Novembro 25, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
315 visualizações


Chamado para a formação de grupos de solidariedade para apoiar aqueles que enfrentam a repressão fervilhando com a rebelião de George Floyd.

À medida que o verão do levante de George Floyd vem colidindo com a fria política eleitoral do inverno de 2020, nós enfrentamos novas dinâmicas e os desafios que elas apresentam. O choque inicial que os bastardos sentiram de toda uma ordem racial que despencou sobre as cabeça deles; de áreas inteiras do país perdendo seu medo da polícia, saindo da quarentena ou dos trabalhos de linha de frente, para pagar um ataque frontal contra o Estado carcerário, mesmo que apenas por alguns dias no final de maio, está se transformando em um endurecimento do aparato repressivo. As fases iniciais da contra-insurgência serão onipresentes; criando confusão e conspiração na multidão; jogando com a culpa branca e políticas de identidade mal elaboradas para anular e policiar as linhas raciais entre os rebeldes nas ruas. Essas discussões clássicas são travadas com efeitos traiçoeiros pelo Estado, por agentes ruins, e por aqueles cuja política desmorona contra a natureza da crítica tóxica; o consentimento do liberalismo volta para si mesmo; um Estado de consideração apática à ordem moderada contra a ameaça de violência.  Estamos agora, no entanto, entrando em um estágio mais profundo, combinando a eleição de um regime democrático carcerário, que poderia tornar invisível a tempestade de repressão estatal que se aproxima.

Enquanto os liberais celebram a eleição de Biden / Harris, camaradas em Atlanta e na Filadélfia tiveram suas portas arrombadas por agentes do Estado, casas de seus parceiros invadidas, telefones e laptops apreendidos e agora aguardam em celas. A polícia de Nova York (NYPD) anuncia a criação de uma “força tarefa anti-saque” e por uma semana inteira, esmaga brutalmente qualquer tentativa de protesto na cidade. Isso ocorre depois de mais de 20.000 prisões nos EUA desde que o levante de George Floyd começou no final de maio, um levante em que dezenas e mais dezenas de pessoas foram martirizados pela polícia, em ataques de carro e pelo terror da direita. Incontáveis pessoas sofreram ferimentos que ficarão pelo resto de suas vidas: danos permanentes nos nervos das mãos, ossos quebrados, olhos estourados por balas de borracha. Não podemos esquecer que tantos outros se arriscaram ou deram sua liberdade pelas imagens mais potentes que sustentaram o levante. Lições que o movimento aprendeu da forma mais difícil sobre uma boa segurança de comunicação e os perigos dos fotógrafos, significam a ameaça de décadas na prisão para os azarados o suficiente para serem pegos. Na cidade de Nova York, as imagens dos vagões de arroz pegando fogo no Brooklyn e em Manhattan traduziram a possibilidade de sentenças de mais de 40  anos para dois jovens advogados acusados de atirar molotovs [1]. Estes são nossos revolucionários, e eles não podem ser esquecidos.

Não podemos deixar de notar que o novo regime presidencial é o dos arquitetos do pesadelo da prisão fascista americana. O autor do projeto de lei do crime de 1994 e o “policial superior” da Califórnia, servindo como uma fantasia azul que cura tudo, para o assassinato vermelho-sangue do reinado de Trump 2016-2020, tentará pacificar a esquerda e a direita para invisibilizar e esmagar nossos movimentos. Diante desse terror de Estado, propomos um chamado aos conselhos revolucionários abolicionistas anti-repressão.

Nossa força está em nossa solidariedade eterna com aqueles que lutam, e essa capacidade de apoiar material e emocionalmente aqueles que enfrentam o encarceramento será o verdadeiro terreno em que políticas antirracistas e libertadoras serão forjadas. Aqueles que enfrentam acusações podem ser saqueadores, podem ser mães, podem ser nossos amantes ou nossos professores. Enquanto o Estado tentará pulverizar aqueles que ele tem em suas mãos como criminosos individuais, o movimento deve estar lá para apoiá-los e mostrar um compromisso vivo com as ideias revolucionárias que constroem e curam as feridas que o Estado infligiu em nossas comunidades. Isso pode tomar formas diferentes em contextos e cidades diferentes, mas temos uma estrutura rica para construir sobre; existem seções da Anarchist Black Cross (ABC) [2] em muitas cidades, Certain Days [3], Jericho Movement [4] Books Through Bars [5], projetos e camaradas com experiência em fundos de fiança com tanto a nos ensinar.

À medida que passamos por diferentes ondas de exuberância e retrocesso das ações de rua, e para aqueles de nós que não podem arriscar ser presos ou participar fisicamente, o trabalho antirrepressão pode servir como um espaço de cura para fazer o trabalho mais lento de reconstrução de nossas comunidades e compromissos mútuos. Isso deve servir como um modelo de apoio mútuo, em que levar as pessoas para visitar amigos e familiares atrás das grades, ou quando necessário, fazer campanha e politizar os julgamentos daqueles que enfrentam o Estado nos permitirá aprender uns com os outros. Isso pode ser um inicio significativo para quebrar a segregação racial e de classe sobre a qual esse país é construído e ser uma abertura para a solidariedade revolucionária, construção de confiança e uma demonstração do compromisso com a libertação negra e as políticas antirracismo pelos camaradas brancos, que irão indubitavelmente ser transformados por essas experiências também.

A antiopressão e dinâmica de gênero podem ser trabalhadas através do ato de fazer essas coisas em conjunto, e dinâmicas pré-figurativas, abolicionistas, revolucionárias e até utópicas poderiam emergir dessas formações sociais.

Vamos transformar a brutalidade do Estado carcerário dos EUA na ferramenta de sua própria destruição; Avante para a Abolição!

[1] https://www.supporturooj.com

https://www.supportcolin.com

[2] https://www.abcf.net

[3] https://www.certaindays.org

[4] https://www.thejerichomovement.com/home

[5] https://booksthroughbarsnyc.org

Foto: Sushil Nash

Fonte: https://itsgoingdown.org/a-call-for-revolutionary-abolitionist-anti-repression-councils/

Tradução > Brulego

agência de notícias anarquistas-ana

Sentado e sorrindo,
que faz o menino cego
na Festa das Flores?

Izo Goldman




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org