Dezembro 9, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
174 visualizações


Às dezenas de milhares de vítimas desconhecidas, de carne e osso, mortas por um vírus com a cumplicidade daqueles que sempre preferiram financiar a indústria de armas em vez de um sistema de saúde gratuito e para todos, outro não humano, mas provavelmente mais famoso, deveria ser acrescentado. Vamos tentar contar, em resumo, a história desta “vítima”, que, ao nascer, parecia destinada a um grande futuro, mas que, após uma existência curta e conturbada, corre o risco de ser completamente esquecida.

A ideia de usar os onipresentes telefones celulares para fazer qualquer coisa certamente não é nova e, com o passar do tempo, muitas outras características foram acrescentadas à função original que muitas vezes fazem você esquecer para que o telefone foi usado quando foi inventado. É por isso que ninguém se surpreendeu quando, imediatamente após o início da pandemia, os meios de comunicação de massa começaram a cantar os louvores daqueles países onde se dizia que programas instalados em telefones celulares (os famosos “Apps”) tinham sido usados com sucesso para manter o progresso do contágio e das pessoas infectadas sob controle.

Mesmo na Itália quase imediatamente apareceram as primeiras aplicações, especialmente criadas por pequenas empresas, que se destinavam a auxiliar no rastreamento do vírus. Após um primeiro falso começo, com tempo gasto discutindo qual software usar, no último dia 16 de abril, o Comissário Extraordinário para Emergência anunciou que o “Immuni”, um programa desenvolvido por uma empresa privada e disponibilizado gratuitamente a todos, seria adotado. Tendo superado o obstáculo da confidencialidade dos dados, em 25 de maio o “código fonte” foi lançado publicamente em uma das plataformas utilizadas pelos programadores de “software aberto”[1]. O teste desta ferramenta é feito no início de junho em quatro regiões e seu lançamento oficial ocorre em meados do mesmo mês. Desde então, o programa pode ser baixado dos sites dos dois maiores (para não dizer apenas) proprietários dos Sistemas Operacionais que operam quase todos os telefones celulares. Os especialistas acreditavam que, para ter resultados significativamente úteis, a aplicação tinha que ser instalada em telefones celulares por pelo menos 60% da população [2].

E tudo bem? Não realmente, desde o primeiro momento sobre algumas das imagens usadas para anunciar o programa: o desenho de uma família com a mulher segurando a prole e o homem no computador (provavelmente em “trabalho ágil”), em suma, o pior dos estereótipos. O incidente é resolvido em tempo recorde simplesmente revertendo as situações: agora é a mulher no computador enquanto o homem está segurando a prole. Prova de que o aspecto publicitário estava entre os mais importantes é o fato de que outros problemas, imediatamente óbvios e igualmente necessitados de uma solução rápida, permanecem sem solução.

Para usar o programa você precisa de um telefone bastante novo com um Sistema Operacional atualizado instalado nele. Não é possível fazer o download do “Immuni”[3] se não a partir dos sites da Apple e Google e, portanto, os dados pessoais daqueles que o instalaram não estão nas mãos das autoridades italianas, mas de duas superpotências comerciais multinacionais, tanto pela confidencialidade. A promessa inicial de tornar o software utilizável também por aqueles que utilizam outros Sistemas Operacionais, “um problema que deve ser resolvido em breve”[4], não foi cumprida até agora. Finalmente, o Ministério da Saúde, apenas na véspera do lançamento, indica em termos inequívocos os limites dessa solução: “No contexto do rastreamento de contatos, o uso de tecnologias como aplicativos móveis (“aplicativos”) oferece inúmeras possibilidades, embora o método tradicional continue sendo o principal para busca e gerenciamento de contatos. As aplicações móveis podem integrar e suportar este processo, mas sob nenhuma circunstância podem ser a única ferramenta utilizada”[5].

A resposta dos destinatários finais não é entusiasmada: até 21 de novembro passado “Immuni” havia sido baixado 9.859.005 vezes[6] mas não é possível saber[7] quantas dessas pessoas o ativaram, quantas o instalaram e depois o removeram ou quantas simplesmente o estão mantendo “desligado”.

O maior obstáculo, bem conhecido desde o início [8], no entanto, é que por trás da tecnologia mais sofisticada deve haver também um apoio que muitas vezes precisa do trabalho de pessoas reais. De fato, o protocolo prevê que, uma vez verificada a positividade de uma pessoa para o vírus, o pessoal da saúde deve perguntar-lhe se ela instalou o aplicativo e se ela deseja fornecer seu código para ativar os alertas endereçados a todos os telefones celulares daqueles que entraram em contato com ela. Sem este passo essencial, ter “Imune” baixado para seu telefone celular é praticamente inútil.

Mas algo não funciona se, um pouco mais de uma semana após a difusão do software, já falamos de “flop”[9], uma velocidade de obsolescência muito surpreendente mesmo para um produto digital; o pessimismo continua por semanas[10], acompanhado também de alguns problemas técnicos que continuarão a afligir o programa ainda em setembro[11].

Em outubro, com os primeiros sinais do reaparecimento do contágio, alguém se lembra da existência e das condições em que a tão divulgada aplicação é e até se propõe a “ressuscitá-la”[12], enquanto outros descobrem coisas que eram conhecidas até seis meses antes, isto é, que para tê-la no celular é necessário ter os últimos modelos, mas, o que é ainda mais grave, que algo não funciona se você quiser seguir as instruções fornecidas pelo protocolo[13].

Em meados do mês passado, todos finalmente percebem a principal razão desta falha, em suma, que o funcionamento de todo o procedimento é bloqueado quando os profissionais de saúde se esquecem de perguntar os aspectos positivos se instalaram o aplicativo, de pedir-lhes o código, de inseri-lo no sistema [14]. Este fato se torna ainda mais evidente após alguns jornalistas descobrirem “que a inserção dos códigos no dia 13 de outubro passado ainda não estava operacional no Veneto e os usuários na Ligúria, na Lombardia e em outras regiões disseram que não haviam encontrado interlocutores capazes de carregar o código”. [15] Um primeiro remendo é colocado apenas com a nona DPCM, a de 18 de outubro, que prescreve: “a fim de tornar o rastreamento de contato mais eficaz através do uso do aplicativo Immuni, é obrigatório que o trabalhador de saúde do Departamento de Prevenção da empresa de saúde local, acessando o sistema central do Immuni, carregue o código chave na presença de um caso de positividade”.

Em outras palavras, o Governo levou quatro meses e dezenas de milhares de mortos para tentar executar não um pedido[17], mas o procedimento relacionado a ele. Alguém pode acreditar que no final foi bem-sucedido: a resposta é não. Esta triste história ainda reserva algumas surpresas, não o anúncio de que a aplicação é interoperável e compartilhada com alguns países europeus (Irlanda, Espanha, Alemanha, Dinamarca, Letônia) e nem mesmo a descoberta do enésimo problema técnico, mas o primeiro Decreto “Ristori”, ou seja, o DL 28/10/2020, n.137 que no art.20 diz que o problema é que, devido à forma como a máquina de saúde está organizada, o sistema não será capaz de funcionar, como um conhecido jornal nacional, com um título que tem muito do epitáfio: “Nasceu com três erros. O novo call center não salvará a Immuni”[19] Uma falha anunciada desde o início.

A fim de não desperdiçar mais espaço, vamos evitar até mesmo mencionar uma das inúmeras iniciativas publicitárias do Governo e seus apoiadores que em cinco meses continuaram a promover, em todos os níveis e em todos os contextos, algo que começou como uma ferramenta de propaganda, que não funcionou[20] e que finalmente se transformou no clássico bumerangue.

Por enquanto, a curta e triste vida de “Immuni” termina aqui, mas ninguém pode excluir uma sequela…

Pepsy

Referências

[1] “Código fonte” é o conjunto de instruções que compõem um programa de computador. Normalmente os códigos fonte dos programas mais famosos, aqueles que fizeram a fortuna de muitos multibilionários, não são públicos e são cobertos pelas leis de direitos autorais. Pelo contrário, “software aberto” torna o “código fonte” dos programas disponível a todos para que qualquer pessoa com a capacidade de lê-los possa entender o que eles fazem.

[2] Ver, por exemplo, “L’app Immuni al via”, Il Sole 24 ore, 02/06/2020 e “Immuni è arrivato”, La Repubblica, 02/06/2020.

[3] Na verdade, com alguns “truques” seria possível contornar este problema, mas esta não é uma operação ao alcance de todos.

[4] Ver “Immune Apps in four regions”, La Repubblica, 08/06/2020.

Circular do Ministério da Saúde n.18584 de 29/05/2020, p. 7.

[6] Dados do site oficial do “Immuni” https://www.immuni.italia.it/dashboard.html.

[7] Na verdade, as multinacionais acima mencionadas que distribuem o pedido através de seus serviços sabem disso.

[8] Ver, por exemplo, “O aplicativo Immuni App estréia em quatro regiões. Inútil sem médicos”, La Stampa, 09/06/2020.

[9] Ver, por exemplo, “Testes Serológicos e Imunológicos”. O duplo flop da fase 3″, Il Messaggero, 22/06/2020 e “Problemas técnicos e de privacidade”. Apps against Covid are a flop”, La Repubblica, 25/06/2020.

[10] Ver, por exemplo, “O fracasso do aplicativo Immuni assusta os virologistas”, La Stampa, 22/07/2020.

[11] Ver por exemplo “Immuni apresenta primeira falha”, Il Giornale, 14/09/2020.

[12] Ver “”Operação Imune: A Aplicativo será ressuscitado”, Il Fatto Quotidiano, 04/10/2020.

[13] Ver “Usar o Immuni é quase impossível”, La Stampa, 06/10/2020.

[14] Ver “As mentiras dos infectados e a amnésia da Asl, assim Immuni vai ao mínimo”, La Repubblica, 11/10/2020.

[15] Ver “O app Immuni é obrigatório para a Asl (and Conte plans to impose it also on citizens)”, https://www.corriere.it/tecnologia/20_ottobre_19/immuni-obbligatoria-le-asl-conte-pensa-imporla-anche-cittadini-84e12c30-11d5-11eb-9ff9-df76cb96fbac.shtml

[16] Aplicação que, pelo menos de um ponto de vista técnico, não funciona pior do que outras.

[17] https://www.gazzettaufficiale.it/eli/id/2020/10/18/20A05727/sg

[18]https://www.gazzettaufficiale.it/atto/serie_generale/caricaDettaglioAtto/originario?atto.dataPubblicazioneGazzetta=2020-10-28&atto.codiceRedazionale=20 “G00166

[19] Ver “Ele nasceu com três erros. O novo call center não salvará Immuni”, La Repubblica, 01/11/2020.

[20] Ainda em outubro, quando o fracasso era agora evidente para todos, a Ministra da Inovação, falando no Festival da Internet, declarou-se “muito orgulhosa” de “Immuni” e sua interconexão com a máquina da Administração Pública. Ver https://www.lastampa.it/tecnologia/news/2020/10/11/news/l-app-immuni-su-uno-smartphone-ogni-cinque-1.39406175i

Fonte: https://umanitanova.org/?p=13185

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

na primavera
gato furta cor passa
e se espreguiça

Sandra Santos




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org