Fevereiro 15, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
295 visualizações

História da Radio Libertaire, a voz da Federação Anarquista

Uma rádio anarquista nas ondas de FM? A aposta poderia ter parecido um desafio… E ainda é! Em 1º de setembro de 1981, Radio Libertaire, a rádio da Federação Anarquista (FA), pela primeira vez emitiu sua voz em Paris e nos subúrbios.

Fiel aos seus compromissos originais, Radio Libertaire nunca deixou de lutar pela liberdade das ondas, reivindicando sua autonomia em relação ao Estado e recusando-se a entrar no sistema de rádios comerciais, de rádios-endinheiradas.

Graças à ajuda de seus ouvintes, ela conseguiu permanecer uma verdadeira rádio livre “sem deus, sem mestres e sem publicidade”.

Nada, no entanto, foi ganho com antecedência, e a Radio Libertaire terá que conquistar seu direito de emitir em meio a milhares de dificuldades e apesar da repressão e manobras do Estado.

Foi o Congresso da Federação Anarquista que, em maio de 1981, assinou a ata de nascimento da Radio Libertaire. Depois de longos e contraditórios debates, este congresso aceitou, unanimemente, a ideia de lançar uma rádio que seria o órgão da FA. Esta rádio ainda não tinha um nome, nenhum indicativo de chamada, nenhum projeto real, nenhum host e, para seu lançamento, um orçamento de 15.000 F! Nenhum congressista, neste momento, poderia ter previsto a sequência de eventos, exceto que, no início, a anarquia estaria novamente no ar. Como em 1921, quando os insurgentes de Kronstadt lançaram mensagens de rádio; como em 1936, na Espanha, com a Rádio CNT-FAI, ou quando da participação dos anarquistas no movimento rádios livres na França no final dos anos 70, incluindo Rádio Trottoir (Toulon) e Rádio Alarme cujos animadores eram membros da Federação Anarquista.

Foi no dia 1º de setembro de 1981, às 18 horas, em um porão úmido no elevado de Montmartre que a aventura radiofônica começou. E de uma forma muito rudimentar, em condições precárias, desafiando as leis do rádio: um estúdio de 12 m², com uma parafernália de equipamentos de recuperação, uma mini-equipe de seis pessoas. Primeiras chamadas de ouvintes, cartas dos primeiros ouvintes… e a primeira interferência!

Enquanto isso, muitos ex-prisioneiros da rádio livre estavam montando estúdios de alto alcance para conquistar o futuro bolo das ondas de FM. O espírito das rádios livres já começaram a agonizar, vítima do apetite financeiro de alguns responsáveis de rádios ex-piratas. Em agosto de 1983, os socialistas puseram fim à “anarquia das ondas”, confiscando muitos transmissores, inclusive da Radio Libertaire. Em 28 de agosto, às 5h40, a CRS (Companhias Republicanas de Segurança) apareceu em frente às instalações da Radio Libertaire. Eles arrombaram a porta, pegaram todo o material. Os animadores foram interpelados e presos, o cabo da antena e o pilar foram cortados. Nem a porta blindada, nem os numerosos ouvintes presentes, poderiam impedir a tomada da nossa rádio. Os socialistas, então no poder com seus aliados do PCF (Partido Comunista Francês), certamente não avaliaram com justeza a nossa determinação, muito menos a solidariedade que milhares de ouvintes nos mostraram nos últimos dois anos. Dois anos em que foram construídos, dia após dia, elos amigáveis e sólidos entre a Radio Libertaire e seu público. A resposta foi imediata. E impressionante. Seu aspecto mais importante foi, em 3 de setembro de 1983, uma manifestação de 5.000 pessoas e a re-emissão da Radio Libertaire.

Os momentos intensos e calorosos eram tão numerosos, as torções tão frequentes que é impossível relatar em um artigo: as galas, os congestionamentos das ‘rádios-endinheiradas’, os problemas com o poder, obter a derrogação, as manifestações… pode-se desenhar, através destes eventos, a cronologia das datas importantes da história da Radio Libertaire. O mais importante, na verdade, não pode ser escrito. Esta é a história diária e coletiva da Radio Libertaire, que todos nós temos, ouvintes e animadores, das parcelas. São essas dezenas de milhares de horas de transmissão, de comunicações telefônicas, que suscitaram correspondências, trocas e reuniões. A Radio Libertaire foi construída ao longo do tempo. Todos trouxeram sua pedra: sua voz, seu conhecimento, sua competência, sua energia. Radio Libertaire, é também esse ouvinte que traz um microfone (pode lhes ser útil); este outro que deixa seu cartão de visitas (eu sou eletricista, se você precisar…); este aposentado (eu estou doente, e você sabe que minha aposentadoria é magra… mas venha comer um dia.); este cego que, graças aos anúncios de apoio mútuo, consegue andar de tandem (bicicleta de dois lugares) no campo com uma jovem… e traz de volta flores para a sede da rádio; Todas essas cartas chegam à 145, rua Amelot, para apoiar, fazer uma pergunta, encorajar, sugerir, informar, criticar. Quando uma revista, uma associação, um indivíduo, um sindicato, a Federação Anarquista, esses telefones são trocados, os encontros que se marcam, essas redes são criadas e reforçadas.

A identidade cultural da estação foi construída ao longo do tempo. Os primeiros animadores trouxeram seus discos para o estúdio e deram a conhecer a milhares de pessoas, artistas como Debronckart Fanon, Servat, Gribouille, Jonas, Utgé-Royo, Aurenche Capart e muitos outros. Em 1982 veio tão naturalmente em nossas ondas uma outra música que ouvimos nos squats, à margem do sistema: o rock alternativo. Então outras músicas naturalmente encontraram seu lugar na Radio Libertaire: jazz, blues, folk, música industrial, rap, reggae. Obviamente, outros artistas se encontraram com a rádio que abriu para muitas formas de expressão: quadrinhos, artes visuais, teatro, literatura, cinema…

Rádio da Federação Anarquista, Radio Libertaire, no entanto, abriu os seus microfones aos seus amigos: anarcossindicalistas da CNT ou de outros sindicatos, Livres Pensadores, União Pacifista, Esperantistas, Liga dos Direitos Humanos. E mais uma vez, é na vida diária, nas lutas e nos encontros, que se constrói toda a abertura natural da Radio Libertaire ao movimento social: trabalhadores em greve, desempregados, os sem abrigo, ocupas, antirracistas, ecólogos, refratários, exilados, ex-condenados… Apreensões da crise ocorrem, e o trabalho diário da Radio Libertaire é perturbado pela exigência do momento. É o movimento estudantil de 1986, e a Radio Libertaire se torna a rádio do movimento: reportagens nas ruas, mesas redondas no estúdio, antena aberta para testemunhar a violência policial, agit-proppermanente. Explode a Guerra do Golfo, e a Radio Libertaire torna-se a rádio dos “anti-guerra” ecoando todos a RL, que, hora a hora, anuncia manifestações, comícios, reuniões dos comitês de bairro, enquanto propõem debates e análises. Assim como naturalmente, são nestes momentos quentes que a Radio Libertaire encontra a sua verdadeira dimensão de rádio de luta. Na Radio Libertaire, também são mil as razões para os ouvintes incomodarem, atacarem, protestarem contra as imperfeições técnicas ou comentários que considerem incongruentes, provocadores, reformistas demais ou radicais demais. Mas é especialmente, nós esperamos, razões para descobrir o prazer do debate, da luta e das ideias libertárias. Disputas… Fascínios… E isso é bom! Em um mundo mercantilizado, desumanizado, espetacularizado, onde o capitalismo triunfante esmaga homens e mulheres, ou o pensamento, como a economia é padronizada e globalizada, Radio Libertaire, com seus pontos fortes e fracos, seus defeitos e qualidades não aparece para o que é: humana… simplesmente humana?

Radio Libertaire – 89.4 MHz FM

radio-libertaire.org

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/02/04/franca-radio-libertaire-40-anos-de-voz-poderosa-e-rebelde/

agência de notícias anarquistas-ana

um atrás do outro
cactus florescem
enquanto a lua não vem

Nenpuku Sato



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org