255 visualizações


Durante anos, Lyon tem sido um laboratório da extrema direita mais radical. As manifestações violentas de seus membros contra ativistas sindicais, ativistas de extrema esquerda, libertários e antifascistas, com a cumplicidade implícita do poder político, são correntes. Os eventos das últimas semanas são um poderoso lembrete de sua impunidade, além de fortalecer nossa determinação.

Ao gritarmos em manifestações, às vezes acontece que perdemos de vista a realidade material do que estamos protestando contra. “Nenhum fascista em nossos bairros, nenhum bairro para fascistas”, “O fascismo é uma gangrena, ou você se livra dele ou morre”, estes slogans parecem desgastados, como se viessem de outro tempo.

E então, às vezes, a realidade nos alcança e nos acerta na cara. Isto é o que nos aconteceu em Lyon nos últimos meses, com barras de ferro, socos no rosto e blocos de pedras nas janelas.

Plume Noire e Maison de la Mésopotamie atacadas

No sábado 20 de março às 14h, nossa livraria La Plume Noire (Pluma Negra), localizada nas encostas da Croix-Rousse, foi atacada por cerca de cinquenta militantes de extrema direita vestindo capuzes, enquanto uma coleta de bens de primeira necessidade para os beneficiários da associação Pour l’égalité sociale et l’écologie (Pese) estava sendo realizada no local.

Desta vez, os nazistas quebraram a porta da frente e as janelas com pedras de pavimentação; alguns tentaram entrar para agredir fisicamente as oito pessoas que estavam lá dentro. Felizmente, repelidos por nossos ativistas, eles não conseguiram entrar e, portanto, não machucaram fisicamente ninguém.

Este ataque foi premeditado, preparado desde o anúncio da dissolução da Génération identitaire (Geração Identitária), em 3 de março de 2021. Mais do que as instalações da UCL, é o símbolo do local que foi atacado. Um lugar vivo de luta aberto a todos para discutir e organizar, mas também para vir e buscar a solidariedade direta, através de alimentos ou roupas. É por causa de todos os valores populares, antifascistas e revolucionários que a Plume Noire permanece ano após ano um alvo privilegiado da extrema direita.

De fato, esta não é a primeira vez que nossa livraria foi atacada: em 1997, foi vítima de um ataque incendiário; em 2016, cerca de trinta indivíduos mascarados quebraram as janelas e tentaram entrar no local; em dezembro de 2020, dois voluntários da associação Pese foram espancados.

A Plume Noire e seus ativistas não são os únicos a serem visados pelos fascistas. Ao mesmo tempo, no 7º distrito de Lyon, os Lobos Cinzentos, um grupo fascista turco, também atacaram a Maison de la Mésopotamie, as instalações culturais de nossos camaradas curdos que lutam há muitos anos contra o Estado Islâmico de um lado e Erdogan do outro. Se este primeiro ataque foi corajosamente repelido, sem nenhum ferimento no acampamento curdo, não foi o caso do segundo ataque no sábado 3 de abril.

Desta vez, os Lobos Cinzentos atacaram, fortemente armados com barras de ferro e soqueiras, causando dois ferimentos leves e dois graves entre nossos camaradas. Como não podemos ver a ascensão fascista no poder que agora se expressa cada semana em nossas vidas, cada vez mais violentamente e com impunidade?

Após o ataque à Plume Noire, a polícia ousou vir nos dizer que os fascistas tinham sido vistos desde o início pelas câmeras de vigilância, mas que tinha sido decidido não intervir, supostamente por falta de mão-de-obra.

Mostrando a mesma complacência, a prefeitura, através de manipulações mesquinhas (posteriormente invalidadas no tribunal) e táticas de pressão sobre nossos ativistas (visita de policiais armados à casa, multas repetidas durante uma coletiva de imprensa), finalmente proíbe a mobilização antifascista.

Este é um ato político muito claro: permitir aos fascistas ferir e destruir, amordaçar e criminalizar a resposta antifascista. Da mesma forma para nossos camaradas curdos, as autoridades deixaram os Lobos Cinzentos atacá-los duas vezes em intervalos de duas semanas, mas impediram a manifestação curda com gás lacrimogêneo.

Mas o que a polícia está fazendo? Entre a inação e a complacência

Não esperamos nada do Estado e sua ala armada, mas esta tolerância para com estes ataques sucessivos é uma nova prova clara da impunidade dos grupos de extrema direita em Lyon. A inação das estruturas estatais diante da extrema direita aqui e em outros lugares, e sua implacabilidade contra o campo antifascista deixa o campo aberto a todo tipo de loucura.

Tirando proveito desta onipotência, os fascistas estão atacando com cada vez mais frequência e com mais força. Sabemos de fato que o ataque a Plume Noire tem uma ligação direta com a dissolução da Génération identitaire (GI). Este ataque foi reivindicado no dia seguinte por uma inscrição em nossas instalações: “Você não dissolve uma geração, aprenda sua lição”.

Desde a dissolução da GI, nosso campo social suspeitava que uma ação violenta estava sendo preparada contra uma manifestação progressiva, ou contra ativistas ou grupos identificados. Para deter esta ascensão do poder fascista, para nós, comunistas libertários, só há um caminho: a união. Silenciar e fazer recuar o ódio fascista onde quer que ele seja encontrado, em qualquer forma que ele assuma.

Para nós, isto significa trabalhar diariamente por um amplo e popular antifascismo: em nossos coletivos, mas também em nossos sindicatos, nossas associações, no trabalho, nas ruas. Em todos os lugares onde estamos, trabalhando por um forte movimento social antirracista e solidário de classe.

Portanto, sim, o fascismo é sempre a gangrena, eliminamo-la ou morremos dela.

Myriam (UCL Lyon)

Homenagem às vítimas da extrema direita

No sábado 10 de abril, a Coordenação Antifascista Parisiense organizou uma primeira manifestação unitária antifascista, algumas semanas após uma manifestação em apoio à Génération identitaire, e a forte repressão que então atingiu os ativistas antifascistas que haviam chamado para uma contra-manifestação. A Jovem Guarda Paris, Solidários, a UCL e a CNT fizeram questão de demonstrar que as ruas de Paris não pertenciam aos fascistas. Nesse lado, foi uma aposta de sucesso.

Entre 1.000 e 1.200 pessoas marcharam de Château-d’Eau a Châtelet, enfrentando a chuva… e a supervisão rigorosa dos gendarmes móveis. A procissão cresceu gradualmente, a presença intimidante dos milicos foi felizmente contrabalançada por uma procissão particularmente animada de hinos e tambores clássicos da Jovem Guarda. Nos discursos de pré-demonstração, foi feita uma homenagem às vítimas da extrema direita, incluindo nosso camarada Clément Méric que caiu há oito anos sob os golpes dos skinheads neonazistas.

Esta primeira iniciativa da recém-formada Coordenação Antifascista Parisiense deve convocar outras e permitir uma ampliação para outros sindicatos, organizações políticas e associações feministas, antirracistas, etc. Contra a extrema direita, devemos desenvolver uma resposta social unitária.

Fonte: https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Nationaliste-francais-et-turcs-a-Lyon-l-extreme-impunite

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/04/15/franca-antifascistas-realizam-protesto-em-paris/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/03/24/franca-comunicado-de-imprensa-da-ucl-de-lyon-apos-o-novo-ataque-a-livraria-la-plume-noire/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/03/23/franca-o-estado-dissolve-a-generation-identitaire-propagando-suas-ideias/

agência de notícias anarquistas-ana

minha casa
o sapo já sabe
entrar e sair

Alice Ruiz




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org