Março 31, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
262 visualizações

Thanos Xatziagkelou – Sobre a organização revolucionária Ação Anarquista.

A cada 10 de março, o tempo marca a hora a zero. Não há horas, apenas momentos de reflexão sobre o peso da responsabilidade que cada um de nós carrega na continuação do evento revolucionário. Para o dever moral, político e militante na guerra revolucionária. Uma fenda como um grito de guerra, em uma noite em que a morte venceu o medo. A morte física que tanto deploramos – no mundo da morte – é menos perniciosa do que a morte que é comercializada como vida.

Há 12 marchas atrás, o camarada e membro da Luta Revolucionária, Lambros Fountas, foi executado em um tiroteio em Daphne por um grupo de terroristas uniformizados durante uma ação preparatória da organização. Lambros viveu toda sua vida na linha de frente do conflito antiautoritário: com o papel, com a bandeira, com a arma na mão. Foi assim que ele deu seu último suspiro na última batalha, na linha de frente. Na vida um relâmpago e na morte um lobo. Lambros é o rastilho da intolerância revolucionária e continuará a viver nas chamas da violência revolucionária. Desde os incêndios dos campos urbanos metropolitanos até as explosões guerrilheiras nas montanhas do Oriente Médio e da América Latina.

O camarada Lambros Fountas é uma bandeira da luta pelo derrocamento e pela revolução. Uma bandeira que voa orgulhosamente enquanto o tecido metropolitano se rende às chamas da violência revolucionária. O sangue é a tinta da história. E apesar daqueles que afirmam que a história é escrita pelos vencedores, estaremos aqui para lembrá-los de que aqueles que se sentem vitoriosos carregam em suas carcaças as derrotas mais esmagadoras. A derrota não é a perdição, é a morte. A derrota é a aceitação. É a desconsideração dos mortos da guerra de classes. É a rendição sem sangue da história coletiva ao caixote do lixo do esquecimento. A derrota é a rendição e o messianismo. Prolongamento da batalha, tréguas e compromisso com uma vida sob as necessidades e circunstâncias da classe dos tempos. A derrota não é renunciar à vida e à liberdade de luta, mas viver morto por falta de solidariedade social e de consciência de classe. Para salvar a pele quando o que está ao seu lado hesita nos seus passos, fica para trás, morre. Diante deste período sombrio, é um dever revolucionário iluminar o caminho com a esperança da destruição.

Quem não está armado morre… e quem não morre é enterrado vivo: nas prisões, nos reformatórios, nos esconderijos dos subúrbios, nas cozinhas modernas totalmente equipadas – compradas a crédito – e nos dormitórios palacianos“. Ulrike Meinhoff – RAF

O primeiro passo na guerra é o incentivo, depois a determinação, depois o salto em frente. O salto para uma vida nova e ilegalmente desobediente. Eu continuo em minhas costas uma viagem cheia de fogo. Onde as respirações, os poucos que respiram escondem a derradeira liberdade. Uma vida dedicada à luta por algo melhor, algo diferente. E se a matilha terrorista de Mitsotakis e Theodoricakos (deputado do partido Nova Democracia no Parlamento Helênico) investe na derrota individual e coletiva, na resignação e submissão, num espetacular fim da resistência radical através do meu cativeiro, direi que tantos anos de lealdade, compromisso e constância no conflito levam ao momento mais orgulhoso desta guerra.

12 Marchas depois, honrando na prática o absoluto espírito revolucionário e a consistência representada pelo camarada Lambros Fountas, assumo a responsabilidade política por minha participação na Organização Ação Anarquista. Tenho orgulho de uma parte de minha vida estar identificada com uma figura de luta, carne da história anarquista, que se manteve com suas pequenas forças, com ética e consistência nas disputas e tarefas do conflito antiautoritário. Tenho orgulho dos camaradas, com os quais a Anarquia foi uma palavra cheia de paixão e sinceridade. Estou impenitentemente orgulhoso porque minha filiação foi um ato consciente baseado na necessidade social, política e militante da ação anarquista, como ferramenta analítica de reflexão, como um monte de justificativa, como uma atitude absoluta de vida.

A Ação Anarquista é uma formação militante de conflito e defesa da propaganda através da ação. É uma organização que colocou toda a estrutura de poder e as relações de exploração em sua mira antiautoritária, tornando a palavra solidariedade uma condição inquebrantável de existência. Tem sido hostil e com a cabeça erguida até hoje contra o Estado e o exército mercenário de ocupação da democracia, o tecido militarista, a doutrina da máfia sagrada, o fedor patriarcal e o tronco nacional, os templos e rostos da alienação capitalista, os interesses diplomáticos e os contratos de poder de um país encharcado de sangue.

Diante de pessoas sem rosto, sem moral, valores e princípios, que oprimem a vida da base proletária, hoje me mantenho sem o arco, impenetrável, intransigente com o mesmo compromisso de sempre com a causa revolucionária. Não me comprometo com os intransigentes, não me calo diante da injustiça, porque em minha vida aprendi a defender até a morte o que é justo e necessário. Tendo esculpido um caminho cheio de dificuldades e golpes, de prisões e condenações, de espancamentos e torturas, declaro que nada foi capaz de me fazer pensar novamente, de me levar a uma venda barata do caminho individual e coletivo por uns poucos respiros mortos de “liberdade”. Tudo não tem sido nada mais do que golpes baratos num corpo que durante anos carregou dentro de si um coração incólume. Um coração com um pulso como o bater das hostilidades revolucionárias. Um coração que bate pela Anarquia.

Assumo a responsabilidade política por minha participação na Ação Anarquista, porque cada passo no caminho tem sido um passo de profundo compromisso com as tarefas da guerrilha anarquista. Com modéstia e humildade, profundo apreço e admiração por aqueles que escreveram uma página especial na história da subversão radical. Com a esperança e a certeza de que nada acabou, que a chama insurgente da franquia não se extingue.

Comprometido de corpo e alma com a veia do fogo, continuo sendo um anarquista impenitente, defendendo o caminho da ruptura e do conflito com todas as formas de poder. As ideias não podem ser compradas, a paixão pela liberdade não pode ser disciplinada, a dignidade revolucionária não pode ser desculpada nos tribunais do terror. Defenderei meu orgulhoso cativeiro até o fim, mesmo que o sol tenha que nascer no oeste, lembrando uma promessa coletiva: o tempo sempre conta para todos. Esperar, esperar e atacar.

Orgulhosamente, um membro da Ação Anarquista. Orgulhosamente comprometidos com a guerrilha anarquista. Revolução em primeiro lugar e sempre.

Thanos Xatziagkelou

Quarta Ala, Prisão de Korydallos

10/3/2022

Fonte: https://anarquia.info/grecia-thanos-xatziagkelou-asumir-la-responsabilidad-de-la-participacion-en-la-organizacion-accion-anarquista/

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/02/23/grecia-mensagem-de-resistencia-do-anarquista-preso-thanos-xatziagkelou/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/02/23/grecia-posicao-politica-do-prisioneiro-anarquista-thanos-xatziagkelou-sobre-o-ataque-a-fundacao-para-a-reflexao-nacional-e-religiosa/

agência de notícias anarquistas-ana

Ontem um voo,
hoje outro: os gansos selvagens
não estarão aqui esta noite.

Buson



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org