104 visualizações


“Como brasileira e descendente de algumas gerações de brasileiros, devo ter sangue do negro e do índio nas minhas veias. Eu me orgulho do sangue de Zumbi e exalto dentro de mim a epopeia da Confederação dos Tamoios.

Eu sinto, no mais profundo do meu ser, a beleza heroica da odisseia do negro fugido e olho com orgulho o penacho altivo do índio que preferiu morrer a ser escravo. Renego o sangue do bandeirante, capitão do mato, caçador de ouro e de escravos. Renego o sangue do “Moço Fidalgo da Casa Real” (…) Renego essa fidalguia de sangue e essa fidalguia de banditismo. Mas me orgulho da minha estirpe anônima, de meu pai abolicionista que morreu na mais completa pobreza, esquecido dos companheiros”.

— Maria Lacerda de Moura, em “A Legião Negra de São Paulo: Palmares” (1932).

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/27/lancamento-a-condicao-feminina-em-maria-lacerda-de-moura-de-tatiana-ranzani-maurano/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/02/28/maria-lacerda-de-moura-feminista-anarquista-e-educadora-brasileira/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/10/02/quem-foi-maria-lacerda-de-moura/

agência de notícias anarquistas-ana

Sempre do mesmo lado,
O dia todo e a noite inteira,
O vento da montanha.

Paulo Franchetti




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org