Dezembro 27, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
242 visualizações

Entre os quase 3.000 anarquistas estrangeiros que lutaram na Guerra Civil Espanhola, mais de uma centena vieram dos Estados Unidos. Sua história tem sido quase totalmente ignorada.

Embora muito tenha sido escrito sobre o Batalhão Abraham Lincoln e as Brigadas Internacionais (BI), um grupo de combatentes voluntários na Guerra Civil Espanhola foi quase totalmente ignorado: os cerca de 2.000-3.000 anarquistas estrangeiros que se juntaram às milícias espanholas ou unidades das BI. Destes, entre 100 e 200 viajaram dos Estados Unidos para a Espanha, em muitos casos para nunca mais voltar. Suas motivações e experiências diferiram marcadamente das da maioria dos outros voluntários. Eles destacam a natureza multifacetada do conflito espanhol, assim como as redes transnacionais do movimento anarquista anterior à Segunda Guerra Mundial.

Na década de 1930, o anarquismo – um movimento socialista antiautoritário que buscava abolir tanto o capitalismo quanto o Estado – estava em declínio em grande parte do mundo, inclusive nos Estados Unidos. Na Espanha, porém, estava atingindo seu auge; no início da guerra civil havia mais de um milhão de membros inscritos na anarco-sindicalista Confederação Nacional do Trabalho (CNT), a maior confederação trabalhista do país. Quando os nacionalistas lançaram sua tentativa de golpe em julho de 1936, militantes armados da CNT lideraram a resistência em Barcelona e em outras partes do país. Com o governo e a economia espanhola em caos durante os primeiros meses da guerra, os membros da CNT assumiram fábricas e fazendas e as coletivizaram sob o controle dos trabalhadores, começaram a produzir para o esforço de guerra, e formaram e integraram milícias para conter a maré fascista. Em Barcelona, Aragão e em outros lugares, os anarquistas estavam no controle de fato. Eles tentaram organizar tanto a economia quanto as milícias de forma democrática e horizontal, de acordo com seus ideais.

Para os camaradas da CNT no exterior, parecia que, em meio à guerra civil, a Espanha também estava passando por uma verdadeira revolução social. Muitos declararam que as duas empresas eram inseparáveis, argumentando que o sucesso desta revolução era a chave para mobilizar os recursos e o moral necessários para derrotar as forças de Franco. Anarquistas nos Estados Unidos e em outros lugares se apressaram a ajudar a CNT em sua luta contra o fascismo e em sua defesa da revolução, mas não para defender o governo da Frente Popular Espanhola, que eles consideravam na melhor das hipóteses incompetente e na pior das hipóteses uma ameaça à transformação revolucionária em curso.

Os dramáticos acontecimentos na Espanha revitalizaram o movimento anarquista moribundo americano. O anarquismo americano sempre foi um movimento composto principalmente de imigrantes. Tinha declinado de seu apogeu da virada do século por causa da Primeira Guerra Mundial, do medo vermelho do pós-guerra, das restrições à imigração e da ascensão do comunismo. No entanto, ainda tinha milhares de seguidores e apoiadores, organizados em torno de dezenas de grupos e jornais multilíngues em todo o país. No início da Guerra Civil Espanhola, muitos desses organismos se uniram para formar as Organizações Libertárias Unidas, ou ULO, com o objetivo de apoiar as lutas dos anarquistas na Espanha (a palavra “libertário” ainda não havia sido apropriada pelos defensores do mercado livre da direita). Em agosto de 1936, a ULO lançou o jornal Revolução Espanhola, com uma circulação que logo atingiu 7.000 exemplares, a fim de levantar fundos e divulgar as conquistas da CNT. Uma “grande revolução libertária” estava em construção, escreveu o jornal; “uma revolução que rompe com todos os precedentes e traça um novo rumo para a humanidade… A Revolução Espanhola está adquirindo rapidamente um alcance internacional. Sua frente de batalha se estende a todas as partes do mundo”.

Em meio à Grande Depressão, a ULO e iniciativas anarquistas similares arrecadaram mais de 100.000 dólares para a CNT. Eles também tentaram ajudar os anarquistas espanhóis a obter armas tão necessárias diante do pacto de “não-agressão” das potências ocidentais. O último carregamento de armas a deixar os Estados Unidos antes da entrada em vigor do embargo à Espanha foi transportado a bordo do Mar Cantabrico, que navegou em 6 de janeiro de 1937. Sua carga também incluía cinco imigrantes anarquistas espanhóis que retornavam. Entretanto, a marinha de Franco capturou o navio e executou a tripulação e os anarquistas a bordo. Outro esforço foi realizado por Bruno “l’Americano” Bonturi, um anarquista nascido na Itália que viveu por muitos anos tanto nos Estados Unidos quanto na Espanha. Após servir em uma milícia da CNT perto de Granada nas primeiras semanas da guerra, Bonturi foi enviado para Nova York em uma tentativa fracassada de obter armas dos Estados Unidos. Algumas fontes anarquistas, no entanto, fazem alusão a operações de contrabando de munições em pequena escala da América através da França.

Enquanto isso, dezenas de anarquistas atravessaram o Atlântico e entraram na Espanha. Minha pesquisa identificou 37 pelo nome, mas fontes indicam que eles pertenciam a um grupo maior de entre 100 e 200 voluntários. Na Espanha, eles se juntaram a centenas de outros combatentes do movimento anarquista internacional. É difícil estabelecer números e listas precisas, pois esses voluntários viajaram em segredo para evitar possíveis acusações sob a Lei de Neutralidade ou serem impedidos de reentrar nos Estados Unidos. Além disso, muitos evadiram as Brigadas Internacionais controladas pelo comunismo em favor das milícias da CNT, das quais quase não existem registros. Entretanto, o número de voluntários foi notável, dado o estado de deterioração dos movimentos anarquistas na maioria dos países e o fato de que a própria CNT desencorajou os voluntários estrangeiros de entrar na guerra, considerando-os mais úteis como defensores em seu nome em seus países de origem.

Os primeiros anarquistas estrangeiros voluntários a chegar à Espanha foram exilados italianos na França, que chegaram a Barcelona poucos dias após a revolta nacionalista e formaram a seção italiana da Coluna Ascaso da CNT. Entre eles estava Michele Centrone, 57 anos, um veterano da cena anarquista de São Francisco antes de sua deportação dos Estados Unidos em 1920. Centrone também foi uma das primeiras vítimas estrangeiras da Guerra Civil Espanhola, baleado na cabeça durante o primeiro confronto da Seção Italiana em 28 de agosto de 1936 em Monte Pelado. Um elogio escrito por um companheiro voluntário e publicado na imprensa ítalo-americana anarquista observou que Centrone não tinha morrido em defesa da República Espanhola, mas “tinha ido à Espanha para lutar pela Revolução Social”.

Cerca de 50 anarquistas ítalo-americanos seguiram o exemplo de Centrone, incluindo tanto residentes de longa data dos Estados Unidos quanto refugiados recentes da Itália fascista, muitos destes últimos veteranos da resistência armada a Mussolini. Um número desconhecido, mas provavelmente semelhante de imigrantes espanhóis, como os que estavam a bordo do Mar Cantabrico, também retornou ao seu país de origem (onde é praticamente impossível distingui-los de outros espanhóis nos registros existentes). Apenas cerca de duas dúzias de voluntários anarquistas “americanos” eram nativos, e a maioria pertencia ao Industrial Workers of the World (IWW), um sindicato revolucionário que tinha muito em comum com a CNT e que, como o anarquismo em geral, estava muito diminuído de seu apogeu na Primeira Guerra Mundial. Outro membro da IWW, o imigrante irlandês Patrick Read, tornou-se famoso dentro do Batalhão Abraham Lincoln por sua bravura como chefe de sua unidade de radiodifusão.

Alguns desses voluntários chegaram meses antes que as Brigadas Internacionais se materializassem, inclusive ítalos-americanos que se juntaram à Coluna Ascaso (entre eles Bruno Bonturi). Outros aderiram ao Grupo Internacional da Coluna Anarquista Durruti, que participou da defesa de Madri. O anarquista americano Douglas Clark Stearns, de 19 anos de idade, recrutado por uma unidade organizada pelo Partido Trabalhista Independente enquanto frequentava a escola preparatória na Inglaterra, serviu na mesma unidade da milícia que o escritor George Orwell antes de ser transferido para o Batalhão da Morte predominantemente italiano dentro da Coluna Ascaso da CNT, e sobreviveu à aniquilação daquela unidade na frente Huesca em junho de 1937. No inverno de 1937, um grupo de anarquistas italianos e espanhóis no Estado de Nova Iorque iniciou um treinamento de voo secreto em resposta a um apelo da CNT para pilotos qualificados, mas metade deles partiu para a Espanha antes de completar suas aulas. Informantes do governo italiano também informaram que Maria Giaconi, uma anarquista ativa da comunidade mineira italiana de Jessup, Pensilvânia, passou vários meses na Espanha lutando com uma milícia, fazendo dela a única mulher americana em registro.

Apesar de sua aversão ao autoritarismo comunista, outros anarquistas se juntaram às Brigadas Internacionais, cujo recrutamento foi organizado pela Internacional Comunista, muitas vezes porque fazer isso era sua única maneira de chegar à Espanha. Pelo menos cinco se alistaram no Batalhão Abraham Lincoln, incluindo Patrick Read e o marinheiro italiano Guerrino Fonda, que fez parte do primeiro grupo de voluntários Lincoln a deixar Nova York em dezembro de 1936. Três marinheiros de origem americana identificados como anarquistas – Virgil Morris, Harry Owens e Raymond Elvis Ticer, todos membros da IWW – também se alistaram. Os anarquistas ítalo-americanos, ao contrário, se sentiram mais confortáveis em alistar-se no Batalhão Garibaldi, cujo comandante não era um comunista, mas um republicano antifascista que estava em boas condições com os anarquistas de sua unidade. O Batalhão Garibaldi também participou da defesa de Madri, desempenhou um papel decisivo na derrota das forças italianas fornecidas por Mussolini na Batalha de Guadalajara, e lutou na Batalha do Ebro, onde o anarquista ítalo-americano Álvaro Ghiara foi condecorado por sua bravura. Além disso, o marinheiro anarquista Giuseppe Esposito, que fugiu da Itália fascista para os Estados Unidos em 1925, serviu em uma unidade médica das Brigadas Internacionais, e um número desconhecido de mulheres anarquistas americanas serviu como enfermeiras nos campos de batalha espanhóis.

Em alguns aspectos, estes anarquistas se assemelhavam aos voluntários americanos do Batalhão Lincoln. Os trabalhadores marítimos – entre os quais o anarquismo e o sindicalismo ainda persistiam nos anos 30 – predominavam entre ambos os grupos, e os trabalhadores empregados em outras formas de trabalho móvel ou irregular também estavam bem representados em ambos. Mas a preponderância de imigrantes, incluindo alguns exilados antifascistas, entre os anarquistas contrastou com o Batalhão Lincoln, cujos membros eram em sua maioria americanos. A predominância de imigrantes italianos e espanhóis entre os anarquistas também divergiu fortemente da demografia dos Lincolns, entre os quais os filhos de imigrantes judeus do leste europeu estavam super-representados. Previsivelmente, dado o sucesso do Partido Comunista em atrair jovens radicais, os anarquistas também eram mais velhos; o anarquista médio (entre aqueles que podem ser identificados) estava na casa dos trinta e três anos, e vários tinham mais de cinquenta anos. Em contraste, quase um quinto dos voluntários do Lincoln Battalion eram estudantes universitários.

As experiências dos anarquistas na Espanha também diferiram significativamente das experiências de outros voluntários americanos. As milícias que eles preferiam são frequentemente julgadas duramente pelos historiadores por sua relativa desorganização, falta de experiência e disciplina, e aparente excesso de democracia: não havia hierarquia de oficiais, nem saudação, e as tropas elegeram seus comandantes e votaram em táticas (embora uma vez em combate, esperava-se que os milicianos obedecessem às ordens de seus líderes eleitos). Esta estrutura era incompreensível para observadores militares experientes e implicava em uma série de deficiências. Mas também incorporou os ideais da CNT de igualdade, liberdade e tomada de decisão coletiva na base, criando, como George Orwell observou em Homenagem à Catalunha, “uma espécie de modelo de trabalho temporário da sociedade sem classes”. E sejam quais forem suas falhas, estas milícias foram tudo o que esteve entre Franco e a vitória por mais de um ano. Foram as milícias anarquistas que reconquistaram metade de Aragão durante os primeiros dias da guerra, no que seria uma das contraofensivas mais bem-sucedidas de todo o conflito.

Depois que o governo republicano se reafirmou e ordenou a incorporação das milícias ao exército regular, com uma estrutura de comando centralizada e disciplina militar, os anarquistas estrangeiros estavam entre seus mais ferozes opositores, ameaçando muitas vezes se retirar da frente se se submetessem ao novo sistema. Os estrangeiros também foram muitas vezes os mais críticos da decisão controversa da CNT de entrar oficialmente nos governos da Catalunha e Madri, essencialmente abandonando seu compromisso com o anti-estatismo em prol da unidade antifascista, a proteção de suas conquistas revolucionárias e a obtenção de armas adequadas para suas tropas. A maioria dos 200 membros italianos da Coluna Ascaso deixou a frente em protesto em abril de 1937, mas somente depois de concordar em participar de uma operação ofensiva na qual nove de seus membros foram mortos e 43 feridos. A maioria ainda estava disposta a lutar, mas em seus próprios termos. Após chegar em Barcelona, os membros deste grupo formaram uma nova unidade anarquista, o Batalhão Internacional de Choque da 26ª Divisão (a antiga Coluna Durruti). Entre seus membros estava Armando “Amerigo” Vecchietti, um dos aspirantes a piloto de Nova York, que foi morto em ação em junho de 1937, perto de Teruel.

No entanto, durante a estadia deste grupo em Barcelona, o conflito armado eclodiu dentro do campo republicano em uma série de eventos conhecidos como as Jornadas de Maio. As tensões entre os anarquistas e o Partido Comunista Espanhol – que estava crescendo em tamanho e influência devido à ajuda soviética à Espanha republicana – tinham aumentado rapidamente durante o primeiro ano da guerra, quando o governo da Catalunha tentou conter a influência da CNT. Quando os membros da CNT resistiram a uma tentativa da polícia de expulsá-los da central telefônica de Barcelona, as insustentáveis alianças da Frente Popular irromperam em lutas de rua, durante as quais anarquistas estrangeiros como Vecchietti ocuparam as barricadas num esforço desesperado para “defender a revolução”. Os comandantes do Batalhão Garibaldi até recusaram ordens para marchar até Barcelona para reprimir os anarquistas. Cinco dias de violência deixaram pelo menos 400 mortos e minaram fatalmente a CNT, cujos representantes foram expulsos do cargo. Na onda de repressão que se seguiu, as tropas do Exército Republicano começaram a dividir os coletivos da CNT e milhares de supostos dissidentes e provocadores foram presos – alguns voluntários americanos entre eles, incluindo Bruno Bonturi. A Revolução Espanhola que havia suscitado as esperanças dos anarquistas no exterior não existia mais.

Ecos desta purga chegaram às Brigadas Internacionais, onde as Jornadas de Maio foram atribuídas aos agentes fascistas da CNT e seus aliados “trotskistas”. Patrick Read foi expulso do Batalhão Lincoln por criticar sua liderança comunista, e Virgil Morris foi repetidamente disciplinado e preso por sua atitude negativa em relação ao comando comunista e por tentar desertar. Relatórios infundados circularam nos Estados Unidos que outros anarquistas do Batalhão Lincoln foram executados ou mortos após terem sido ordenados intencionalmente para posições expostas. Entretanto, o membro da IWW Raymond Elvis Ticer, um forte anticomunista, foi promovido a sargento antes de ser ferido em Quinto.

Em qualquer caso, a maré de guerra já havia se voltado contra a República, e os anarquistas estrangeiros começaram a deixar a Espanha. Muitos foram reunidos em campos de refugiados franceses, apenas para serem internados após a ocupação alemã. Pelo menos três anarquistas ítalo-americanos internados – Pietro Deiana, Álvaro Ghiara e Armando Rodríguez – foram enviados para campos de concentração nazistas na Europa Oriental, embora todos os três tenham sobrevivido até o final da Segunda Guerra Mundial. Entretanto, Rodriguez teve que fugir de seus libertadores soviéticos por medo de enfrentar o Gulag como anarquista e conseguiu retornar à Itália, enquanto Deiana acabou voltando para os Estados Unidos.

Outros, entretanto, foram impedidos de retornar por causa das leis de imigração que proíbem os anarquistas. Entre eles estava Bruno “l’Americano” Bonturi, que foi detido pelas autoridades de imigração e acabou indo para o Chile antes de pedir ao governo de Mussolini que o permitisse juntar-se à sua esposa e filho na Itália. Guerrino Fonda, um dos primeiros voluntários do Batalhão Lincoln, escapou do internamento francês e se refugiou em um navio para Nova York em 1939, para ser mantido na Ilha Ellis por seis meses antes de encontrar refúgio na Argentina. Alguns outros foram contrabandeados de volta pelo Canadá com a ajuda de passaportes cubanos falsos fornecidos por camaradas. Mas mesmo aqueles que conseguiram voltar não necessariamente deixaram o campo de batalha espanhol para trás; o sobrevivente do Batalhão da Morte, Douglas Clark Stearns, retornou a Nova York em 1937, mas sofria de depressão e ansiedade que culminaram com o suicídio.

As lutas e os destinos dos voluntários anarquistas fornecem uma perspectiva única sobre a Guerra Civil Espanhola. Eles nos lembram que o conflito nunca se limitou à luta contra o fascismo ou à proteção da República espanhola, e que seu contexto internacional incluiu redes anarquistas transnacionais, assim como as manobras da União Soviética e de outras potências no período que antecedeu a Segunda Guerra Mundial. O conflito espanhol provou ser a última grande campanha do esgotado movimento anarquista americano, que tinha visto seus sonhos de um novo mundo começarem a se concretizar, por mais fugaz que fosse, nos campos de Aragão e nas fábricas de Barcelona, dando a muitos de seus membros amplas razões para arriscar suas vidas em solo estrangeiro.

>> Kenyon Zimmer é professor associado de História na Universidade do Texas em Arlington e é autor de The Other Volunteers: American Anarchists and the Spanish Civil War, 1936-1939, no Journal for the Study of Radicalism (Fall 2016) e Immigrants against the State: Yiddish and Italian Anarchism in America (2015).

Fonte: http://alasbarricadas.org/noticias/node/47145

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

À sombra, num banco,
folha cai suave
sobre meu cabelo branco

Winston



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org