191 visualizações


No dia 19 de maio, após oito meses sob custódia de prejulgamento na prisão de Nancy, agentes do estado colocarão o anarquista B. em julgamento por um ataque incendiário a duas torres de retransmissão de celular durante o grande lockdown. É bem sabido que solidariedade significa ataque, e aqui é uma oportunidade perfeita de não deixar um companheiro sozinho contra esses canalhas de mantos, ao mesmo tempo em que continua a tarefa urgente de demolição do velho mundo…

Salins-les-Bains (Jura), 10 de abril de 2020. Enquanto o isolamento estava em pleno funcionamento em todo o mundo, um anarquista escalou as encostas do Monte Poupet. Com convicção e determinação, essa pessoa fez duas torres de retransmissão virarem fumaça antes de desaparecer na noite. Essas antenas eram usadas pela polícia e pelos gendarmes [força policial militar], bem como por empresas de telecomunicações. Isso está longe de ter sido a única ação, já que pelo menos outras 174 torres foram oficialmente sabotadas em toda a França no último ano, metade delas por incêndio. E, além disso, há, é claro, toda a sabotagem realizada contra os cabos de fibra óptica, empresas de telecomunicações e empresas fornecedoras de cabos e equipamentos eletrônicos.

Os poderosos consideram isso inaceitável uma pessoa sozinha que acredita na liberdade sair para um passeio sob as estrelas e quebrar os elos das correntes digitais que conectam os e-commuters [serviço de transporte especializado no transporte entre casa e trabalho] aos seus empregados, e os estudantes às suas aulas, interrompendo o fluxo do controle tecnológico. Mas como esse ato era parte de uma luta mais ampla, teimosamente difusa e sem forma definida, o sistema de justiça realmente se irritou, assim como o Oracle, um grupo criado pelos poderosos especificamente para tais situações. O Oracle lançou uma rápida investigação com o apoio da polícia local de Dijon e uma divisão dos gendarmes de Besançon, já que um incêndio anterior em 27 de março naquela cidade havia destruído uma torre pertencente à empresa de telecomunicações SFR no Mount Bréville.

Pelo menos nós podemos dizer isso eles não economizaram nos recursos nos meses após encontrar um pouco de DNA nos pés da torre chamuscada que eles atribuíram ao B., um companheiro bem conhecido por suas ideias subversivas: o GIGN veio de Paris para colocá-lo sob vigilância. Eles o seguiram, instalaram uma câmera na frente da casa de uma pessoa, colocaram rastreadores GPS nos veículos de seus amigos, conseguiram autorização para instalar escutas em apartamentos e até em praças públicas. Eles usaram coletores IMSI para ouvir conversas telefônicas e realizaram buscas simultâneas em três residências. E com tudo isso eles não conseguiram muito. Não só perderam repetidamente o rastro de nosso anarquista ciclista resistente durante sua investigação, como também tiveram que retirar as acusações relacionadas ao incêndio de Besançon (embora a investigação provavelmente ainda esteja em andamento contra outros). Eles ficaram sem escolha a não ser concluir que B. havia destruído as duas torres de retransmissão em Salins-les-Bains sozinho, o que ele havia dito claramente quando assumiu a responsabilidade por suas ações após sua prisão em 22 de setembro de 2020.

Após prender B. na prisão de Nancy-Maxeville e iniciar seu inquérito, a juíza e seus colegas continuaram o trabalho sujo: eles negaram o pedido de B. de ser libertado sob fiança com uma tornozeleira em fevereiro, então se recusaram a permitir visitas de quaisquer membros não familiares até que o inquérito fosse encerrado em março, e então a acusação tentou coagi-lo a expressar arrependimento e penitência oferecendo uma pseudo redução da sentença por meio de uma confissão de pena – o que B. recusou sem hesitação. Finalmente, eles anunciaram que ele estava agendado para julgamento em 19 de maio deste ano.

Em nosso mundo, as correntes eletrônicas estão estreitando e estar permanentemente conectado é uma parte central da reestruturação do Estado e do capitalismo – como inimigos da autoridade, é claro que nossa atenção se voltará para a infraestrutura como torres de retransmissão e a expansão da teia de cabos de fibra óptica. Estaremos também atentos aos produtores e instaladores dos cabos, torres e redes, como Axione (Bouygues), Axians (Vinci), Circet, Consructel, Dorsalys (Eiffage), Nexans, SNEF, Sogetrel e Sopelec, alguns dos quais receberam visitas amigáveis nos últimos meses. Neste momento onde as devastações do sistema tecno-industrial no planeta e em nossas mentes se tornam mais evidentes a cada dia, se opor sem concessões é realmente o mínimo que podemos fazer. Aqueles que se recusam a desistir e aceitar o paraíso tecnológico vão, é claro, continuar a enfrentá-lo… Às vezes o céu de primavera está tão claro que parece que um sinal de fumaça poderia alcançar alguém atrás mesmo das grades mais apertadas.

Solidariedade é ataque!
Liberdade a todos!

Alguns anarquistas, em cumplicidade e solidariedade

13 de abril de 2021

Tradução > Brulego

agência de notícias anarquistas-ana

confira
tudo que respira
conspira

Paulo Leminski




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org