Março 2, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
172 visualizações


Escrevemos do mesmo estado de lockdown aqui em Atenas que relatamos há meses. Apesar das medidas rigorosas – ou talvez por causa das formas como o governo as combinou com políticas para promover o turismo e o consumo, apesar da pandemia – as taxas de infecção seguem aumentando. Os hospitais atingiram 89% da capacidade das UTI’s, acomodando casos COVID-19.

Um leito de UTI não usado para COVID-19 está ocupada por Dimitris Koufontinas, um prisioneiro de longa duração do grupo de 17 de novembro. Há mais de um mês, reportamos que ele estava em greve de fome, exigindo melhores condições e sua transferência para a prisão Korydallos, em Atenas, para ficar mais perto de sua família e amigos. Ele está em greve de fome desde então.

Em 22 de fevereiro, Koufontinas pediu aos médicos que removessem o soro, proporcionando-lhe hidratação, a fim de intensificar sua greve de fome para incluir água. Isso poderia fazer dele o primeiro prisioneiro político a morrer de greve de fome na Europa desde Bobby Sands (e vários outros membros do Exército Republicano Irlandês) em 1981. Em 23 de fevereiro, a promotoria aprovou a alimentação forçada de Dimitris contra sua vontade.

Enquanto isso, o governo do partido Nova Democracia continua a usar a pandemia para implementar políticas de extrema direita e combater os oponentes. Por trás das maneiras gentis com que buscam se apresentar como o novo centro político, o fantasma da junta militar que governou a Grécia de 1967 a 1974 voltou para assombrar o país. Aqueles que governam a Grécia hoje descendem diretamente – alguns por sangue e também por linhagem política – dos gregos que cooperaram com os nazistas para deportar os judeus de Tessalônica e lutar contra os partidários de Peloponeso e Pelion. Eles são as contrapartes modernas daqueles que colaboraram com os militares dos EUA contra os guerrilheiros comunistas, usando napalm para destruir as florestas do norte da Grécia.

O Nova Democracia foi o primeiro partido político a suceder a Junta dos anos 1970. Eles estiveram no poder muitas vezes. O partido que os precedeu no poder desta vez, o esquerdista Syriza, traiu dramaticamente as esperanças nele depositadas. Como consequência, a Nova Democracia obteve o controle majoritário do parlamento, colocando a sociedade grega inteiramente à mercê de um único partido. Sua campanha dependia da promessa feita à sua base de direita de se vingar da esquerda, de anarquistas, de grupos revolucionários, prisioneiros, refugiados e outros alvos do ódio reacionário. Quando chegaram ao poder, eles inauguraram uma nova era de policiamento e repressão envolvendo novas tecnologias, leis anti-terrorismo, punições judiciais ao estilo dos EUA, o chamado policiamento e investigações de “qualidade de vida” e um aumento sem precedentes no estado policial e financiamento militar. Isso deixou muitos em choque.

Surpreendentemente, no entanto, apesar de enfrentar todos esses desafios, o movimento continua vibrante e visível. As pessoas continuam lutando contra as probabilidades. Diante desta junta pós-moderna, estendemos nosso amor a todos os outros ao redor do mundo que estão enfrentando a mesma reestruturação neoliberal e violência fascista.

>> Para ler o texto na íntegra, clique aqui:

https://pt.crimethinc.com/2021/02/28/grecia-o-fantasma-do-passado-da-junta-ressurge-a-greve-de-fome-de-dimitris-koufontinas

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/02/24/grecia-solidariedade-com-a-greve-de-fome-e-de-sede-do-revolucionario-dimitris-koufodinas/

agência de notícias anarquistas-ana

chuva na rua
lágrimas nos olhos
orvalho da dor…

Carlos Seabra




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org