Abril 16, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
288 visualizações


Por Susanna Schimperna | 19/03/2021

Exatamente cem anos atrás, em 20 de março de 1921, a sede da polícia, a prefeitura, o governo e o parlamento se encontraram unidos no medo, nunca maior do que então, da eclosão de tumultos intermináveis e simultâneos por toda a península, tumultos orquestrados por anarquistas e parte de um plano que levaria à revolução.

Durante algum tempo o descontentamento popular, causado principalmente pela crise econômica, tinha crescido e tinha feito como porta-voz o Partido Socialista, o Partido Republicano, os sindicatos. E é verdade, as asas extremas dos partidos (além, obviamente, dos anarquistas) tinham como objetivo declarado a revolução. Além disso, havia suspeita – mas não havia provas neste sentido – de ligações entre anarquistas italianos e residentes em Nova York (onde, naquele período, os ataques e manifestações eram diários, especialmente após a prisão, considerada injusta, de Sacco e Vanzetti), bem como subsídios em ouro que, segundo a hipótese da Sede da Polícia, o jornal anárquico Umanità Nuova, teria recebido da Rússia.

Para agitar particularmente as almas, a greve de fome começou por Errico Malatesta, Armando Borghi e Corrado Quaglino, uma greve à qual se juntaram imediatamente muitos outros prisioneiros. Os três estavam na prisão desde 17 de outubro, o primeiro como diretor do Umanità Nuova e os outros como editores. Eles tinham praticamente reunido toda a equipe editorial naquele 17 de outubro, mas então, sob pressão da imprensa e dos deputados socialistas, e na total ausência de provas, pelo menos os homens implicados foram libertados. Os três que permaneceram na cela pressionados para finalmente terem um julgamento, este era o objetivo da greve, e a condição de Malatesta, já avançada em idade e doente, era tão preocupante que se temia que durante a greve de fome não sobrevivesse.

Os anarquistas pediram um protesto em massa, o que não aconteceu porque sindicatos e partidos de esquerda recuaram, mas a indignação havia se tornado geral. Umanità Nuova publicou um relato detalhado de uma tentativa fracassada da Questura de incriminar o acusado com provas falsas, enquanto na Câmara dos Deputados os socialistas perguntaram insistentemente a um Giolitti envergonhado porque Malatesta estava preso.

Todas as informações apontavam para o dia 20 de março como o dia crucial. A inauguração da placa em memória de Luigi Molinari (um advogado anarquista que morreu em 1918) deveria ter sido a ocasião para desencadear a primeira centelha, que seria seguida por todas as outras. Para isso, naquele dia, carabinieri e guardas reais se reuniram em números impressionantes no Cemitério Monumental de Milão, onde prenderam – medida preventiva – quarenta anarquistas.

Não havia um plano para uma insurreição geral. Porém, nas mesmas horas, muitos fascistas que desfilaram pelas ruas de Milão para celebrar os Cinco Dias, e depois de dispersos quando começaram a marchar para o Palazzo Marino, decidiram ir provocar os “vermelhos” em Greco, o bairro tradicionalmente operário, anarquista, comunista.

Para chegar ao bairro Greco, a coluna que cantou e zombou dos Vermelhos foi a Viale Monza na Piazzale Loreto. Aqui uma mulher, Giovanna Maestri, evidentemente de uma opinião diferente, reagiu acenando um pano vermelho de sua janela. Foi o pretexto para iniciar os confrontos violentos. Alguns deles deixaram a rua para ir arrombar a porta de Giovanna, arrombaram a casa, tiraram o pano e o substituíram pela bandeira tricolor. Os outros ficaram para trás para lutar, e o saldo final (de acordo com o relatório da Prefeitura) foi de trinta feridos e dois mortos: Aldo Setti, um fascista, e Margherita Lazzarini, uma socialista.

Não haveria nenhuma revolução e nenhuma decisão em relação ao julgamento. Malatesta e seus companheiros, no entanto, suspenderam sua greve de fome três dias depois, após o ataque ao teatro Diana que deveria ter atingido o promotor Giovanni Guasti e Benito Mussolini, mas em vez disso deixou vinte e um mortos. Um ataque que Malatesta condenou e que mais tarde inspirará um longo artigo no qual ele dirá que a propaganda pelo fato não deve ser confundida com o massacre, e seja qual for a barbaridade que eles tenham feito aos outros, cabe aos anarquistas e homens de progresso manter o confronto dentro dos limites da civilização.

Fonte: https://www.huffingtonpost.it/entry/un-secolo-fa-errico-malatesta-lo-sciopero-della-fame-e-la-rivoluzione-che-non-arrivo_it_60547786c5b6cebf58cde9f0

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

peixes voadores
ao golpe do ouro solar
estala em farpas o vidro do mar

José Juan Tablada




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org