234 visualizações


İbrahim Ergün, um curdo turco de 24 anos, foi encontrado pendurado no teto em um banheiro no campo de imigrantes de Corinto, onde passou os últimos 17 meses. Seu colega de quarto na última metade do ano disse que foram as más condições do campo que levaram ao suicídio do jovem. Segundo os imigrantes, o campo de Corinto é uma prisão construída para punir os imigrantes.

Ergün se suicidou em um acampamento a 80 quilômetros de Atenas. Preso em Corinto desde dezembro de 2019, ele recebeu no mês passado a decisão de deportação de volta à Turquia.

Ergün foi interceptado pelas autoridades enquanto tentava viajar para a Itália do porto grego de Igoumenitsa em novembro de 2019 e, um mês depois, foi enviado para o campo de Corinto, onde cerca de 800 homens, principalmente do Paquistão e do Afeganistão, aguardam deportação.

Em Corinto, a polícia grega entrega um documento aos requerentes de asilo que diz que eles ficarão 50 dias detidos. A cada 50 dias, o documento é renovado. Ergün foi disputado em Corinto pelos últimos 17 meses, após extensões consecutivas de 50 dias. Seus amigos dizem que ele ficou psicologicamente arrasado após a decisão de expulsá-lo.

Cicatriz  profunda no abdômen

Os amigos de Ergün o descrevem como um oponente do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan e explicam que ele decidiu deixar a Turquia depois que mandados de detenção foram emitidos contra ele por participar de protestos na Turquia promovendo os direitos curdos.

Ergün também tinha uma cicatriz cirúrgica profunda em seu abdômen e disse a outros imigrantes que já havia se submetido a um tratamento para câncer de cólon. Seus amigos dizem que ele foi levado ao médico uma vez por causa de sua condição; no entanto, ele não foi capaz de obter o relatório do médico.

O que levou Ergün ao suicídio foi a incerteza e as condições físicas do campo de imigrantes. Os requerentes de asilo queixam-se de que nenhum deles recebe informação adequada sobre o tempo de permanência no país.

“A maior preocupação são os percevejos. Os corpos das pessoas estão cobertos de picadas. E a falta de sono faz com que você fique constantemente nervoso”, disse um imigrante que falou sob condição de anonimato. “Os requerentes de asilo são responsáveis pela higiene, mas não recebem produtos de higiene. O aquecimento da água é feito com base na energia solar, que não é suficiente no inverno. Não é possível pedir comida, detergente ou mesmo pasta de dente do lado de fora. As refeições são péssimas e você perde peso durante o tempo que fica no acampamento.”

“O pior de tudo é a incerteza. Eles colocam você atrás das grades e ninguém fala com você depois. Sem anúncios. Você não sabe quanto tempo vai ficar. Você só recebe os papéis de renovação a cada 50 dias.”

Os imigrantes dizem que funcionários do acampamento estão tentando ajudar e que eles não são maltratados. No entanto, eles alegaram que a gestão do campo, que eles chamam de “administração da prisão”, estava sendo despótica ao dificultar o acesso aos cuidados de saúde, restringir o acesso a produtos de higiene e mantê-los no campo pelo maior tempo possível. De acordo com os requerentes de asilo, a administração às vezes ignora ordens judiciais para a libertação de imigrantes.

Dezessete meses com as mesmas roupas

Era dezembro quando Ergün foi trazido para Corinto. “Ele estava com um suéter e calças, que tinha que usar no verão e no inverno. Ele não tinha dinheiro”, disseram seus amigos, destacando que os acampamentos não recebem roupas ou outras ajudas econômicas que, somadas a uma alimentação inadequada, levam muitos à depressão.

Após o suicídio de Ergün, os imigrantes atearam fogo nas cabines da polícia para protestar contra as condições do campo.

agência de notícias anarquistas-ana

A lua minguante
procura com quem falar
na boca da noite

Ronaldo Bomfim




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org