Julho 14, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
278 visualizações


Política de grandes números

Desde seu início, a gestão da epidemia Covid-19 pelo poder foi logicamente marcada em nossas latitudes por uma predominância de imperativos econômicos e uma preservação da ordem social, algo que hoje nem mesmo a tão invocada razão médica estatal pode mais esconder.

Mas o que é impressionante é que as infinitas formas de auto-organização que poderiam ter surgido de singularidades individuais para enfrentar o vírus e continuar a agir apesar do vírus, foram subitamente paralisadas pelas areias movediças de recomendações contraditórias e números exaustivos: taxas de mortalidade e letalidade, taxas de positividade, taxas de incidência, taxas de passagem para salas de emergência e unidades de terapia intensiva, taxas de anticorpos persistentes, taxas de reinfecção, e assim por diante. Isto mostra mais uma vez que ao colocar-se no campo da política de grandes números em vez de partir de si mesmo – com suas dúvidas e desejos ardentes – a reflexão geralmente acaba se atolando em uma lógica gerencial, na qual o cálculo produtivo toma rapidamente o lugar da vida e de seus excessos dispersivos. A fim de quebrar o mesmo padrão que preside qualquer redução estatística da complexidade humana, precisamos dar vida a uma singularidade além da mídia e recriar a diversidade, desmontando agregados de dados – não há muitas outras soluções. Este é o mesmo terreno em que cada indivíduo é convidado a se curvar diante de um interesse coletivo superior que seria rejeitado. É sua relação sensível com a vida, a morte, a doença, os riscos a serem assumidos, o apoio mútuo, as estrelas a serem agarradas, que deve ser defendida diante da necessidade social de sacrificá-la no altar da quantidade. Se este último é chamado de pátria, economia, bem comum… ou mesmo imunidade coletiva.

Se o método médico de compreensão estatística é certamente constitutivo da relação contemporânea com as epidemias, como mostra o antigo debate entre contagionistas e infectologistas durante a epidemia de cólera em 1832 (para alguns, a doença é transmitida pelo contato com os doentes, para outros pela insalubridade do meio ambiente) ou mesmo a primeira elaboração matemática a partir da epidemia de peste na Índia (1927), esta relação autoritária que enjaula singularidades tem, no entanto, raízes muito mais distantes. Talvez se pudesse rastreá-la até as origens da escrita na Baixa Mesopotâmia, onde tal invenção não foi concebida como um meio de representar a linguagem, mas diretamente para fins de controle na contabilidade administrativa e comercial, ligando intrinsecamente os primeiros números gravados nas tabuletas à aparência da regra do estado (com suas necessidades de identificar, tributar, medir, classificar, padronizar, administrar, prever). Tanto que podemos até nos perguntar se não foi com a mesma noção de cálculo e o desejo de quantificar o mundo que começou o processo de domesticação de nossos sentidos.

Hoje, ninguém se surpreende que no campo médico como em muitos outros, a política estatística de grandes números tenha se tornado mestre na administração de nossas vidas pelos poderosos, como a epidemia de Covid-19 ainda demonstrou. Com relação às autorizações públicas de vacinas (e medicamentos), o critério é discretamente chamado de relação benefício/risco, baseando-se em estudos de pequenas amostras consideradas representativas, a partir das quais extrapolações são então projetadas sobre o conjunto de nossos congêneres, reduzindo a vida útil a uma coleção de máquinas mais ou menos padronizadas e funcionais. Ao custo de transformar a população mundial em cobaias num gigantesco laboratório experimental com misturas baseadas em quimeras genéticas, sendo um dos milagres científicos atuais não evitar a vacinação nem ser contaminado, nem mesmo ser contagioso, mas apenas desenvolver as formas graves da doença.

No mesmo sentido, a fim de resolver os cuidados vitais, pesados, caros, de emergência ou de crise, entre aqueles que podem possivelmente sobreviver e aqueles que não são mais necessários, os estatísticos de casacos brancos, por exemplo, atribuem pontuações aos pacientes diariamente. Estes não estão obviamente ligados à complexidade de cada indivíduo, na qual a fábrica inóspita não se preocupa em morar de qualquer maneira, mas à probabilidade média de sobrevivência potencial no momento desta classificação decisiva: Temos assim a pontuação de fragilidade (de 1 a 9, com os últimos níveis atribuídos com base na “expectativa de vida estatística aos 6 meses”), a pontuação da OMS (de 1 a 4, baseada, por exemplo, se um indivíduo permanece acamado “mais ou menos 50% do dia”) e a pontuação da GIR (de 1 a 6, determinando o nível de dependência, ligada à possibilidade de um indivíduo realizar um certo número de tarefas “espontaneamente, totalmente, corretamente ou habitualmente”). É esta combinação de pontuações, tão performativa quanto arbitrariamente normativa, que determina oficialmente quem vive ou morre, aqui entre um paciente Covid e uma pessoa que é vítima de um acidente de carro ou ataque cardíaco, e ali entre dois pacientes Covid. Uma triagem chamada seleção ou priorização, e da qual é melhor conhecer antecipadamente as grades de avaliação em caso de tratamento.

Obviamente, é possível destacar que estas ferramentas de gestão com uma reivindicação científica e objetiva são sobretudo o reflexo de um mundo que baniu a qualidade e o indivíduo em benefício da eficiência e da massa, depois de ter expropriado cada pessoa de qualquer autonomia, dentro de um ambiente cada vez mais degradado que, por sua vez, exige uma multiplicação de situações de crise ou de emergência. E que quando o medo e a morte pairam, para muitos é sem dúvida mais tranquilizador se entrincheirar atrás da conhecida racionalidade fria do Estado do que enfrentar o desconhecido experimental de indivíduos livremente associados para enfrentá-lo. A isto se pode responder com um sorriso, que quando não se tem nenhuma pretensão ou vontade de lidar com a merda que existe em um nível tão global como uma sociedade, mesmo de uma forma alternativa, pode-se, no entanto, auto-organizar para tentar pôr um fim a isto.

Atualmente, esta relação autoritária do quantitativo não se trata apenas da gestão clínica imediata da atual situação instável – que também passa pela prioridade absoluta dada à Covid-19 em relação a outras doenças graves com pesadas consequências adiadas no tempo – mas também inclui outra dimensão da qual mal podemos vislumbrar as premissas: a rápida adaptação do aparato estatal a uma epidemia que não está disposta a parar, criando um novo tipo de saúde e ordem produtiva marcada em pouco mais de um ano por uma aceleração da artificialização tecnológica de nossa vida.

Deixando de lado a China, que figura muito facilmente como um conveniente espantalho, a muito democrática Coréia do Sul, por exemplo, estabeleceu desde março de 2020 um rastreamento dos contatos da população, explorando os dados pessoais acumulados pelas vastas pesquisas de saúde, tais como a situação financeira, contas telefônicas detalhadas, histórico de geolocalização, imagens de vigilância por vídeo público ou informações transmitidas pelas administrações e empregadores. Todas essas informações são coletadas e depois integradas em um registro nacional e de livre acesso, indicando a nacionalidade das pessoas, sua idade, sexo, o local de seu exame médico, a data de sua infecção e informações mais precisas, como seu horário de trabalho, seu cumprimento de medidas como o uso de máscara no metrô, as paradas habituais, os bares ou casas de massagem frequentados. Um grande exemplo de combinação de algoritmos de computador para alimentar a construção de um modelo epidemiológico e permitir uma gestão ótima pelas autoridades, tudo isso complementado por quarentenas individuais obrigatórias, implementadas através de uma aplicação de geolocalização sólida e alertando diretamente a aplicação da lei se os indivíduos afetados se moverem, ou se seu smartphone for desligado por mais de 15 minutos, a fim de formar uma “cerca eletrônica” ao redor do refratário, com, além disso, chamadas aleatórias da polícia e uma notificação à vizinhança via SMS da presença de uma pessoa contagiosa.

Por mais caricaturado que seja este exemplo tão real, pode não ser coincidência que um relatório senatorial divulgado no início de junho na França esboçando algumas perspectivas de futuros surtos de doenças (ou “desastres naturais ou industriais, ou ataques terroristas”) exigindo encarceramento em massa, tenha feito algumas propostas nesse sentido. Na era da conexão permanente, quando alguém anda voluntariamente com um espião eletrônico no bolso, acostumado pouco a pouco com teletrabalho, telemedicina e ensino à distância, o que poderia ser melhor para o sonho totalitário do que um democrata digitalizado, que pode finalmente desativar remotamente seu passe de transporte, transformando smartphones em pulseiras eletrônicas (com selos para a polícia para provar sua presença) ou entregar/retirar passes diferenciados de todos os tipos na forma de códigos QR, graças a um Centro de Dados de Crise centralizado?

Para aqueles que, digamos, começaram a se disfarçar na estrada, vendo patrulhas policiais com drones durante o grande confinamento; para aqueles que foram imobilizados vendo novos dispositivos de monitoramento corporal, como detectores térmicos, certificados de movimento e outros certificados de vacinação adicionados a câmeras de vigilância por vídeo intrusivo no espaço público; para aqueles que, na maioria das vezes, chegaram à conclusão de que é muito melhor estar sozinho e selvagem do que ser acompanhado por redes algorítmicas… certamente é hora de olhar para cima aqueles grandes cabos de cobre esticados pelo céu, ou inclinar-se para todos aqueles condutos onde correntes do século XXI se movimentam sob nossos pés à velocidade da luz.

Fonte: https://infernourbano.altervista.org/e-uscito-avis-de-tempetes-numero-42-bollettino-anarchico-per-la-guerra-sociale-giugno-2021/

Tradução < Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

longo amarelo
do trigo só digo
farelo

Ricardo Silvestrin




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org