Abril 13, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
208 visualizações

O prisioneiro anarquista Libre Flot foi libertado por motivos médicos após 37 dias de greve de fome. Libre Flot foi indiciado por “uma associação criminal que planejou um ataque terrorista” e encarcerado em isolamento preventivo desde dezembro de 2020.

Desde 27 de fevereiro, Libre Flot estava em greve de fome para protestar contra seu regime de detenção na prisão de Bois-d’Arcy em Yvelines. Em 24 de março, diante da degradação de seu estado de saúde, seu isolamento foi suspenso e ele foi transferido da prisão para o Hospital Penitenciário de Fresnes (Val-de-Marne) para receber apoio médico. Apesar desse relaxamento de seu regime de detenção, ele não interrompeu sua greve de fome. Em uma carta intitulada “Por que estou fazendo greve de fome”, Libre Flot exigiu sua “libertação enquanto espera demonstrar o lado calunioso dessa acusação vergonhosa”. Em 27 de fevereiro, ele pesava 63 quilos. No início da semana, eram pouco mais de 45.

Nesta segunda-feira, 4 de abril, data de seu aniversário, camaradas se reuniram em várias cidades francesas para apoiá-lo à distância nesta luta.

Perante o seu estado de saúde que se agrava dia a dia, o juiz de instrução acabou por aceitar o seu pedido de libertação por razões médicas. Na noite de terça-feira, como resultado desta notícia, Libre Flot pôs fim à sua greve de fome. Libre Flot foi transferido, no início da tarde desta quinta-feira, para o Hospital Villejuif (Val-de-Marne). Foi acolhido num serviço especializado em nutrição. Ao final de sua internação, Libre Flot deverá permanecer em liberdade sob pulseira eletrônica acompanhada de rigoroso controle judicial, enquanto aguarda seu julgamento.

Em 8 de dezembro de 2020, a DGSI (Direção de Segurança Interna) procedeu à prisão de nove militantes (rotulados como “ultraesquerda”). Dois são libertados, sem acusações, no final de sua custódia. Os outros sete são indiciados por associação criminosa com vista à prática de atos terroristas. Esta é a primeira vez desde o fiasco do caso Tarnac que a justiça antiterrorista olha para o que chama de “a ultraesquerda”.

Entre os acusados, Libre Flot, um anarquista que lutou contra o Daesh na Síria ao lado das forças curdas do YPG. Como tal, participou da libertação de Raqqa, que na época era a “capital” do estado islâmico.

Em cartas escritas de sua cela, Libre Flot refuta “esta acusação infame e difamatória de associação de criminoso terrorista” e julga que são suas “opiniões políticas” e sua “participação com as forças curdas do YPG na luta contra o Daesh que eles estão tentando criminalizar”.

Em uma longa carta publicada por seu comitê de apoio, Libre Flot descreveu suas condições de detenção e, por vários meses, a degradação de sua saúde física e psíquica. “O cérebro começa a descarrilar. Os problemas de concentração, as dificuldades na construção do pensamento, a perda de marcos temporais, as dores de cabeça, a vertigem, todos esses sintomas foram amplificados e generalizados”, escreve, por exemplo, durante o verão de 2021, descrevendo também “distúrbios visuais, perda de memória e dor aguda no coração”.

Tradução > GTR@Leibowitz__

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/03/09/franca-prisioneiro-politico-anarquista-comeca-greve-de-fome/

agência de notícias anarquistas-ana

Apesar do sol
Ardendo sem compaixão,
O vento de outono.

Bashô



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org