Março 15, 2022
Do Passa Palavra
184 visualizações

Por Tendência Internacional Comunista

Na expectativa de cobrir o máximo possível os efeitos sociais e políticos da intervenção russa na Ucrânia, o Passa Palavra traduz essa nota com o intuito de exaltar a solidariedade internacional com os trabalhadores destes países. O comunicado original, em inglês, pode ser lido aqui.

A guerra na Ucrânia prossegue. Apesar de alguma hesitação da Alemanha, França e Itália, Putin calculou que os EUA e aliados ocidentais (OTAN) não desistiriam de suas sanções econômicas e financeiras, ou reconheceriam a recuperação da Crimeia pela Rússia através de um “referendo”. Mais importante ainda, ele reconheceu o desejo de Biden (e de Zelensky) de incorporar a Ucrânia à OTAN. Se isso acontecesse, a Rússia teria os mísseis em seu quintal. Era um risco que Putin não estava preparado para assumir, não apenas por causa da segurança nacional, mas também para manter sua presidência “vitalícia”, assim como o papel da Rússia como fornecedor de gás e petróleo para a Europa. Por último, mas não menos importante, Putin não quer parecer que perdeu em todas as frentes sem sequer dar luta. O plano A era usar “armas” diplomáticas ao lado da dissuasão militar (movimento de tropas nas fronteiras da Ucrânia) para assustar o governo Zelensky enquanto empurrava as duas repúblicas separatistas de Donetsk e Luhansk para Donbass, com seus portos estratégicos no Mar de Azov e ricas minas de carvão, em prol da autodeterminação.

O plano B (a invasão efetiva da Ucrânia) foi dramaticamente posto em prática quando todas as suposições do plano A falharam devido à resposta negativa de Biden a todas as exigências de Putin. Além disso, embora seja marginal à competição estratégica entre os dois imperialismos, devemos lembrar também que o Presidente americano está no limiar do período de eleições e seus índices de aprovação estão consideravelmente baixos. Portanto, empurrar a Rússia para este ato “extremo” é uma espécie de vitória que inevitavelmente aproximará a velha Europa, afastando-a da chantagem energética russa (com mais vendas de gás dos EUA a partir do fracionamento) e aproximando-a dos EUA à medida que os laços militares dentro da OTAN forem sendo reforçados. Mas, ao mesmo tempo, ela está obrigando a Rússia a ampliar seus crescentes laços com a China. Assim, os confrontos imperialistas são agora ainda mais perigosos.

Estamos relatando uma guerra que foi amplamente antecipada e que o simples bom senso poderia ter evitado. Mas o bom senso não é uma categoria econômica. Ele não pertence aos interesses inalienáveis dos imperialistas em questão, interesses que, para serem alcançados, podem muito possivelmente levar à guerra. Nem o bom senso governa as ações de um capitalismo cada vez mais em crise, muito menos o imperialismo como um todo que inevitavelmente assume formas agressivas.

Guerra na Ucrânia: conflito interimperialista em uma crise econômica global

Uma nova fase histórica

Nesta fase histórica temos que lidar com três aspectos que fazem dramaticamente parte de cada guerra, seja ou não no Oriente Médio, sejam elas guerras petrolíferas, conquistas estratégicas ou guerras por representação.

O primeiro aspecto diz respeito à falta de um movimento político suficientemente forte para combater as crises do capitalismo e as guerras que se seguem, que são a “solução” temporária para suas contradições. As organizações revolucionárias dispersas não são, no momento, um ponto de referência político suficientemente forte para representar uma alternativa à barbárie do capitalismo.

O segundo aspecto está intimamente ligado ao primeiro. Na ausência de um partido político revolucionário, na ausência de uma mobilização de massas contra a guerra e as crises do capitalismo que geram guerras e a ideologia de classe dominante que as justifica, o massacre de proletários, trabalhadores assalariados, utilizados como instrumentos de guerra propriamente ditos, torna-se uma consequência inevitável.

O terceiro ponto diz respeito às armas que a burguesia utiliza para obrigar as massas de trabalhadores – cuja força de trabalho em tempo de paz é explorada até a última gota – a se tornarem carne moída em tempos de guerra. De alguma forma, as massas se enquadram nos interesses do capital que, por definição, diferem dos seus. Estas armas são muitas e variadas: vão desde o uso da religião organizada, a ideia de “exportar democracia” para derrubar ditaduras que, paradoxalmente, os mesmos poderes financiaram e apoiaram politicamente, se não armadas até aquele momento. Por último, mas não menos importante, o imperialismo joga a cartada nacionalista. Neste caso, o nacionalismo da variedade “Pátria Russa”. Antes da guerra, o jogo tinha funcionado perfeitamente. Putin sempre apelou para a unidade do povo eslavo da “Grande Rússia” como um único grupo étnico sob uma única pátria simbólica. Russos, bielorrussos e ucranianos, até os levantes de Maidan (2014) que derrubaram os Yanukovych pró-russos, eram irmãos de sangue para Putin. Eles deveriam ser tratados como parte de um nacionalismo étnico tão falso quanto seu promotor, mas funcionando no interesse do imperialismo russo.

Uma vez iniciada a guerra, o programa nacionalista foi usado para as populações de língua russa de Donbass, incitando-as a se separarem da Ucrânia com o apoio militar da “Pátria Rússia” para punir a renegada Ucrânia.

As potências da OTAN responderam com o aumento das sanções com o objetivo de embaraçar ainda mais a Rússia, mas ao fazê-lo também poderiam embaraçar membros importantes como a Alemanha, a França e a Itália. O secretário da OTAN Stoltenberg está ameaçando intervir militarmente se um país aliado for ameaçado. Enquanto isso, o eixo Moscou-Pequim foi reforçado. As sanções ao petróleo no Nord Stream 2 seriam substituídas pelas exportações de petróleo e gás da Rússia para a China e o projeto chinês “Rota da Seda” continuaria a ter a própria Rússia como um de seus terminais.

Guerra na Ucrânia: conflito interimperialista em uma crise econômica global

A alternativa revolucionária

Estes são fatos criados pelo imperialismo. Seus movimentos, seus objetivos. Não há escolha para os revolucionários. Não defendemos, junto à OTAN, uma falsa liberdade democrática. Não apoiamos a Rússia em nome de interesses estratégicos vitais ou nostalgias ideológicas que gostariam de reviver as glórias de um socialismo inexistente, apesar de uma primeira revolução proletária, única e inspiradora, em 1917. Na década de 1920, devido ao fracasso da revolução internacional, ela foi isolada e derrotada. A este respeito, não se deve esquecer que franjas de pseudo-comunistas e a esquerda ao redor do mundo “aplaudem” a Rússia quando as forças imperialistas se aproximam dos golpes, simplesmente porque elas se opõem ao imperialismo americano. Eles nunca perguntam o que é a Rússia hoje, ou colocam a questão do internacionalismo e da guerra de classes, e seu possível renascimento. Em termos de perspectivas para a classe trabalhadora internacional, atualmente as coisas não estão indo bem. Embora as greves estejam aumentando, elas são poucas e distantes. Muitas são segmentadas e, portanto, facilmente impedidas pelos sindicatos de desenvolver um questionamento mais profundo de um capitalismo em crise. Existem organizações políticas capazes de propor significativamente uma alternativa social ao capitalismo, mas ainda não têm força para afetar a classe trabalhadora mais ampla que, no momento, suporta passivamente a ideologia dominante de suas respectivas burguesias nacionais. Mas a crise continua. Seu impacto já está criando uma nova onda de ataques aos trabalhadores em todos os lugares. Estes ataques e o perigo crescente de uma guerra generalizada estão criando terreno fértil para o renascimento da guerra de classes.

Guerra na Ucrânia: conflito interimperialista em uma crise econômica global

Nossa resposta revolucionária à barbárie do imperialismo é dedicar nossas energias à construção do partido revolucionário internacional para que ele possa levar sua tática e estratégia à classe trabalhadora mais ampla e assim lutar contra as garras da morte do nacionalismo, o renascimento da ideologia burguesa-democrática e falsos mitos “socialistas” (como a possibilidade do “socialismo em um país”). Desta forma, a classe operária internacional poderá tomar o caminho revolucionário do socialismo genuíno contra todos os exploradores capitalistas, todos os imperialismos e suas guerras. Enquanto isso, o imperialismo nos oferece apenas tragédias mais bárbaras: guerras, fome, morte, limpeza étnica e genocídio, refugiados em busca de um mundo melhor que não existe, mas que ainda tem que ser construído. Esta é a tarefa da classe trabalhadora mundial. Nossa guerra é a guerra de classes para livrar o mundo dessas atrocidades.

As fotos que ilustram esta tradução são da população ucraniana (BBC) e dos protestos anti-guerra na Russia (Aljazeera).




Fonte: Passapalavra.info