Abril 12, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
377 visualizações


Em todo o mundo, nós, trabalhadores e trabalhadoras, somos submetidos a níveis de superexploração para aumentar as taxas de lucro dos capitalistas e seu sistema de produção. Independentemente do nosso lugar de residência, de nosso gênero, sexualidade e nacionalidade, querendo ou não, estamos envolvidos em uma mesma luta. Os cortes nos serviços públicos e sociais, a precarização do trabalho, o arrocho salarial, as privatizações, o aumento do custo de vida, assim como a mercantilização da educação e a destruição dos ecossistemas e do meio ambiente, são apenas alguns dos sintomas do sistema econômico global. Um sistema baseado na exploração e na competição, que impõem a mercantilização de todos os aspectos de nossas vidas.

Vivemos em uma situação crescente de exploração, assim como, de alienação de nossas necessidades e relações de trabalho. Isso ocorre tanto com trabalhadores como com os estudantes, e cada vez mais com jovens e crianças. A lógica dos mercados e dos Estados capitalistas impõem a produtividade e a competição acima do desenvolvimento humano.

A reivindicação por uma Renda Básica Universal em nível global pode ser o primeiro passo para avançar na superação das relações de superexploração dos trabalhadores. Não pretendemos apenas parar, pretendemos impor nossas demandas.

Considerando a natureza transnacional do sistema capitalista, também é necessário a articulação de trabalhadores e trabalhadoras em nível global. Conectando-nos através das fronteiras e das relações globais que definem nossas condições locais, fazendo visíveis nossas lutas. Dessa forma, se abrem novas potencialidades e possibilidades de ação na luta contra a exploração e as condições de vida e trabalho precários. A capacidade de luta dos trabalhadores aumenta muito com a unidade como classe trabalhadora internacional.

Especialmente em tempos de chauvinismo e racismo, desejamos uma luta comum, e nos negamos a sermos jogados uns contra os outros.

Por uma vida digna para todos e todas! Abaixo as fronteiras!

#globalmayday2021 #1world1struggle #1mundo1luta

Nota sobre a pandemia de Coronavírus

O mundo segue atravessando a grave pandemia de Covid-19. Como em todas as crises, os trabalhadores e pobres são os mais afetados. Diversas empresas obrigam a continuar produzindo sem condições sanitárias, negando o direito à quarentena. Se aprofundam as demissões em massa e os trabalhadores autônomos e ambulantes não possuem qualquer assistência social. Imigrantes e refugiados vivem sem locais dignos e condições sanitárias mínimas.

Nós, lutamos por:

– Garantia de renda e necessidades básicas para todos trabalhadores e trabalhadoras do mundo;

– Condições sociais e sanitárias dignas para todos e todas;

– Garantia do acesso livre e gratuito as vacinas contra a Covid-19 para todo o mundo;

– Imediata suspensão dos pagamentos de água, energia, gás, aluguéis, telefone e internet.

Que os ricos paguem por sua crise!

Participam da iniciativa do 1º de Maio Global 2021: 

SAC – Suécia ∙ CGT – Espanha ∙ IWW – Reino Unido ∙ IWW – Alemanha ∙ FAU – Alemanha ∙ GWTUC – Bangladesh ∙ FOB – Brasil ∙ IP – Polônia ∙ SR1M – Alemanha

lutafob.org

agência de notícias anarquistas-ana

Na calma do lago
um bufo entre a canarana:
peixe-boi respira.

Anibal Beça




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org