Novembro 5, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
355 visualizações

O aspecto mais importante da guerra revolucionária contra a tirania do Estado e do capitalismo é a recuperação dos valores morais, a barreira contra a decadência universal e a redefinição da palavra dignidade. A cabeça se eleva mecanicamente do pescoço, mas é a alma, a fé e a determinação que são as ferramentas que fazem frente ao inimigo. Somos dois mundos considerados violentamente e universalmente reconhecidos. E se somos inferiores em força, somos sempre superiores em qualidade. Pois nossa estatura começa com nossos olhos e alcança as estrelas totalmente iluminadas.

Na dimensão real da luta revolucionária, palavras sem ações são orações sem perspectiva. E o mundo não é mudado pelo pensamento ilusório. A verdadeira ruptura está no campo real do conflito militar com cada mecanismo de subjugação, o Estado e o capitalismo. Passando da teoria subversiva à propaganda prática agressiva, traduzimos em prática as palavras da formação militante da Organização de Ação Anarquista, assumindo a responsabilidade pelo ataque incendiário à casa de um conhecido e não conceituado traficante de drogas na Rua Kassandrou, 147, no centro de Tessalônica, na madrugada do dia 13 de outubro, dia do julgamento-paródia dos companheiros N. Matarraga e G. Kalaitzidis, que foram presos pela polícia. Matarraga e G. Kalaitzidis sob o pretexto de instigação física e moral na execução do traficante Habibi em Exarchia.

Na mira está um outro colaborador da polícia que negocia em morte e decadência às custas da base social. A imunidade desfrutada por este canalha em particular é reveladora, pois sua casa e as artimanhas que ele ocasionalmente mantém para lavar dinheiro dos cofres negros, organizando seus negócios e mercadorias, estão localizadas em uma área bem guardada (de interesse militar-político-diplomático) ao redor do Consulado Turco, onde se pode encontrar de tudo, desde simples guardas de segurança até agentes de hierarquia e adidos diplomáticos. É esta imunidade que queremos desafiar, esta segurança e cumplicidade que estamos desafiando na prática através de um ataque incendiário no coração do complexo policial.

Mas esta narco-máfia particular, como toda sua gangue, não se contenta em difundir a decadência nas comunidades proletárias e bairros subculturais. São culpados de uma série de comportamentos abusivos e agressões sexistas contra trabalhadores e não trabalhadores que se encontram no ambiente em que se move. Lixo como este mafioso particular deve estar nas profundezas mais profundas da terra enfrentando apenas sujeira para se encontrar novamente e ser punido por aqueles que perdem suas vidas graças a seus produtos imundos. Mas também para se encontrar com seus amigos como Habibi, que perdeu seu confronto com a lei revolucionária.

A luta que foi travada em Exarchia contra os traficantes de drogas foi uma necessidade não apenas de restabelecer algum equilíbrio. Foi um ato de retaliação. Foi uma luta para derrotar a vida, a morte e a decadência que foram impostas. Foi uma luta com um custo, porque a resistência em si é cara. Custa nossa liberdade, para não falar de nossas vidas. Os companheiros do Rouvikonas, que são, entre outros, um marco da luta anarquista no coração de Exarchia, foram alvo de dezenas de vezes por esta escolha. Com perseguição, com espancamentos e terrorismo, com ataques do núcleo do para-Estado, com balas da vanguarda dos interesses capitalistas. E não se dobram porque fazem parte do mundo que coloca a necessidade social e de classe acima do custo pessoal. É por isso que eles estão na ponta da lança da repressão, é por isso que desfrutam de nossa solidariedade sem reservas e nosso apoio prático. Porque para nós, a solidariedade na prática é a continuação da luta comum pelas ações de que todos nós estamos na mira. E os tempos exigem e requerem uma mudança de foco.

Queremos deixar algo claro tanto para nosso alvo quanto para qualquer pessoa diretamente afetada: conhecemos suas lojas, seus movimentos, as instalações que ele oferece, os serviços e lucros extras na economia subterrânea negra além do tráfico de drogas, os lugares onde ele e sua espécie se mudam. Este mafioso em particular visa as comunidades de subcultura onde, em nome de seu negócio, a resistência é voluntariamente reprimida antes mesmo de nascer. Isto significa que, além dele e de seus associados, também conhecemos seus clientes. Todos aqueles que, com suas pequenas e grandes forças, dão suporte e apoiam ativamente as máfias da droga, financiando seu papel sujo na difusão da cultura da droga, no esmagamento da resistência, na decadência moral e no esmagamento dos valores revolucionários. Todos aqueles que dão razão de ser aos narcoturistas para marcharem impunemente por nossos bairros semeando a morte e a subjugação. É por isso que devemos ser claros com todos, não importa o manto político que eles mesmos evangelizam, muito menos usar como desculpa desprezível. A luta anarquista tem uma história concreta que ninguém pode distorcer com suas próprias leituras, ela tem um passado, um presente e um futuro. E cada um de nós é responsável a todo o momento pela justiça desta luta.

Estamos em guerra aberta com as máfias da droga e com todos os componentes ativos da subjugação do livre arbítrio e da ação. E nesta guerra não há neutros. Todos, dependendo das escolhas que fazem em suas vidas, se alinharam em um certo campo de batalha: ou com resistência prática à decadência e à cultura da droga, ou com cumplicidade orgânica apoiando, instigando, financiando, participando do comércio de drogas. E se, o companheiro da luta revolucionária Christos Tsigaridas disse uma vez que, esperamos que os espectadores pelo menos tenham vergonha, diremos que vergonha é uma palavra que perdeu seu significado e peso nos anos de decadência. Seu lugar deve ser ocupado pelo medo e pela raiva. Força para aqueles que traduzem em ação os efeitos dos tempos em que vivemos. Força e solidariedade para com aqueles que, diante da decadência, do compromisso e da resignação, insistem em lutar.

Sem complacência, sem tréguas!

De Exarchia a Tessalônica, a guerra contra o tráfico de drogas continua.

Solidariedade com os companheiros N. Matarraga e G. Kalaitzidis

Organização da Ação Anarquista – Resistência Anarquista contra a Decadência

(Αναρχικές αντιστάσεις ενάντια στην παρακμή)

Fonte: https://anarquia.info/tesalonica-grecia-reivindicacion-por-el-incendio-provocado-en-la-casa-de-un-traficante-de-drogas/

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/10/12/grecia-apoio-a-giorgos-kalaitzidis-e-nikos-mataragkas-do-grupo-anarquista-rouvikonas/

agência de notícias anarquistas-ana

Chuva de primavera —
Uma criança
Ensina o gato a dançar.

Issa



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org