Dezembro 1, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
234 visualizações


Em 8 e 9 de março de 2020, quatro camaradas foram presos em Atenas por causa de uma operação da brigada antiterrorista liderada pelo governo. A única “prova” que existe é um vídeo do ataque à Fundação Mitsotakis (local de encontro do partido político no poder, Nova Democracia, que leva o nome da família do Primeiro Ministro) no qual um dos camaradas é supostamente mostrado, reconhecido pela polícia. Os outros são simplesmente acusados de ter uma estreita amizade política com o primeiro.

Os quatro camaradas estão em meio a um grande processo legal, pois são acusados de supostamente realizar 54 ataques e, de acordo com a Lei grega 187A, aplicada em julgamentos antiterroristas, também de supostamente fazerem parte de uma organização terrorista chamada “Sintrofi-Sintrofises” (“Companheiros-Companheiras”).

Algo que é importante mencionar sobre a criação deste grupo “Sintrofi-Sintrofises”, nas palavras de um dos camaradas acusados:

“O Estado, ao tentar vender a ideologia da “Guerra ao Terror”, cria este tipo de organização (“Sintrofi-Sintrofises”), que vem operando na cidade de Atenas desde 2016 até hoje. Esta lógica vai além dos limites do normal e do real, de uma forma que beira o ridículo. Em essência, o nome desta famosa organização é nada mais ou menos que uma palavra usada pelo movimento anarquista/antiautoritário durante anos como sinal de identidade. Foi usado no passado, é usado hoje e continuará a ser usado no futuro. Qualquer pessoa pode encontrar centenas de textos assinados com esta palavra na Grécia e, em geral, em todo o mundo. Esta nova metodologia (o uso de uma palavra e sua conversão em uma organização terrorista) é uma situação sem precedentes que visa apenas atacar um amplo e diversificado espectro de ação do movimento anarquista e intimidar aqueles que a ele pertencem. As seguintes organizações terroristas serão chamadas de “Solidariedade”, “Anarquistas”, “Comunistas”,… e continuarão a rir-se de nós até o fim dos tempos”.

Após serem presos por uma semana na Delegacia Central de Polícia de Atenas, os camaradas são libertados em duras condições restritivas: têm que se apresentar à delegacia três vezes por mês; não podem ter nenhum tipo de comunicação entre eles ou compartilhar os mesmos espaços; também são proibidos de participar de qualquer reunião ou manifestação política, assim como de entrar no bairro da Exarchia (o principal e histórico centro da luta política em Atenas) e sair do país; e, finalmente, todos os seus bens são apreendidos pela polícia, assim como suas contas bancárias. Além disso, o camarada que foi “reconhecido” no vídeo foi obrigado a se mudar imediatamente para sua cidade natal, sem a possibilidade de viver ou mesmo de ter um emprego em outra cidade.

Estes termos restritivos têm efeitos muito específicos sobre a vida dos quatro réus, já que seu único objetivo é a dissolução de sua vida social, sua ação política e seu extermínio financeiro. Além disso, a condição do primeiro camarada detido o obriga a permanecer fora da cidade onde vive há anos (Atenas), mantendo-o completamente afastado de suas relações sociais e de seu trabalho. Todos os fatores acima deixam claro que esta perseguição é uma “vingança pessoal” da polícia contra nossos camaradas.

Desde o início desta ridícula conspiração, os quatro camaradas negam todas as acusações, declarando publicamente que estão sendo perseguidos unicamente por causa de sua identidade política anarquista.

Sete meses após o início deste processo, ainda não há provas confiáveis (amostras de DNA, impressões digitais, chamadas, mensagens,…) que conectem os quatro camaradas com o ataque – nada surpreendente quando se trata de processos envolvendo anarquistas politicamente ativos. Além disso, a única “prova” (o vídeo) desaba em setembro, quando o parecer oficial dos laboratórios policiais e um especialista técnico independente descartam a presença do camarada no vídeo do ataque à Fundação Mitsotakis.

A própria polícia admite que o camarada que foi inicialmente preso e pelo qual os demais estão sendo perseguidos, não é identificado no vídeo do ataque à Fundação Mitsotakis.

Portanto, até hoje, sem absolutamente nenhuma evidência ou indicação de culpa, quatro anarquistas estão sendo anulados pelo Estado em todos os aspectos de suas vidas, só porque se mantiveram firmes em seus ideais contra o sistema, porque encontraram seu lugar entre os oprimidos deste mundo e lutaram contra o Estado e o capitalismo, contra a pauperização sistemática de bilhões de pessoas, contra o fascismo e o patriarcado, contra a destruição da natureza e a extinção de seres não humanos.

Durante este mês de novembro, os camaradas foram chamados pelo investigador estatal para uma “declaração” adicional, para outro ataque de que também são acusados, sob a assinatura de “Sintrofi-Sintrofises”. Estas declarações serão as últimas de sua parte e darão lugar ao próprio processo judicial (julgamentos, condenações,…).

Apelamos a todo o movimento de luta para apoiar, de uma forma ou de outra, as manifestações de solidariedade diante dos tribunais de Evelpidon (Atenas).

Camaradas, os quatro anarquistas perseguidos durante os últimos sete meses foram sistematicamente exterminados de forma financeira pelo Estado, em uma perseguição cujos custos legais já ultrapassaram 10.000 euros. Da mesma forma, as declarações que ocorrerão durante este mês totalizarão mais de 3000 euros. Os camaradas perseguidos estão tentando cobrir suas despesas de vida, com grande dificuldade, enquanto suas contas bancárias estão congeladas, ao mesmo tempo em que enfrentam o desemprego.

Nesta situação criada pela COVID-19, onde é praticamente impossível organizar eventos que apoiem a causa economicamente, decidimos recorrer ao website online do Firefund [vaquinha virtual].

Pedimos o apoio de todos os companheiros a nível internacional: NENHUM COMPANHEIRO FIQUE SÓ CONTRA O ESTADO.

É um fato que a perseguição desses camaradas pela polícia é outra tentativa de anular política, social e economicamente parte do movimento anarquista. Estas perseguições, no entanto, serão sempre confrontadas pela incansável luta pela liberdade e dignidade. A solidariedade vencerá a escuridão do totalitarismo.

REVOGAÇÃO IMEDIATA DAS CONDIÇÕES RESTRITIVAS APLICADAS!

FORÇA E SOLIDARIEDADE PARA OS QUATRO CAMARADAS ANARQUISTAS PERSEGUIDOS!

Assembleia em solidariedade com os quatro camaradas acusados.

>> Para contribuir, clique aqui:

https://www.firefund.net/osa?fbclid=IwAR1Z6uyEwpUb-YVOwDQSAAhpqm3u8GYoNrp7aPFBgqU1GjhSSyy8I_5FdAI

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

A lua minguante
procura com quem falar
na boca da noite

Ronaldo Bomfim




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org