387 visualizações


O processo de direitos civis de Eric King alega um padrão de abuso por parte dos guardas do Federal Bureau of Prison [BOP, agência do Departamento de Justiça responsável pelo sistema federal de prisões] em várias instalações.

Por Natasha Lennard | 28/05/2021

Certa manhã, no início de 2018, Eric King foi acordado às 5 da manhã e retirado de sua cela de confinamento solitário por guardas da penitenciária federal dos Estados Unidos, McCreary, em Kentucky. King não conhecia os oficiais correcionais pelo nome, tendo sido recentemente transferido para a instalação por motivos inexplicáveis.

Naquela manhã, os guardas tinham algo a dizer a King, de acordo com um processo de direitos civis aberto esta semana em seu nome contra o Bureau Federal de Prisões e mais de 40 de seus agentes correcionais. Membros de uma gangue nacional de supremacia branca ativa na prisão, segundo os guardas, ameaçaram sua vida.

King é um conhecido ativista antifascista e anarquista. Ele está cumprindo uma sentença federal de 10 anos por jogar coquetéis molotov em um escritório do governo vazio em Kansas City, Missouri, em 2014. Ele disse que jogar os coquetéis molotov, que ele não acendeu, era uma forma de solidariedade à rebelião de Ferguson naquele ano, parte da luta de libertação negra contra a violência policial.

Naquele dia de 2018, na prisão em Kentucky, os guardas avisaram King que os supremacistas brancos queriam feri-lo gravemente. Eles perguntaram se ele se sentia seguro. King escolheu a resposta que ele acreditava que teria menos repercussões. “Sim, me sinto seguro”, disse ele, de acordo com o processo.

“Nesse ponto”, afirma o processo, os oficiais correcionais disseram a King “que ele poderia sair, mas o orientaram a sair por uma porta diferente daquela pela qual ele entrou.” King entrou pela porta. “[Ele] percebeu que, em vez de estar em um corredor ou espaço público no caminho de volta para sua cela, ele entrou em uma área externa fechada e trancada. Dentro desta sala estava um prisioneiro conhecido por ser membro da gangue mencionada.”

O supremacista branco – que superava o King de 1,52 m de altura e ligeiramente corpulento – atacou o antifascista. Os guardas não fizeram nada para intervir. King tinha, ele percebeu, sido preso por oficiais correcionais em conluio com membros de gangues da supremacia branca. Após o ataque relatado, King recebeu uma citação disciplinar por brigar.

King afirma que o incidente foi parte de um padrão contínuo de assédio e violência que ele sofreu nos últimos anos nas mãos do Bureau of Prisons. O Centro de Defesa das Liberdades Civis, uma organização legal sem fins lucrativos, entrou com a ação civil em seu nome, alegando que seus “direitos constitucionais têm sido continuamente violados desde 2018 em retaliação por suas ações políticas e antirracistas enquanto encarcerado”.

A Mesa das Prisões respondeu a questões relacionadas com o caso, declarando que “não comenta sobre litígios pendentes ou questões que são objeto de processos judiciais”. Um representante da agência acrescentou que “é missão do Bureau of Prisons operar instalações que sejam seguras, protegidas e humanas. O BOP leva a sério nosso dever de proteger os indivíduos sob nossa custódia, bem como manter a segurança da equipe correcional e da comunidade.”

King está detido na Instituição Correcional Federal de Englewood, em confinamento solitário, conhecido oficialmente como Unidade de Habitação Especial, por mais de 1.000 dias. Atualmente, ele é uma das únicas 80 pessoas da rede federal que estão detidas na unidade há mais de um ano.

Seus advogados dizem no processo que ele enfrentou nada menos do que “tortura” – incluindo em um ponto ser algemado, “nu e exposto”, com restrições de quatro pontos por mais de oito horas. Em outra ocasião, King afirma que um guarda bateu em seus pés com uma varinha de detector de metais enquanto ele estava de cueca no chuveiro; o processo alega que King foi derrubado ao chão, com uma concussão e precisando de seis pontos.

Após quase todos os incidentes de violência alegados por King, os guardas apresentaram queixas disciplinares contra ele. Ele agora enfrenta mais 20 anos de prisão por supostamente agredir um oficial federal; ele alega que estava tentando se defender ao ser espancado por guardas em um pequeno depósito fora do alcance das câmeras da prisão.

Os incidentes alegados no processo abrangem várias instalações federais e envolvem dezenas de policiais. Como tal, o caso resiste ao costumeiro ponto de discussão pró-lei sobre “maçãs podres”. Juntas, as acusações foram interpretadas como uma acusação a todo o sistema penitenciário federal.

“Eric King tem enfrentado assédio crônico e direcionado, bem como tortura física e emocional severa, de oficiais da BOP e conhecidos supremacistas brancos trabalhando juntos, por mais de dois anos enquanto mantido em confinamento solitário”, Lauren Regan, uma das advogadas de King com o Centro Civil de Defesa de Liberdades, disse em um comunicado. “Acreditamos razoavelmente que este tratamento foi uma retaliação por suas opiniões políticas e atividade protegida pela Primeira Emenda.”

Um homem branco na casa dos 30 anos, King parece encarnar a figura de um agitador anarquista tão difamado por políticos de todo o espectro político durante os levantes antirracistas liderados por negros no verão passado. Embora tenha sido condenado por tentativa de incêndio criminoso, King cometeu uma pequena destruição de propriedade, visando especificamente um escritório do Congresso que ele sabia estar vazio na época. Ninguém foi ferido.

Enfrentando pesadas acusações federais, ele aceitou um acordo judicial para cumprir uma pena de 10 anos. Em sua audiência de sentença, ele deixou clara a motivação de suas ações. “O governo neste país é nojento”, disse ele. “A maneira como tratam os pobres, a maneira como tratam os pretos, a maneira como tratam todo mundo que não está na classe de brancos e homens é nojenta, patriarcal, imunda e racista.”

Após as rebeliões de George Floyd, centenas de manifestantes antirracistas e antifascistas agora se encontram em uma posição semelhante à de King: enfrentando acusações federais altamente politizadas e exageradas e sentenças potencialmente longas em instalações federais, onde a violência da supremacia branca é conhecida por florescer. Mais de 300 acusações federais foram proferidas em todo o país do final de maio ao final de setembro de 2020, em comparação com uma média de 10 acusações no período de verão nos anos anteriores.

As alegações de King de assédio consistente e direcionado por guardas e gangues de supremacia branca pintam um quadro assustador da brutalidade que esses antifascistas – muitos dos quais não são brancos – poderiam enfrentar.

“Eu sou um ser humano com uma família. Fui tratado de forma lamentável. Nos últimos dois anos, estive preso em uma gaiola de 6 x 9 polegadas, negado o acesso a minha família e meus advogados e submetido a tortura física e emocional”, disse King em um comunicado. “Eles fizeram isso por causa de minhas crenças, não por causa de minhas ações.”

Em 2019, um relatório do Subcomitê de Segurança Nacional da Câmara concluiu que o sistema penitenciário federal era um foco de má conduta, agressão sexual e outras formas de violência – cometidas por agentes correcionais contra pessoas encarceradas e funcionárias penitenciárias. O relatório também apontou a forma como os policiais permitem que certas pessoas presas também cometam agressões. “A má conduta no sistema penitenciário federal é generalizada, tolerada e rotineiramente encoberta ou ignorada, inclusive entre altos funcionários”, relatou o New York Times, citando a investigação do Congresso.

Os advogados de direitos civis que entraram com o processo federal de King apenas souberam da extensão do sofrimento de seu cliente enquanto construíam sua defesa para as pesadas acusações criminais que enfrenta por supostamente agredir um oficial. Regan, um dos advogados, descreveu a violência no sistema penitenciário federal “como um molde, que cresce desenfreado quando não é controlado em um lugar escuro”.

Qualquer litígio em que uma pessoa encarcerada esteja fazendo reivindicações contra policiais enfrenta uma batalha difícil: a palavra de King contra a de policiais com crachás. No entanto, o processo, espera Regan, irá de alguma forma manter sob controle a violência aparentemente retaliatória dos oficiais correcionais do Bureau of Prisons contra King. “Achamos que é a coisa certa a fazer, quer ganhemos ou não, para lançar luz sobre essa injustiça”, disse Regan. “Sabemos que existem centenas de milhares de outros casos semelhantes ou até piores do que este em todo o sistema de punição criminal.”

Regan não tem ilusões sobre a dificuldade de ganhar um caso que alega brutalidade generalizada e sancionada pelo Estado. Mesmo se um juiz federal decidisse em favor de King, nenhuma vitória legal dada pode constituir justiça dentro da violência inerente ao sistema carcerário. Para os advogados de King, seu caso é, no entanto, uma oportunidade de expor a violência institucional e o conluio da supremacia branca. E além desse imperativo moral mais amplo, há uma profunda preocupação com a vida de King. Os oficiais correcionais “parecem ter a intenção de matá-lo ou permitir que outras pessoas o matem”, disse Regan. “Queremos mantê-lo vivo até sua libertação.”

Fonte: https://theintercept.com/2021/05/28/bop-prison-white-supremacist-anti-fascist/

Tradução > Da Vinci

agência de notícias anarquistas-ana

E tu, aranha
como cantarias
neste vento de outono?

Matsuo Bashô




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org