Abril 21, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
147 visualizações


Os fundadores do Tenacious Unicorn Ranch, que possuem criação de alpacas, dizem que o lugar perto de Westcliffe veio para ficar, apesar do assédio.

Por Elise Schmelzer| 18/04/2021

Dois conjuntos de faróis foram direto para a casa em cúpula geodésia, que serve como sede do Tenacious Unicorn Ranch.

Lá fora, na escuridão profunda de Wet Mountain Valley, no Colorado, as pessoas que moram no rancho se prepararam para defender sua casa.

Por semanas eles receberam ameaças on-line e avisos de outras pessoas na área, de que a retórica contra a comuna anarquista de rancho de alpaca para pessoas queer havia se intensificado. No dia anterior, 04 de março, alguém perseguiu agressivamente o caminhão dos fazendeiros pela estrada de terra do condado, enquanto eles se dirigiam para casa. Os fazendeiros achavam que os faróis poderiam pertencer àquelas pessoas que queriam prejudicá-los. E pegaram suas armas.

Então os faróis se desviaram. Eram os vizinhos voltando para casa por seu caminho de terra, que segue um pouco a linha da cerca da fazenda de alpaca.

O Tenacious Unicorn Ranch parou, aliviado.

“Acho que aquele momento provou que estamos em casa”, disse Penny Logue, uma das fundadoras do rancho. “Estávamos prontos para defendê-la.”

Por cerca de um ano, os fazendeiros do Tenacious Unicorn Ranch viveram em um terreno de 40 acres de terra pedregosa, cerca de 20 minutos ao sul de Westcliffe, a sede do condado rural de Custer, com 4.700 habitantes. Cerca de nove pessoas vivem na fazenda neste momento, embora esse número mude conforme as pessoas entram e saem da propriedade. Logue e seu parceiro de negócios, Bonnie Nelson, criaram o rancho como um lugar onde pessoas queer podem viver e trabalhar com segurança e sem medo. Juntos com os ocupantes humanos, a propriedade é o lar de cerca de 180 alpacas, algumas dezenas de patos e galinhas, uma matilha de cães gigantes dos Grandes Pirineus, um rebanho de ovelhas, algumas cabras e um punhado de gatos.

“O nascimento do Tenacious Unicorn Ranch, foi, na verdade, uma resposta que assiste à comunidade trans, martelada sob o governo Trump”, disse Logue. “Queríamos criar um lugar onde as pessoas queer pudessem prosperar – não apenas escapar, mas realmente fazer algo. Queríamos construir uma comunidade.”

Os fazendeiros amam o vale e Westcliffe. A comunidade tem sido acolhedora e incrivelmente prestativa, disseram. Mas depois que histórias sobre o rancho apareceram no High Country News e no Denver’s 9NEWS, eles receberam ameaças on-line e enfrentaram cada vez mais assédio, eles disseram. Em um período de 48 horas, no início de março, eles foram seguidos em seu caminhão e pegaram pessoas armadas invadindo sua propriedade duas vezes.

O assédio levou ao aumento das medidas de segurança, como câmeras, luzes e a instalação contínua de 2,4 quilômetros de cerca de 6 pés ao redor de toda a propriedade. Mas isso não mudou a opinião do grupo sobre se estabelecer no vale da pecuária conservadora. Quando se sentiram ameaçados, seus vizinhos ofereceram ajuda.

“Somos um refúgio para um grupo vulnerável de pessoas, por isso é duplamente importante que seja seguro”, disse Logue. “Não é uma ocorrência normal para pessoas queer apenas ter um espaço exclusivo.”

Dias de dezesseis horas

Logue e Nelson escolheram o vale como sua casa porque era acessível e sustentaria seu sonho de uma fazenda produtiva.

Eles se mudaram em março de 2020 de um rancho que estavam alugando no Condado de Larimer, depois de se apaixonarem pela propriedade da casa em cúpula. Todos os dias eles assistem de sua casa enquanto o sol e as nuvens brincam na cordilheira Sangre de Cristo, em todos os seus estados de espírito. À noite o céu está tão escuro que eles podem ver as cores das estrelas.

O grupo compartilha comida, conta em banco e tarefas domésticas. A pecuária é um trabalho árduo, disse Logue, que cresceu em uma fazenda no Colorado. Animais devem ser alimentados, cocô escavado e cercas consertadas. Dias de dezesseis horas são normais. Existem muitas noites sem dormir, como quando os cordeiros do rancho nasceram no meio de uma onda de frio.

A tosquia do rebanhando uma vez ao ano rende quase 2.000 libras de lã, que eles vendem. Também pegam trabalho em outras fazendas ou comunidades, como cavar cercas ou limpar celeiros. Nelson trabalhou por um tempo como motorista para um homem Amish. Eles também arrecadam dinheiro on-line.

Em seu tempo ocioso, os residentes do rancho cozinham e comem juntos na casa abobadada, cheia de comida, manuais sobre saúde da alpaca e coletes à prova de balas adornados com remendos mostrando um rifle na bandeira do orgulho trans.

As paredes da sala principal são enfeitadas com vários rifles grandes, uma espada de cinco pés e bandeiras do orgulho, que representam algumas das identidades das pessoas que vivem lá: não binárias, lésbicas, agêneras e assexuadas. Há também uma bandeira vermelha e preta afirmando: “Às vezes antissocial, sempre antifascista”. Novas pessoas que chegam ao rancho choram de alívio às vezes, ao ver as bandeiras penduradas, disse Nelson. Pode ser tedioso viver em um mundo onde as pessoas o veem como “o outro”.

“Todos queremos ficar longe de tudo, porque há muita pressão e estresse causados pelo simples fato de existir”, disse Nelson.

O rancho pode ser um lugar especialmente seguro para pessoas transgênero que estão em transição e que podem não querer ficar sob os olhos do público durante o processo. Logue disse que trabalhou durante parte de sua transição e foi recebida com olhares e muitas perguntas.

“Tendo trabalhado no varejo desde o início até a metade da minha transição, posso dizer que o mundo não é gentil”, disse Logue. “É desagradável estar sob os olhos do público durante a sua transição. Oferecer um lugar para fazer isto em particular é muito importante. E quem não quer estar rodeado de alpacas o tempo todo?”

Um Condado cristão conservador à moda antiga

Além do estresse de criar rebanhos de animais, os fazendeiros navegaram em uma tensão entre o rancho e alguns residentes do vale, conflito que começou após um desfile de quatro de julho em Westcliffe.

Na cidade, naquela manhã, fazendo recados os fazendeiros viram pessoas carregando bandeiras e estandartes confederados com o logotipo dos “Three Percenters” – um dos movimentos de milícia antigovernamentais proeminentes do Colorado, que é classificado pela Liga Antidifamação como de extrema direita, extremismo antigovernamental. Posteriormente, os fazendeiros postaram nas redes sociais denunciando as bandeiras, o que irritou as pessoas. Então, no artigo do High Country News publicado em janeiro, Logue chamou o evento de “desfile fascista”. O Sangre de Cristo Sentinel – uma publicação conservadora semanal de Westcliffe – republicou a história da revista, mas incluiu longas notas do editor no início e no final. As notas, escritas pelo editor George Gramlich, chamam os fazendeiros de “um bando de hipócritas e xenófobos cheios de ódio” e dizem que o artigo é “muito, muito perturbador”.

Em uma entrevista na quarta-feira, Gramlich retratou parte da linguagem da nota e disse que o artigo era, em geral, bem feito, e que os fazendeiros da Tenacious Unicorn Ranch são boas pessoas. Quando questionado sobre qual parte da história ele achava perturbadora, Gramlich apontou para a citação que chamava o desfile de Quatro de Julho de fascista. “Essa frase pareceu um ataque à comunidade como um todo”, disse ele.

“Poderia haver uma bandeira dos “Three Percenters” lá, mas basicamente as pessoas podem trazer suas próprias bandeiras”, disse Gramlich. “Não estamos excluindo ninguém”.

Alguns na comunidade concordaram com a reimpressão de Gramlich ao comentário, mostram as cartas ao editor e comentários nas mídias sociais. Outros discordaram.

“O artigo não implica que a comunidade como um todo não seja boa”, comentou um residente de Westcliffe no Facebook.

O Sentinel também reimprimiu vários desenhos e comentários transfóbicos de sites como The Daily Signal e The Federalist.

“Este é um condado cristão e conservador à moda antiga. O pessoal daqui nunca viu ninguém como eles antes de se mudarem”, disse Gramlich, que mora no vale há nove anos.

Os fazendeiros do Tenacious Unicorn Ranch disseram que a publicação desperta o sentimento transfóbico na área, embora eles tentem ignorar os artigos. A reação que enfrentaram também atraiu as pessoas em seu auxílio, disseram.

Stephen Holmes, proprietário da Peregrine Coffee em Westcliffe, disse que grande parte da retórica raivosa em relação aos fazendeiros veio de “uma pequena minoria radical” que sente que tem mais poder do que realmente tem na cidade. Holmes e os fazendeiros do Tenacious Unicorn desenvolveram uma amizade no ano passado.

“Sou cristão, ministro e professor da Bíblia”, disse Holmes. “As pessoas podem pensar que isso criaria uma grande lacuna entre mim e pessoas como Pennie e Bonnie, mas essa lacuna não existe.”

“Acho que as pessoas deveriam tentar conhecê-los”, disse ele. “Eles têm sido extremamente gentis comigo.”

No mês passado, quando os fazendeiros encontraram os invasores e enfrentaram cada vez mais ameaças on-line, eles pediram ajuda. Pessoas de todo o país vieram para a fazenda para fornecer serviços de guarda. Durante todo o mês de março, os fazendeiros e seguranças armados voluntários vigiaram a propriedade 24 horas por dia, 7 dias por semana. Os fazendeiros frequentemente usavam coletes pesados com placas à prova de balas enquanto realizavam suas tarefas e tentavam deixar o menos possível a propriedade.

Na quarta-feira, Logue e Nelson ainda usavam suas armas enquanto trabalhavam na propriedade, embora a tensão tivesse começado a diminuir.

“Fazendo o que fazemos, as pessoas vão nos odiar”, disse Nelson. “Se você está fazendo as coisas certas, as pessoas certas vão odiar você.”

Expansão nacional

A grande maioria da comunidade, no entanto, deu as boas-vindas aos fazendeiros, disseram Nelson e Logue. Eles se juntaram a outros criadores de alpaca da região para reunir suas fibras e processá-las a granel para fabricar chapéus e meias.

Logue e Nelson esperam expandir o rancho para que mais pessoas trans e queer possam viver com eles. A casa cúpula já está cheia de gente.

“Não podemos abrigar literalmente todas as pessoas trans neste país”, disse Nelson. “Nem todos caberão nesse vale.”

O objetivo de longo prazo é ajudar outros grupos queer a iniciar comunas semelhantes em todo o país. Logue e Nelson pretendem ajudar outros grupos com pagamentos iniciais, coassinatura de empréstimos, ensinando outras pessoas como criar alpacas e doando rebanhos iniciais.

“Eu adoraria se você pudesse ficar em um Tenacious Unicorn de Califórnia a Nova York e nunca ter que ficar em um hotel cis”, disse Logue.

O grupo planeja em breve hastear três bandeiras na propriedade: uma representando a comunidade transgênero, uma bandeira vermelha e preta representando o antifascismo e uma bandeira pirata. Eles não estão interessados em tentar esconder quem são.

“Não vamos embora”, disse Nelson.

“Estamos construindo nossa base mais forte.”

Fonte: https://www.denverpost.com/2021/04/18/tenacious-unicorn-ranch-queer-haven-rural-colorado/

Tradução > Bellatrix Anarchy

agência de notícias anarquistas-ana

vadeando o rio
(de viola e sem sacola)
dadiando o rio

Pedro Xisto




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org