Junho 30, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
208 visualizações


A Biblioteca Nacional da França (BNF) quer fechar o espaço de Bussy e construir outro no Triângulo de Gonesse, contornando as preocupações ambientais e sociais. Os funcionários – abalados por um suicídio em Tolbiac no verão passado – estão se mobilizando.

Nos últimos anos, uma série de protestos irrompeu em um dos principais estabelecimentos do Ministério da Cultura, contra revezes sociais e predações capitalistas de todo tipo. Há menos de um ano, em 3 de agosto de 2020, o suicídio de um agente no local de Tolbiac chocou o pessoal, que imediatamente apontou o dedo à administração, falta de pessoal e falta de recursos. Sete dias mais tarde, uma greve eclodiu.

Em 26 de março, na CHSCT, um relatório de investigação conjunta também apontou para a administração. Resposta da administração: depois de tentar invalidar as conclusões do relatório, planeja agora reexaminar suas recomendações à luz de uma auditoria encomendada a uma empresa privada e pretende concentrar-se nas condições de trabalho dos trabalhadores do depósito. Assim, depois de procurar se livrar de qualquer responsabilidade pela prevenção de riscos psicossociais, a instituição está financiando uma auditoria com grandes despesas, a fim de legitimar uma nova reorganização da obra.

300 empregos a menos em dez anos

O verdadeiro problema é que desde 2009, com a revisão geral das políticas públicas (RGPP), sua lógica infernal de restrições orçamentárias e cortes de empregos, a BNF perdeu cerca de 300 posições. Esta é a principal causa de sofrimento no local de trabalho: falta de pessoal, reorganizações, aumento do uso de contratos precários, terceirização e prestadores de serviços externos, desintegração de grupos de trabalho e condições de trabalho, e novas formas de gestão.

As falhas e a inação são ainda mais graves no contexto da crise sanitária, o que agrava as dificuldades. A gerência se apressa sistematicamente para anunciar a todos mais aberturas de espaço e um aumento do horário de trabalho. Os CHSCTs não são mais nada além de espaços para repassar decisões pré-estabelecidas. Entretanto, o pessoal de vários locais conseguiu se reunir em grande número em outubro (até 200 funcionários) para protestar contra as condições de trabalho sob o 2º confinamento e para tentar se opor à reabertura ao público, que finalmente ocorreu em 24 de novembro.

Aluguel de espaço para eventos

Os cortes no orçamento estão forçando a BNF a procurar ideias para se safar. Uma dessas ideias é alugar espaço para eventos privados, uma política que está em voga nas instituições públicas, especialmente museus. Para este fim, a BNF está estudando a liberação de uma torre inteira em seu espaço mais prestigiado, François-Mitterrand. A administração também está considerando fechar um ou ambos os locais de conservação e armazenagem: Bussy-Saint-Georges (77) e Sablé-sur-Sarthe (72).

O espaço Bussy-Saint-Georges, inaugurado há vinte anos, conta com pessoal principalmente de lojistas, mas também de profissionais na restauração de documentos, restauração audiovisual, reprodução digital e pesquisa bioquímica e laboratórios de descontaminação. Cerca de cinquenta funcionários – muitos dos quais haviam sido convidados a se mudar para as proximidades – tomaram medidas para salvar o local e para rejeitar a deterioração das condições de trabalho. Além das manifestações e reuniões informativas, houve uma campanha criativa de protesto, com cartazes e figuras de papelão espalhados pelo espaço, para denunciar a hemorragia de pessoal.

Um escândalo adicional: o local que substituiria Bussy-Saint-Georges poderia ser construído no atual Triângulo de Gonesse, onde há anos se trava uma luta contra o desenvolvimento de obras de concreto e a destruição de terras agrícolas! Além de ser um projeto caro em termos de dinheiro público e prejudicial à vida dos funcionários que seriam solicitados a se mudar, ou que seriam “acompanhados” em um novo projeto profissional, ele também promete ser destrutivo para o meio ambiente.

De fato, o sítio Bussy-Saint-Georges – e isto foi planejado desde o início – tem terreno suficiente para construir uma extensão. Mas a administração quer que a cidade e as autoridades locais contribuam com um terço do financiamento para a nova edificação! Como esta solução parece ter sido descartada em Bussy, a administração está dizendo ao pessoal que seria “não competitiva”… Eles são tanto cínicos quanto absurdos!

A mobilização é apoiada pela SUD-Cultura, o ministério tem sido questionado mas – sem surpresa – se recusa a assumir e a “interferir”. Também foram feitos contatos com o movimento de defesa do Triângulo de Gonesse.

Nicolas Pasadena (UCL Montreuil)

>> Trabalhadores precários em luta: a bienal 2018-2019 <<

Em dezembro de 2019-janeiro de 2020, os agentes da BNF participaram do movimento de defesa da aposentadoria ao lado dos grevistas do Louvre, da Ópera e de Versalhes. Como outras instituições culturais, a BNF foi bloqueada em 23 de janeiro de 2020.

Esta mobilização fez parte de um ciclo de lutas aberto na primavera de 2018 com a CGT-FSU-SUD intersindical, que havia obtido vários compromissos, incluindo o reforço do quadro de pessoal.

A luta continuou: ao lado da SUD-Cultura, os trabalhadores temporários haviam continuado as “greves de sábado”, as ações e o questionamento do público (leia-se “BNF: Les précaires à la pointe de la grève perlée”, Alternative libertaire, março de 2019). A tenacidade e a luta tinham feito concessões importantes de uma administração que, por falta de meios, dizia não a tudo. O conflito havia terminado em maio de 2019, com um acordo que triplicou o número de regularizações em contratos permanentes, e tornou permanente mais trabalhadores do armazém!

Fonte: https://www.unioncommunistelibertaire.org/?BNF-des-reves-de-beton-et-de-salarie-es-en-carton

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

nuvens insultam o céu,
aves urgentes riscam o espaço;
pingos começam a molhar.

Alaor Chaves




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org