Dezembro 10, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
170 visualizações


Mais uma vez, o Estado está aproveitando este período em que as mobilizações são particularmente difíceis de fazer para passar reformas que são cada vez mais liberticidas. Ao mesmo tempo, continua a distribuir bilhões para os patrões em um momento em que as dispensas se multiplicam.

A lei de “segurança global” abre caminho para o reconhecimento facial e a vigilância em massa de nossas ruas por drones, e proíbe a filmagem da polícia. Este é um forte sinal de impunidade para a polícia, que recebeu a mensagem e evacuou com grande violência o acampamento de migrantes instalado na Place de la République em Paris no dia 23 de novembro. Ao mesmo tempo, uma emenda ao projeto de programação da pesquisa criminaliza mobilizações nas universidades (até 3 anos de prisão e uma multa de 45.000 euros), como se não houvesse outras questões em jogo para a pesquisa no momento! E provavelmente ainda não está terminado. Podemos legitimamente temer o pior, pois em cada estado de emergência, seja ele ligado ao terrorismo ou à situação sanitária, as liberdades individuais e coletivas são sempre enfraquecidas.

Um plano de recuperação a serviço do patronato

Diante da crise econômica, o governo anuncia um plano de recuperação de 100 bilhões de euros. Poder-se-ia então imaginar que esse dinheiro iria antes de tudo para a saúde, a educação, a revalorização das profissões que demonstraram sua utilidade durante a crise (cuidadores, enfermeiros, caixas, agricultores…) ou para a transição ecológica! Mas não, isso é tudo para os empregadores e sem nenhuma compensação.

Assim, segundo o INSEE, 650.000 empregos foram perdidos no primeiro semestre do ano no setor privado. Auchan obteve lucros de 1,25 bilhões no primeiro semestre de 2020, 13% a mais que em 2019, o equivalente a 70.000 salários anuais ao salário mínimo. Serão cortados 1.500 empregos. A Bridgestone obteve um lucro líquido de 168 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020, o equivalente a 9.000 salários mínimos anuais. Eles estão cortando 893 postos de trabalho ao fechar sua fábrica em Béthune. Em 2019, eles receberam 1,8 milhões de euros do governo francês sob o crédito fiscal de competitividade e emprego, e 100.000 euros da região de Hauts de France.

Ao mesmo tempo, as políticas ultraliberais que têm contribuído para enfraquecer nosso sistema de saúde e proteção social estão sendo renovadas. Macron anunciou um aumento no número de leitos de ressuscitação de 5.000 para apenas 6.000. Mas ao mesmo tempo, os planos de reestruturação hospitalar estão se multiplicando, não há contratação de enfermeiras e estas são desmoralizadas porque se sentem desprezadas pelo Ségur de la Santé.

A Sanofi, por sua vez, continua a terceirizar fábricas que produzem medicamentos que não são suficientemente rentáveis (mais duas na França, ou seja, 1.200 funcionários, até 2022). Como resultado, em 2020, foram registradas 2.400 rupturas de medicamentos pela Agência Nacional de Segurança dos Medicamentos, seis vezes mais do que há quatro anos. Espera-se que em breve uma vacina confiável esteja disponível. Mas, no momento, é uma corrida pelos lucros entre as empresas farmacêuticas, que multiplicam os anúncios sem fornecer a mínima prova científica, apenas para aumentar o preço de suas ações na bolsa de valores.

As prioridades deles e as nossas

A crise da saúde demonstrou a importância dos serviços públicos, particularmente a saúde e a educação. Também demonstrou que as profissões essenciais não eram as promovidas pelas elites liberais. Ninguém considera os diretores de RH, anunciantes, contadores ou comerciantes como empregos essenciais, então por que eles têm a melhor renda? Este período difícil nos mostra quais setores de atividade são vitais e indispensáveis e destaca o incrível desperdício de recursos para atividades inúteis ou prejudiciais. Mais do que nunca, devemos caminhar em direção à autonomia produtiva para ter um controle real sobre nosso destino coletivo.

Libertemo-nos dos especuladores!

Retomemos coletivamente o controle da produção, seja ela agrícola, industrial ou de energia. Mas tudo isso não acontecerá sem uma luta feroz contra os interesses da burguesia zelosamente defendida por um governo de guarda, teremos que nos mobilizar e nos organizar para impor um outro futuro!

Fonte: https://www.unioncommunistelibertaire.org/?5-decembre-Un-deuxieme-confinement-autoritaire-et-ultraliberal

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

minha sombra
com pernas mais longas
não me afasta

André Duhaime




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org