das pessoas que fizeram parte do coletivo. Em tempos de crise, não tem havido outra saída senão continuar alimentando a fera com nosso suor. Às vezes brincamos sobre isso. Mas a satisfação de ver nascer novos projetos com os quais colaboramos, com os quais estabelecemos uma relação de apoio mútuo, a extensão de uma rede de livrarias e espaços de cultura de resistência dos quais fazemos parte, ou a publicação de textos que consideramos relevantes e necessários para enfrentar o mundo em que vivemos… tudo isso nos enche de entusiasmo e dá sentido ao nosso trabalho. Acreditamos que a Virus cumpre a função para a qual foi concebida, embora talvez seu objetivo final seja contribuir para uma transformação revolucionária da sociedade, e isso não está somente em nossas mãos.

Podemos falar-lhes de algumas de nossas próximas edições confirmadas: uma primeira tradução cuidadosa em catalão do Apoio Mútuo de Kropotkin, um trabalho intemporal (e fundamental) que é ao mesmo tempo uma crítica a teorias errôneas do passado, um apoio para confrontar nosso presente individualista e um projeto para um futuro comunitário.

Eu sou uma fronteira, um texto fascinante de Shahram Khosravi no qual ele narra sua jornada de exílio e migração do Irã para a Europa, analisando profundamente, por sua vez, a passagem das fronteiras, o racismo, a despossessão e a alienação sofrida, a lei desumanizante imposta pelo Estado e alimentada pelo Capital. Khosravi entrelaça sua experiência com a das pessoas com as quais ele faz seu caminho e com a de outras em todo o planeta que caminham por uma ilegalidade inevitável que os despoja de todos os direitos.

Outro de nossos projetos em andamento segue nossa linha de reivindicação de memória libertária e é a reedição do esgotado El eco de los pasos de Joan García Oliver. Uma polêmica mas inestimável memória para abordar os fatos da guerra civil, a revolução social de 1936 e os fatos do movimento anarquista ibérico.

Bem, e para não ficarmos atolados em muitos detalhes, gostaria de mencionar que também há edições muito poderosas sendo feitas (em nossa opinião) sobre feminismo descolonial, trabalho sexual, a configuração do capitalismo moderno na Europa contemporânea e muito mais.

TxH: Vocês comentam em seu site que entendem o livro como uma ferramenta dentro de uma comunidade de luta. A partir daqui, qual é sua relação com os movimentos sociais e com o espectro antiautoritário?

Vrus: Entendemos que esta relação é, como dissemos, de apoio mútuo, confiança e acompanhamento. Muitos coletivos tiveram acesso a material que teria sido muito difícil de obter sem a Víirus e, ao mesmo tempo, conseguiram fazer com que suas propostas chegassem a toda uma rede com a qual a Virus se conecta, mas também além de nossos espaços habituais. Para a Virus é importante estar presente onde não se espera de nós, e também provocar e agitar em todas as frentes possíveis. E acreditamos que o trabalho realizado nestes 30 anos deve nos ajudar a não começar sempre do zero. Deve ser uma experiência coletiva que traga solidez e capacidade ao movimento antiautoritário. Mesmo assim, não nos enganamos, sabemos que somos frágeis em um momento de grande potencial revolucionário, de instabilidade política e de ascensão de posições reacionárias. Portanto, como sempre, pedimos reflexão e ação conjunta. No final, a Virus trabalha em um espaço muito concreto e não somos a vanguarda de nada. Tentamos contribuir onde estamos localizados.

TxH: Seus livros cobrem uma enorme gama de temas, vocês lançam estes temas determinados pela dinâmica das lutas do momento? Vocês se veem capazes de colocar temas diferentes sobre a mesa, seja porque são menos atuais ou simplesmente pouco conhecidos? Que temas os motivam no momento? Uma confissão: com que assunto vocês sempre quiseram lidar, mas não foram capazes e por quê?

Virus: Totalmente. Gostamos de pensar que contribuímos com algo útil para o momento em que vivemos e esta é uma máxima na decisão sobre nossas edições. Queremos dar voz a visões críticas que empurram para uma transformação radical de nossas vidas. É por isso que somos influenciados por tudo o que nos rodeia, tanto quanto queremos influenciá-lo. Ao mesmo tempo, mantemos esta ideia de que não devemos ser sobrecarregados pelos acontecimentos atuais. Acreditamos que também há valor em textos históricos e certas reflexões que, apesar de terem sido elaboradas há algum tempo, mantêm grandes doses de verdade e lucidez e podem ser revistas, criticadas e atualizadas em nosso contexto.

Há algo que talvez não seja totalmente compreendido de fora do coletivo e que é que não podemos publicar tanto quanto gostaríamos. Por um lado porque nossa economia não nos permitiria fazer isso, mas por outro porque há um excesso global de edições que não pode ser absorvido e transformar o livro em um produto de curta duração. Nós nos opomos a isso. Não queremos participar deste circuito esmagador de consumo e descarte. Portanto, lidamos com tudo o que nos interessa, mas achamos horrivelmente difícil colocar cada edição em um calendário que seja equilibrado com nosso orçamento. Também confessamos que rejeitamos os livros, mesmo sabendo que seriam grandes sucessos (e foram, publicados por outras editoras).

TxH: Vocês estão comprometidos com a acessibilidade carregando uma grande parte de seus livros na web para download gratuito de PDF e, ao mesmo tempo, seu projeto serve para ganhar a vida, como se torna isso possível? Atrás de um livro há muito cuidado, tradução, layout, ilustração… é possível cuidar de todas essas pessoas e ao mesmo tempo oferecer o produto gratuitamente? Que contradições enfrentaram nesse aspecto?

Virus: Queremos que todos os textos que publicamos estejam disponíveis gratuitamente, embora isso nem sempre seja possível. Às vezes, existem direitos de publicação que nos impedem de fazê-lo. Por outro lado, há textos antigos que foram perdidos em um desastre informático e ainda não conseguimos recuperá-los. Dito isto, não há contradições. Tentamos chegar a um acordo com todas as pessoas envolvidas em um livro, que geralmente têm o mesmo desejo de tornar seu conteúdo acessível. E mostramos que isto é viável, que os livros ainda vendem porque as pessoas que os compram conhecem seu valor e decidem apoiar este projeto. Naturalmente, não enriquecemos com isso, nem visamos um público privilegiado, nem confiamos em patrocinadores ou subsídios. A Virus sobrevive graças a um esforço coletivo, muitas vezes invisível e silencioso, mas enorme e altruísta.

TxH: Não sabemos muito bem como funciona o mundo editorial e o mercado do livro, como vocês fizeram um nicho para si mesmos? Vocês trabalham no que poderíamos chamar de circuito comercial? Existe uma rede entre editoras e livrarias alternativas?

Vírus: Como distribuidor trabalhamos, assim como com a rede de livrarias alternativas, com todos os tipos, digamos, de livrarias convencionais. A diferença entre os dois tem mais a ver com afinidade e compromisso político do que com modelos operacionais claramente diferentes, e isso às vezes é subjetivo. Dentro da rede alternativa existem livrarias especializadas e cooperativas, assim como ateneus, sindicatos, projetos culturais sem fins lucrativos e uma grande variedade de coletivos políticos.

Entretanto, nossa vontade é levar as editoras que distribuímos a todos os lugares e entrar no circuito comercial, onde defendemos o valor dos livros de substância, que merecem estar disponíveis além da novidade. Aqui, retomando um ponto da pergunta anterior, pode ser dito que estamos navegando as contradições do mercado. A margem que um distribuidor como o nosso mantém em cada livro, apesar do que se acredita frequentemente, é baixa e o trabalho invisível envolvido pode ser muito desequilibrado e ingrato. Às vezes, aparecemos a estranhos como um intermediário vampiro entre a editora e a livraria, e a ganância dos grandes grupos logísticos é confundida com nossa tarefa humilde e quase militante. Felizmente, aqueles que nos conhecem apreciam a diferença.

Dizemos com um certo orgulho: a Virus, juntamente com os Traficantes de Sonhos e Cambalache, contribuímos para tecer esta rede de livrarias e editoras radicais, alternativas e refratárias… as nomeie como quiser. Às vezes nos entristece quando projetos semelhantes usam isso como um trampolim para acessar o mercado de livros mais agressivo e dar o salto para uma distribuição comercial adequada, entrando assim nos grandes supermercados e plataformas digitais de consumo rápido. Sabemos que a publicação é um trabalho duro, entendemos que nem sempre é economicamente sustentável e não ousamos julgar as motivações de cada um, mas é verdade que também perdemos o poder deste lado da barricada. Na Virus não nos concentramos tanto no crescimento isolado, mas no fortalecimento de nossa rede de apoio.

TxH: Em consonância com seu 30º aniversário, vocês apresentaram uma campanha “Hazte Vírico” (Se faça viral). Gostaríamos que aproveitassem este espaço para espalhá-lo um pouco mais. Qual é o seu objetivo? Como está indo?

Virus: Desculpe-nos por envelhecer, estes são tempos tempestuosos, como Rolando Alarcón costumava cantar. Bem, o fato é que precisamos um do outro para continuar construindo uma alternativa a este sistema destrutivo. A Virus existe nesta interdependência, para continuar nos formando, fornecendo-nos ferramentas intelectuais e disponibilizando conhecimento comum e reflexões profundas a todos. Nesta campanha apresentamos várias opções para dar apoio financeiro ao projeto, recebendo os livros que publicamos, bem como outros benefícios. Você pode contribuir entre 60 e 100 euros ou fazer uma doação desinteressada. Você pode se inscrever individualmente ou como grupo. Ou você pode simplesmente se inscrever sem pagar e fazer cinco compras anuais em nosso site. Em todos os casos, você receberá presentes e todo nosso amor, é claro, porque acredite ou não, nós somos pessoas legais.

>> Você tem mais informações aqui:

https://www.viruseditorial.net/es/editorial/socies

Fonte: https://www.todoporhacer.org/virus-editorial/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Um susto matinal:
na caixa do correio,
duas mariposas!

Paulo Franchetti




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org