Março 11, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
108 visualizações


Declaração de Vangelis Stathopoulos, Giannis Michailidis, Polykarpos Georgiadis, Konstantina Athanasopoulou, Dimitra Valavani, Marios Seisidis, Giannis Dimitrakis, George Petrakakos, Spyger Christodfontikeras e Kostas Sakkas.

No momento em que este artigo foi escrito, o ativista Dimitris Koufontinas estava no seu 55º dia de greve de fome e sua única exigência é sua transferência para a Prisão de Korydallos, já que sua transferência para a Prisão de Domokou foi ilegal por lei. Dado que existe uma ala especial de alta segurança na Prisão Feminina de Korydallos, onde Dimitris Koufontinas cumpriu a maior parte de sua pena e onde os condenados são mantidos em completo isolamento, seria prático e legal atender sua demanda imediatamente se não fosse pela evidente vingança de funcionários do governo que optaram por prejudicar irreversivelmente sua saúde e metodicamente conduzi-lo à morte.

É claro que o governo da ND (Nova Democracia) não surpreende ninguém com sua atitude para com Dimitris Koufontinas quando, sob o pretexto de lutar contra a pandemia, aboliu os direitos democráticos básicos ao estabelecer um estado policial sufocante em que a liberdade de movimento e o direito de manifestação são suspensos e a sociedade é deixada a sangrar economicamente, e cuja polícia invade universidades e espanca estudantes. Ao mesmo tempo, projetos de lei estão sendo impostos sem qualquer aprovação, leis que corroem os direitos trabalhistas, aprovam projetos provocativos contra crianças, restringem os direitos dos prisioneiros e negam alívio às prisões onde os presos estão extremamente expostos ao vírus COVID-19 e onde ocorrem incontáveis e repentinas mortes.

Com tudo isso, está se tornando cada vez mais difícil distinguir o regime de uma ditadura. No entanto, o assassinato de uma grevista é um ato que nem mesmo a junta dos coronéis se atreveu a fazer. O estado grego está se tornando extremamente fascista e agora está tentando se alinhar com a Turquia de Erdogan. A responsabilidade pelo iminente assassinato do Estado obviamente recai sobre o Ministro da Proteção ao Cidadão Michalis Chrysochoïdis, seu superior político, o Primeiro-Ministro Kyriakos Mitsotákis e a Presidente da República Katerina Sakellarópoulou. A vingança do governo contra Dimitris Koufontinas está agora explicita, então a única maneira – e a responsabilidade final – de encontrar uma solução para essa greve de fome agora parece estar com o Presidente da República.

As consequências da escolha dos responsáveis não se limitam ao grevista. Se o grevista Dimitris Koufontinas for assassinado, uma página negra da história levará as assinaturas de Crisochoidis, Mitsotákis e Sakellarópoulou na consciência social e representará mais uma barbárie em uma série de provocações estatais contra uma sociedade que vem sendo colocada sob alta pressão. A explosão social é inevitável e, mesmo que não se manifeste no futuro imediato, o iminente assassinato do Estado permanece indelével na memória social.

Vangelis Stathopoulos / Giannis Michailidis / Polykarpos Georgiadis / Konstantina Athanasopoulou / Dimitra Valavani / Marios Seisidis / Giannis Dimitrakis / George Petrakakos / Spyros Christodoulou / Kostas Sakkas

Fonte: https://athens.indymedia.org/post/1610965/

Tradução > A. Padalecki

agência de notícias anarquistas-ana

Lua cheia.
Me dá, me dá!
Chora a criança.

Issa




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org