Abril 13, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
205 visualizações

A guerra vende bem: armas, poder, comércio, economia e paz. Tanta paz. O principal instrumento de venda da paz social sempre foi representado pelas guerras, travadas pelos patrões e pagas pelos explorados, com perda de riqueza. Com a perda de milhões de vidas humanas. A guerra cria dissidência ou consenso, e a mídia considera o público consumidor mais adequado. À noite, o horror, útil para aumentar os apoiadores e facções, alinhamentos e especialistas de todos os tipos, vão ao vivo na TV. Tínhamos quase nos livrado dos virologistas de assalto da era da covid que agora se encontram especialistas guerreiros ou pacifistas para todos os gostos, mesmo que as guerras não sejam todas iguais para quem fala dos mortos na Ucrânia, e esquece os mortos no Mali ou no Iêmen. Ou no trabalho. Fontes de notícias chamam o próprio desertor de traidor ou herói, dependendo de qual lado da cerca o comentário vem.

A TV da dor relança o horror das vítimas de plantão em horário nobre, pronto para ser esquecido assim que a participação diminuir. O pacifista inveterado pronto para denunciar o tráfico de armas de todos os tipos para Kiev acordou agora depois de décadas de guerras alimentadas pelo lucrativo comércio de armas da Itália e do Ocidente em todas as partes do mundo. Dois pesos e muitas, muitas medidas.

Em quase todos os lugares da Itália, o antimilitarismo tomou as ruas: em Milão e Turim, Gênova ou Sicília. Números pequenos comparados aos de trinta anos atrás em resposta à primeira Guerra do Golfo. Números, vozes, pessoas que de qualquer forma não se rendem à representação midiática do vazio da política. Pessoas, trabalhadores, explorados que lutam e não se deixam intimidar nem por fake news nem por buscas orquestradas ao estilo de anos de chumbo. A referência é à batida policial na sede nacional da USB em Roma. Um episódio que mostra a verdadeira face da mesma luta de classes que semeia horror na Ucrânia e gera exploração e precariedade no Ocidente. Há os que ficaram ricos com a pandemia e os que ficaram mais pobres. Há quem enriqueça com todas as guerras em curso, e refugie-se na mesma estância turística onde um oligarca ucraniano vai ao bar com o seu amigo oligarca russo, turco ou italiano ou… E há quem tenha uma vida precária, obrigado a pagar salários e turnos por chantagem do empregador (Ikea de Ancona) ou deve ceder à chantagem ocupacional vendo piorar suas condições de trabalho e salários (Caterpillar Jesi). Há aqueles que gostariam de abandonar uma guerra em nome da vida, e aqueles que gostariam de uma vida que não seja uma guerra contínua. Há aqueles desesperados, que já não têm olhos para chorar, um morto assassinado na rua sobre o qual os chacais intelectuais estão conversando na segurança de suas salas na internet.

O terceiro milênio em seus primeiros vinte anos já mostrou sua identidade de subjugação e morte. Os explorados e os rejeitados da humanidade têm sempre que redescobrir a força da solidariedade e lutar para acabar com tudo isso!

FAI – Federação Anarquista Italiana

Seção “M. Bakunin” – Jesi

Seção “F. Ferrer” – Chiaravalle

Tradução > GTR@Leibowitz__

agência de notícias anarquistas-ana

Em qualquer lugar
Onde se deixem as coisas,
As sombras do outono.

Kyoshi



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org