Novembro 27, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
360 visualizações


Nenhuma gota foi em vão

A flor de nossa juventude foi regada

Nossa respiração pesada transformou silêncio em grito

E agora que o terrorismo da mídia e do Estado diminuiu, é hora de falarmos. Falemos abertamente, sobre como esse dia de 17 de novembro deve ser guardado na memória coletiva de nossa luta e resistência. Com sinceridade e humildade perante nossa história, com respeito por todos aqueles que, 47 anos atrás, foram os responsáveis pelo Levante do Politécnico. E que sua memória viva em todos nós, pois não deixaremos que morra na boca dos poderosos. Não se trata apenas de uma memória, nem de narrativas do passado. É a chama viva que queima na resistência de hoje em dia. É a faísca que afia a necessidade de revolta social. É a luz que guiará o levante do amanhã. É um tributo revolucionário que, durante anos, honra guerreiros como Kaltezas, Koumis, Kanellopoulos, e cada indivíduo que regou com seu sangue as flores da resistência.

No curso da guerra antiautoritária, a História é a única narradora que precisa de vencedores e perdedores. A História julga aqueles que, consistente e diligentemente, defendem a libertação coletiva até o fim, desafiando todos aqueles que fugiram desordenados.

Este ano, os dias de memória e luta pelo Levante do Politécnico concentraram a polarização de dois mundos. Munidos de metodologia e estratégia, os braços do Estado semearam um clima de medo, pânico e terrorismo generalizados, contra a crescente insurgência social. Através de medidas reminiscentes de um passado sombrio, a guarda uniformizada da República saiu às ruas, levando consigo imposições como toque de recolher, acusações por incitação à desobediência e proibição de agrupamentos de mais de quatro pessoas. Este 17 de novembro não foi sobre banir protestos, mas sobre impor o silêncio da resistência militante. Esse silêncio, no entanto, foi quebrado pelos gritos de milhares de guerreiros, que desafiaram, na prática, a monarquia do Totalitarismo de Estado e o barbarismo da repressão.

No amanhecer do dia, centenas de policiais haviam inundado as ruas da cidade. Mas nada é impossível quando se tem determinação, e as forças da desobediência social quebraram a barreira das proibições, com protestos nas ocupações de residências estudantis e no consulado americano. Os protestos foram recebidos por forças repressivas e, no centro da cidade, por um ataque violento resultando em 6 guerreiros presos. E esse foi nosso momento de pegar o bastão da resistência. Na tarde de terça-feira, 17 de novembro, realizamos um ataque de coquetéis molotov à delegacia de polícia de Sykeon, em Tessalônica. Atacar as forças de segurança não é apenas uma escolha revolucionária, mas uma obrigação social, historicamente justificada, contra os autores da violência estatal. Com toda nossa força, enviamos nossa solidariedade ardente a cada guerreiro que foi visado, acusado, preso ou torturado durante os eventos dos últimos dias até o 17 de novembro.

O ataque aos torturadores que estão no poder é uma resposta mínima, face à violência que acompanha o Estado e o Capital. Porque, quando nossos guerreiros dizem que nada ficará sem resposta, eles falam sério. Nosso fogo é uma resposta mínima à humilhação diária, à tortura, a violações machistas, prisões e encarceramento, perpetrados pela escória uniformizada, que tendem a ser mais e mais comuns. É uma resposta aos ataques e terrorismo que as comunidades resistentes recebem (evacuação de ocupações, táticas policiais, encarceramento e perseguição de militantes etc.). É uma resposta às mortes cotidianas de mulheres imigrantes, nas celas, fronteiras, mares e metrópoles. E finalmente, é a prova prática de que desafiamos toda e qualquer medida repressiva que contribua com a intensificação do controle social. O que fizemos foi atingir um dos templos do Panóptico moderno.

Nós temos a responsabilidade de manter vivos os levantes do passado, para iluminar nossas próprias lutas com sua chama. Mas também levamos nas costas a responsabilidade de destruir aqueles que matam a insurgência todos os dias com suas ações. Os estatistas, que profanam o nome dos mortos do Levante do Politécnico com sua hipocrisia e politicagem, ao mesmo tempo em que invalidam e reprimem quem defenda um novo levante. Os idiotas da esquerda traiçoeira, que violaram a revolta e insultaram os militantes com seu provocadorismo, e que, agora, correm para capitalizar sobre o Levante do Politécnico como símbolo partidário. E todos aqueles que, independente de sua identidade política e respectivas práticas, querem o Levante do Politécnico apenas como uma jóia barata na vitrine do passado. Para todos eles, o Levante do Politécnico e todas as outras revoltas são ameaças vivas, por sua consistência, fé e comprometimento, junto à desobediência social, com um mesmo projeto de derrubada total. O Levante do Politécnico pertence a cada guerreiro altruísta, que o honra com um pensamento, uma flor, um slogan, um coquetel molotov, uma bala.

O Levante do Politécnico vive na teimosia de todos vocês

Pela queda do poder, a luta continua…

Gotas de Novembro

Fonte: https://athens.indymedia.org/post/1608717/

Tradução > kai

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/11/23/video-motim-em-atenas-a-proibicao-orwelliana-de-reunioes-de-mais-de-3-pessoas-leva-a-tumultos-por-toda-a-grecia/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/11/19/grecia-o-estado-suprime-manifestacoes-em-memoria-da-revolta-estudantil-de-1973/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/11/19/grecia-o-dia-seguinte-ao-17-novembro-gosto-de-sangue-na-boca/

agência de notícias anarquistas-ana

No perfume das flores de ameixa,
O sol de súbito surge –
Ah, o caminho da montanha!

Matsuo Bashô




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org