294 visualizações


O texto a seguir é a intervenção do preso anarquista Alfredo Cospito no debate sobre a luta contra a energia nuclear realizado durante a iniciativa “Você lhe dá vinte anos, nós lhe damos a palavra”, no Circolaccio Anarchico em Spoleto, em 20 de março de 2021.

Após assistir a este filme sobre a tragédia de Chernobyl, fui convidado a fazer um discurso.

O que dizer?

Nos últimos nove anos de minha vida, passei-os trancados em uma cela porque, junto com um de meus companheiros, atirei em um dos maiores responsáveis pela energia nuclear na Itália na época. Nós o fizemos porque não queríamos que o que você viu acontecer neste filme acontecesse aqui. Uma motivação muito simplista, mas foi o que aconteceu.

Valeu a pena?

Eu gostaria de pensar que nossa ação, por mais isolada que fosse, carregava um significado. A única coisa certa é que ações como esta nunca serão recuperáveis de forma alguma pelo sistema. Elas podem ser demonizadas mas nunca recuperadas e menos ainda canceladas porque colocam o poder em cheque, e do meu ponto de vista isto é mais do que suficiente para jogar tudo, liberdade e até mesmo a vida.

No final, valeu a pena.

Não queríamos matar, mas apenas ferir, para erguer uma parede intransponível diante do cinismo tecnológico e assassino de cientistas e políticos inescrupulosos: “Não iremos mais longe, vocês não trarão a energia nuclear de volta à Itália, caso contrário, nos oporemos com todos os meios”.

Nove anos atrás, quando atacamos, a possibilidade de um retorno da energia nuclear na Itália parecia ressurgir com força. Tinha acabado de haver Fukushima, nos “nossos” anos e anos de luta contra a energia nuclear parecia estar em risco de ser cancelada, e isto foi feito em total silêncio. Na época, e ainda hoje, a Itália, através da Ansaldo Nucleare, contribui para a construção de usinas nucleares em países como a Romênia e a Albânia. Pouco antes de nossa ação, um acidente durante a construção em um desses locais havia matado dois trabalhadores. Na Itália, ninguém falou sobre isso, exceto aqueles poucos ecologistas e anarquistas utópicos que temiam um retorno das plantas em “nosso” território, muitos partidos apoiaram esta perspectiva de pesadelo. É claro que não estou me iludindo de que nosso gesto tenha bloqueado o retorno da energia nuclear na Itália, mas colocamos um pouco de “medo”. Nossa contribuição, embora limitada, nós demos e tivemos seu peso, e não creio que tenha sido tão insignificante quanto eles queriam que acreditássemos.

Hoje, o Estado italiano deve “descartar” os resíduos nucleares das antigas usinas desativadas, escondendo 78.000 metros cúbicos de resíduos radioativos sob o tapete do Piemonte, Sardenha, Toscana, Lácio, Apúlia, Basilicata, Sicília. Passando a coisa como “descarte” de resíduos radioativos de baixo nível, o produto de placas e outros resíduos médicos, mas na verdade tentando passar por debaixo da mesa principalmente o “descarte” de radioatividade muito mais perigoso, os resíduos de antigas usinas elétricas.

Quero ser claro, a solução não pode ser tirar nossos resíduos da Itália, talvez como já foi feito no passado na África, utilizando os países mais pobres como caixote do lixo de nossa merda nuclear. Um movimento “ecológico” que realmente empurra para isso é burguês e o infame “ecologismo”. Aqueles que se opõem aos repositórios porque seus valores patrimoniais estão caindo nunca terão minha confiança. Eles são o tipo de pessoas que trouxeram a política mais descarada para o movimento anti-TAV (Trem de Alta Velocidade). Sempre prontos para vender as lutas, para se desassociar das ações. Não podemos apelar para certos instintos burgueses, nem poderemos fechar os olhos quando os prefeitos, as instituições locais desses países, exigirem indenização ou lamentarem sobre suas propriedades, seus negócios, suas perdas econômicas. Lidar com tais personagens novamente seria desastroso. Um antigo ditado hebraico dizia: “O ser humano é o único animal que pode tropeçar duas vezes sobre a mesma pedra”. Vamos tentar não repetir os mesmos erros, vinte anos de luta contra o TAV devem ter ensinado algo.

Seria estúpido e contraproducente procurar “soluções”, paliativos para tornar a tecnologia mais aceitável, “ecológica”. Somos contra os depósitos nucleares tanto quanto contra as turbinas eólicas, não há meias medidas neste campo. A única solução real e definitiva para os resíduos nucleares é lutar por todos os meios para que as usinas nucleares fechem em todos os lugares. Não podemos contornar isso, é uma questão de vida ou morte. O planeta está morrendo, só há uma coisa a fazer: destruir de dentro da sociedade tecnológica e capitalista em que somos forçados a viver. É inútil fugir, é hipócrita esculpir um pequeno paraíso na terra, mesmo que você não queira se tornar cúmplice, é criminoso procurar paliativos, iludir-se de que a tecnologia pode se tornar “ecológica”. Não é o número de participantes em uma manifestação que nos dará resultados, mas a força e a radicalidade de nossas ações. Esta é uma de nossas peculiaridades, como anarquistas visamos a qualidade, não tanto a quantidade de pessoas por trás de uma faixa, mas a qualidade das ações, de nossas vidas. As pessoas virão, mas isso dependerá de nossa consistência e honestidade de propósito e também de nosso planejamento revolucionário. O primeiro obstáculo que encontramos nesta área é sempre o mesmo, o ecologismo burguês.

Com isso, não quero argumentar que precisamos nos isolar, claro que lutamos ao lado das pessoas diretamente afetadas por esses depósitos, participamos das marchas, dos protestos, mas não sacrificamos nosso ponto de vista à “realidade”, para nos comprometermos. Sempre tentamos ser críticos com aqueles que temos ao nosso lado e, acima de tudo, não limitamos nossas ações em nome de uma suposta incompreensibilidade por parte do povo.

Vamos participar das assembleias populares (se houver alguma), mas não vamos mistificar nosso objetivo real, a destruição da sociedade tecnológica, a construção de uma sociedade livre do Estado.

Lembremos também que, agindo fora das decisões das assembleias, não fazemos nenhum mal à comunidade em luta, simplesmente expressamos nosso ser anarquistas.

Não nos dissociemos em nome de uma luta comum das ações violentas que acontecerão, se alguma vez acontecerem, mesmo que não as compartilhemos. Renunciemos aos falsos benefícios (conforto) que esta sociedade podre nos “dá”, sejamos coerentes.

Penso que estas são as poucas lições que o ecologista “social” nos deu nas últimas décadas.

Talvez outra oportunidade esteja no horizonte, uma oportunidade a não perder, estou firmemente convencido de que seria suficiente não repetir os erros habituais para se encontrar com resultados inesperados.

Poderíamos condensar todo este meu solilóquio em um conceito muito simples: “multiformidade de ações sem preconceitos e interesses”.

Vamos acabar com a paranóia sobre a vanguarda, sobre a espetacularização das ações, deixemos todos agirem como quiserem, tudo se harmonizará em um “unicum”, e acima de tudo dissociemo-nos das dissociações.

Certamente, terei me desligado do tema, acredito que em qualquer caso haverá anarquistas entre vocês. O meu é um discurso de um anarquista dirigido mais aos anarquistas, mas espero que tenha sido retomado por todos, mesmo que represente um ponto de vista “particular”.

O que é certo é que os problemas que enfrentamos hoje afetam a todos, a vida de todos.

Gostaria muito de participar do debate lá com vocês, mas por força maior é impossível para mim.

Uma saudação anarquista e revolucionária,

Alfredo Cospito

Prisão Ferrara

Fonte: https://ilrovescio.info/2021/03/21/intervento-al-dibattito-sulla-lotta-contro-il-nucleare-per-liniziativa-voi-gli-date-ventanni-noi-gli-diamo-la-parola/

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/07/30/italia-atualizacoes-sobre-a-saude-e-prisao-do-companheiro-anarquista-alfredo-cospito-24-07-19/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2012/05/13/federacao-anarquista-informal-assume-ataque-a-presidente-de-empresa-nuclear-italiana/

agência de notícias anarquistas-ana

Partem os barcos –
Como ficam distantes
Os dias de outono!

Buson




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org