Março 30, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
124 visualizações


A localização geográfica das Ilhas Canárias a coloca naturalmente nas rotas migratórias habituais para deixar o continente. Sua localização no Atlântico também o transformou em um ponto de conexão tricontinental, um ponto de passagem histórico na viagem da Europa para a América. O volume da emigração das Ilhas Canárias foi enorme do século XVI ao século XX e ainda hoje existem diásporas notáveis em países como Cuba, Porto Rico e Venezuela (há muito conhecida nas Ilhas Canárias como “a oitava ilha”). A afirmação de que havia mais canários vivendo fora das ilhas do que nelas era um lugar comum no início do século passado.

O acima exposto poderia nos dar a entender que nas Ilhas Canárias o fenômeno migratório é compreendido naturalmente, mas infelizmente, e pelo menos atualmente, não é este o caso.

As ilhas estão vivendo uma situação de dissociação coletiva de sua própria realidade geográfica, social e política. A educação estatal, o bombardeio da mídia, a propaganda diária e as políticas governamentais levaram uma alta porcentagem da população canariana a desenvolver uma forte identidade europeia. Nas Ilhas Canárias, vivemos de costas voltadas para o continente africano, mesmo estando a apenas 95 km dele. A ideia de ser uma das últimas colônias da Europa não é algo que seja confrontado. O fato de o arquipélago ser um dos territórios mais empobrecidos da “Europa política”, com a mais alta taxa de desemprego, despejos, exclusão social e pobreza infantil não impediu, paradoxalmente, que prevalecesse o eurocentrismo, a mentalidade pró-colonial, o nacionalismo espanhol ou o chauvinismo insular e a xenofobia. Temos sido educados, desde a escola, a ter orgulho de ser “europeus de segunda categoria” e a apontar o dedo, diante de qualquer crise econômica ou social, para os estrangeiros pobres.

O fenômeno migratório não é estudado em profundidade, nem as autoridades públicas estão interessadas em compreender suas causas. Eles falam ad nauseam sobre “máfias” e “tráfico humano”, mas nunca sobre refugiados de conflitos armados, trabalhadores fugindo da pobreza extrema, ou pessoas escapando de perseguições políticas ou religiosas. O fato de que o tráfico de pessoas é um efeito da migração e não sua causa, e que ele se encontra em situações que as potências europeias encorajaram ou provocaram diretamente, como guerras, desertificação ou pilhagem dos recursos naturais dos países de origem, é omitido de forma hipócrita.

Os dados reais da imigração trazem ainda mais luz para a questão. Estima-se que entre este ano de 2020 e o início de 2021 cerca de 25.000 migrantes do continente africano tenham chegado às ilhas. O governo local tem em sua “custódia” apenas cerca de 10.000 deles. Cerca de 2.000 conseguiram alcançar o continente (a meta da grande maioria) e entre 500-600 foram diretamente deportados. Aproximadamente 12.000 estão fora da suposta “rede de recepção oficial”. A mídia tem mostrado imagens até não mais poder de migrantes brincando nos hotéis da ilha, mas o que tem sido menos falado é que muitos deles passaram até 3 semanas abandonados no porto de Arguineguín (no sul da Gran Canaria), sem qualquer tipo de condições higiênicas, dormindo e comendo mal, sem nenhuma outra cobertura que uma simples lona sobre suas cabeças. Também não foi mencionado que muitos deles já foram expulsos dos hotéis e que agora subsistem em condições subumanas, nas ravinas da Gran Canaria, praticamente ao ar livre. É ainda menos interessante saber onde estão algumas das 12.000 pessoas que não caíram nas mãos do Estado e em que condições. É tido como certo que muitos conseguiram escapar para a península, mas sabemos perfeitamente que a sobrevivência de alguns deles (certamente uma minoria dentro do cálculo global) está sendo garantida em redes de apoio mútuo fora das instituições. Projetos de realojamento e autossuficiência alimentar como os iniciados pela FAGC (que atualmente abriga mais de 200 migrantes em situação de perseguição governamental) demonstram a inépcia das instituições e sua gestão desastrosa de recursos comparativamente enormes.

O Governo das Ilhas Canárias (quadripartite de esquerda) não fala de “emergência humanitária”, mas de “risco sanitário” e desumaniza os migrantes que passam de pessoas a “um problema”. A pandemia, o cartão selvagem que tem sido usado durante um ano para justificar qualquer medida repressiva, serve para limitar ainda mais o movimento de migrantes e prescrever a maioria das interações sociais. Entretanto, a natureza obrigatória da produção e do consumo permanece intacta, e permite que locais de trabalho, centros comerciais e salas de aula permaneçam abertos sem que ninguém estabeleça um vínculo entre capitalismo e contágio. Questionar o sistema e suas contradições se torna complexo e desnecessário quando se tem um bode expiatório. Todas as forças políticas parlamentares das Ilhas Canárias fizeram uma frente unida contra a migração e dia após dia aparecem na mídia e nas redes, seja para exigir que o governo central se encarregue da crise ou para aplaudir suas políticas. Nenhum deles ignora que ligar Covid e migração é uma falácia e um exercício de ódio, mas é muito mais lucrativo estabelecer esta conexão interessada do que reconhecer que a principal rota de transmissão internacional do vírus tem sido o turismo (o primeiro caso na Espanha foi precisamente um turista na ilha de La Gomera).

O racismo não surge espontaneamente do nada. É aprendido. As crianças não são inatamente racistas. Elas são quando são ensinados a ser assim. E, neste caso, o povo das Ilhas Canárias está recebendo um curso intensivo de racismo e xenofobia por parte das instituições. As manifestações de racismo de rua são um reflexo das manifestações de racismo institucional. É um processo que vai desde os escritórios até os bairros. Quando a polícia rompe violentamente qualquer evento público não autorizado mas é tolerante, e até cúmplice, com protestos racistas, a mensagem para a população é clara: a xenofobia é uma coisa de “bons cidadãos”.

Muitos veículos de comunicação têm sido essenciais para o sucesso desta guerra suja de desinformação. Os cálculos políticos prevaleceram sobre a responsabilidade e o rigor e foi lançada uma campanha anti-imigração que poderia terminar em uma escalada de violência racista de proporções e consequências incalculáveis. Eles alimentam suas colunas e notícias com embustes tirados diretamente das redes sociais e distorcem qualquer conflito diário entre migrantes até transformá-lo em uma “notícia” pré-fabricada. Eles falam, sem vergonha, de “avalanche” ou diretamente de “invasão” para se referir a cerca de 25.000 pessoas; nenhum termo semelhante jamais foi usado para se referir aos mais de 15.000.000 turistas que viemos a receber anualmente.

O fato de um grande número desses migrantes serem na verdade prisioneiros do Estado é ignorado por si mesmo. É silenciado que muitos deles não puderam usar nem o passaporte nem as passagens para seu verdadeiro objetivo: chegar à Europa. É silenciado que a causa de tudo isso é que o governo central (aquela coalizão muito “esquerdista” entre PSOE e UP) transformou as Ilhas Canárias em uma enorme prisão para evitar que os seres humanos, demasiado escuros para seu gosto, vagueiem por sua Europa branca. É silenciado que a mesma Europa que decidiu dispensar as fronteiras entre os países membros, para fins puramente comerciais, é a que pressiona para que a parede invisível que ergueram em frente ao continente africano não caia. É silenciado que nesta Europa os mercados são infinitamente mais livres do que as pessoas. E é silenciado que o chamado “governo mais progressista da história” é o mesmo governo que construiu o “maior campo de concentração da história” nas Ilhas Canárias.

E, enquanto tudo isso acontece, uma grande parte do povo põe em prática a lição imperialista que há séculos se queima neles: em tempos de incerteza e crise é sempre mais fácil acertar o que está em baixo do que o que está em cima.

O grande sucesso do capitalismo, do Estado e de suas forças coercitivas, é que uma população empobrecida e explorada procura os responsáveis de sua própria classe e não entre aqueles que os governam e exploram. A pobreza nas Canárias não tem sido causada pela migração. Ela tem sido causada por uma economia que foi completamente colonizada desde antes que os britânicos nos impuseram o cultivo de tomate. Ela tem sido causada pela atual “monocultura” turística, que só enriquece o lobby do hotel e os especuladores das casas de férias, enquanto a classe trabalhadora só recebe precariedade e desemprego crônico. Foi causado por uma economia completamente terceirizada, o que nos obriga a servir e não nos permite criar nada. Ela foi causada por uma classe política que entregou todos os nossos recursos às multinacionais, que permitiu que as terras rurais estivessem nas mãos de algumas famílias aristocráticas durante séculos e que as terras urbanas, incluindo bairros, passaram na última década para as mãos dos bancos e de lá para os fundos dos abutres. A pobreza tem um nome e um rosto, assim como aqueles que a geram.

Por outro lado, o avanço de posições racistas e fascistas não tem sido combatido pelos movimentos sociais canários que muitas vezes estão desconectados de sua realidade imediata. Alguns não têm relação direta com a classe trabalhadora a que se dirigem ou não conhecem outras fórmulas de interação que as do folclore. Muitos podem entender a urgência de derrubar a “Lei da Mordaça” que reprime as pessoas por causa de sua ideologia, mas muito poucos entendem a urgência de se livrar da “Lei dos Estrangeiros” que reprime as pessoas por causa de seu local de nascimento. Outros renunciaram durante anos a qualquer confronto direto com a administração e não têm outro horizonte vingativo senão o próximo subsídio. Eles nos dizem que o racismo e o fascismo podem ser combatidos nas urnas ou em diálogo com o inimigo. Há até mesmo aqueles que acabaram adotando argumentos fascistas e lançando slogans xenófobos embrulhados em parafernália vermelha.

Acreditamos que nosso povo, o povo de nossa classe, e isso inclui aqueles que não nasceram aqui e não falam nossa maldita língua, são defendidos dia a dia, nas covas, nas ruas, compartilhando com eles as ferramentas que lhes permitem permanecer vivos e livres. Não queremos estabelecer nenhum diálogo com o fascismo, nem persuadi-lo, nem convencê-lo, nem derrotá-lo no campo das ideias. Acreditamos que não se deve discutir com o fascismo; ele deve ser esmagado. É por isso que, para não lhes deixar uma migalha de terra, continuamos a criar espaços livres e autogeridos. Continuamos a promover abrigos que acolhem seres humanos que hoje estão sendo perseguidos por causa de sua cor de pele, etnia ou local de origem. Continuamos a socializar terras abandonadas para que estas famílias, entre as quais há uma porcentagem significativa de menores, possam se cultivar e se alimentar. Continuamos a reciclar e reparar aparelhos elétricos para que eles possam ter água quente e água limpa que não tenha sido garantida nos “campos da vergonha” criados pelo Estado. Também continuamos a aprender e a acumular conhecimentos, tais como novas formas de cultivo, passos a seguir para fazer fornos caseiros, receitas para fazer pão para centenas de pessoas, novos métodos para isolar edifícios, e assim por diante. Mas, sobretudo, continuamos convencidos de que a terra não tem nome, que as fronteiras são um crime pelo qual nossos netos um dia nos julgarão e que não há pátria, bandeira ou identidade coletiva que valha uma merda em comparação com qualquer vida.

Federação Anarquista de Gran Canaria (FAGC)

www.anarquistasgc.noblogs.org

Fonte: https://acracia.org/canarias-la-carcel-mas-grande-del-estado/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Mamonas estalam.
Os cachos da acácia
Parecem imóveis.

Paulo Franchetti




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org