Outubro 30, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
427 visualizações


Hoje, como ontem, nos opomos à exploração do capital sobre o meio ambiente, e do homem sobre o homem.

Hoje, como ontem, estamos ao lado daqueles que trabalham e sofrem, arriscando suas vidas todos os dias para dar a dignidade da alimentação e da educação a seus filhos e suas famílias.

Do lado dos mais fracos, daqueles que não têm voz ou talvez não a levantem o suficiente ou pior, não podem usá-la porque vivem sob chantagem ocupacional.

Do lado do explorado, seja o homem ou a natureza que nos recebe, a terra que pisamos, a água que bebemos, o ar que respiramos ou nossas imponentes montanhas que aqui em Carrara se destacam no céu, ricas no ouro branco que todos querem.

Do lado dos explorados SEMPRE.

Nós nos alinhamos com aqueles que vivem do mármore, mas não com aqueles que são enriquecidos por gerações, imóveis, buscando lucro a todo custo, vivendo no luxo, explorando nossas montanhas e nossas terras escondidas atrás de porcentagens e estatísticas.

Em uma economia local enfraquecida e envenenada, em uma cidade moribunda dependemos cada vez mais das necessidades e desejos daquela oligarquia do mármore que monopoliza nossas vidas a serviço deles. Tudo isso porque seus cúmplices na política sempre lhes deram a possibilidade de serem donos do território. SEM VERGONHAS!

Explorados e exploradores, aqui está sempre a questão, onde entre os primeiros colocamos os pedreiros, pois não podemos sequer imaginá-los remotamente como os sete anões da Walt Disney pá e palheta na mão que, pela manhã, cantarolam para o trabalho.

Se fossem reutilizados em outro lugar, se tivessem escolha, seriam igualmente felizes, pensamos, talvez ainda mais felizes.

Aqui não estamos falando apenas de ambientalismo, mas de luta de classes porque, parafraseando Chico Mendes, “ambientalismo sem luta de classes é jardinagem”.

Portanto, dizer vamos fechar as pedreiras é um ato de grande efeito, mas que só nos primeiros momentos traria alegria e satisfação, mas de curta duração, desvanecendo-se diante daqueles que naquele mundo tinham encontrado um meio de viver honestamente.

Nem sempre podemos dizer não, mas devemos ser pró-ativos, fornecer alternativas, soluções para um possível outro futuro. Guiada pela razão, a justiça social como uma direção unida pela solidariedade entre aqueles que querem uma mudança definitiva.

Participar direta e ativamente da longa luta por um plano de reabilitação das áreas de mineração, da gestão cooperativa de pedreiras e terras agrícolas abandonadas, da expansão do Parque, da limpeza das estradas, da manutenção das estradas de montanha e da reabilitação da área industrial.

Meio ambiente e sustentabilidade são as palavras-chave que devem abrir as portas para um futuro melhor, um futuro para todos, o que se opõe a uma economia onde o benefício de poucos à custa de muitos não é mais aceitável.

Por um mundo livre de amos, nós administramos nosso próprio futuro.

É nossa intenção dar os primeiros passos para poder criar uma plataforma sólida, um ponto de partida que envolva realidades locais que sejam verdadeiros usuários de uma nova maneira de viver e trabalhar em harmonia com o ambiente ao nosso redor; com a criação de um Observatório que vise criar pontes e não construir muros, com todos aqueles que querem o melhor para a comunidade. Uma estrutura que buscará respostas para as perguntas que muitas pessoas fazem, mas às quais poucos são capazes de dar respostas, e conhecer as partes envolvidas não para atacá-las, mas para ouvir, informar, debater usando as ferramentas que nos são mais agradáveis e que nos caracterizam, e que pode ser uma longa viagem, mas que é o único meio necessário para avançar de maneira construtiva e real.

Gruppo Anarchico Germinal FAI Carrara

Fonte: https://umanitanova.org/?p=13006

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

vento nas cortinas
fico atenta
ao que a manhã ensina

Camila Jabur




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org