Dezembro 17, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
371 visualizações


Embora o Facebook e o Twitter tivessem conseguido nos acostumar a uma certa atitude de laissez-faire em suas redes, permitindo que todos os tipos de opiniões – desde as mais respeitáveis até as mais sujas – se expressassem, as regras mudaram recentemente.

Desde 2016 e as acusações de interferência russa nas eleições presidenciais americanas, esses dois gigantes das redes sociais têm se esforçado para provar que agora podem ser confiáveis e que as notícias falsas e a interferência estrangeira acabaram.

Em outras palavras, estas redes estão começando a censurar seus usuários. E dado o lugar desordenado que estes gigantes ocupam na Web de 2020, podemos ir ao ponto de dizer que estas redes estão simplesmente começando a censurar seus usuários.

A Union Communiste Libertaire (União Comunista Libertária) defende a liberdade de expressão, mas com uma concepção não individualista da liberdade: quando uma pessoa age ou diz algo que viola os direitos fundamentais dos outros, ela não está agindo em liberdade. Não existe liberdade para matar, nem liberdade para proferir palavras que violem a dignidade de outras pessoas. Por exemplo, apoiamos resolutamente qualquer iniciativa militante para silenciar os fascistas e denunciamos suas tentativas de se defenderem invocando a liberdade de expressão.

Mas será bem-vindo que só o Facebook e o Twitter decidam apagar o discurso de extrema-direita em sua plataforma? Que estas empresas, após terem servido a sopa às piores teorias da conspiração e sentindo que o vento está mudando, estão se redimindo com a consciência limpa? Que outras empresas Big Tech, como Youtube e Zoom, por exemplo, se apressam a seguir seus passos nesta implementação de uma vasta censura arbitrária controlada por uns poucos bilionários que nunca são responsáveis?

Mais longe dos holofotes da mídia, outros estão pagando o preço por esta censura política.

Embora os exemplos sejam abundantes e não sejam novos, aqui estão três exemplos muito recentes. A mídia independente Rapport de force, uma mídia de qualidade que se compromete a seguir os movimentos sociais e dar voz aos atores desses movimentos, foi completamente apagada do Facebook no final de outubro [1]. No final de setembro, uma reunião de apoio à Palestina ocupada foi censurada, também sem aviso prévio, pelo Facebook, Youtube e Zoom [2]. E quando os organizadores desta reunião tentaram organizar uma segunda para denunciar esta censura, ela voltou a atacar [3].

Não sejamos tolos: se a extrema-direita é o alvo principal hoje, principalmente através da demagogia, amanhã todas as forças “perturbadoras” serão alvo. E se a extrema-direita é de fato cada vez menos perturbadora, discursos anticapitalistas como o que estamos usando são e serão ainda mais perturbadores à medida que nosso público cresce.

A União Comunista Libertária apela para que os diversos componentes do movimento social se engajem rapidamente em uma reflexão sobre a liberdade de expressão e sua dependência das ferramentas informáticas desenvolvidas pelo capitalismo de vigilância; existem alternativas livres e descentralizadas [4], mas elas ainda precisam ser apreendidas e promovidas.

União Comunista Libertária, 25 de novembro de 2020.

[1] Notre éviction de Facebook pourrait signer la fin prochaine de Rapports de force, Rapports de force le 22 octobre 2020.

[2] Des organisations de la société civile appellent Zoom à préserver l’espace laissé à la liberté d’expression, Association France Palestine Solidarité le 8 octobre 2020.

[3] Zoom censure un évènement qui devait évoquer sa censure, NextInpact le 26 octobre 2020.

[4] Refusez les programmes de surveillance des données comme PRISM, XKeyscore et Tempora, PRISM BREAK le 18 avril 2020

Fonte: https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Les-capitalistes-de-la-Big-Tech-n-ont-pas-a-censurer-arbitrairement-des

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Recordo uma
língua, abrindo-lhe
passagem ao amor.

María Pilar Alberdi




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org