Junho 24, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
326 visualizações


Por Martino Seniga

A nova realidade política e social criada pela pandemia têm visto uma reação que acredito ser muito branda e integrada por parte da galáxia ambientalista heterogênea, presente em todo o mundo com militantes e organizações de vários tipos.

Enquanto alguns veem a pandemia quase como uma perturbação, uma distração, da luta principal para salvar o planeta dos danos criados pela própria “raça humana” que agora está sob ataque do vírus Covid-19, de outro ponto de vista as novas prioridades sociais, causadas pela crise econômica e de saúde global, provavelmente ofuscam e desviam a atenção das emergências ambientais, que continuam sendo cruciais para a sobrevivência tanto da raça humana quanto do planeta inteiro.

Neste contexto, pode ser útil retomar o raciocínio e o projeto político desenvolvido desde os anos 50 por Murray Bookchin (Nova York 1921, Burlington 2006) conhecido como o fundador da Ecologia Social.

Em síntese extrema, Bookchin acredita que a crise ambiental e ecológica crônica de nosso planeta só pode ser resolvida adotando e desenvolvendo um novo projeto político social e econômico. Em particular, Bookchin identifica o sistema econômico capitalista e a organização hierárquica dos aparelhos governamentais, tanto estatais quanto privados, como a causa raiz da patologia global, tanto social quanto ambiental.

Partindo destas premissas, Bookchin elaborou uma proposta política e filosófica exposta em seus escritos e livros e desenvolveu em particular em seu último texto, publicado postumamente: La Prossima Rivoluzione, dalle assemblee popolari alla democrazia diretta (BFS PISA 2018).

Tendo projetado uma nova ecologia política e social que inova de forma perturbadora o pensamento progressista e anticapitalista, Bookchin procura superar as ideologias e erros que têm caracterizado os movimentos da esquerda internacional desde o século XIX.

Sem “jogar o bebê fora com a água do banho”, Bookchin tenta traçar um caminho, um caminho social e político para tentar salvar todo o bem que a humanidade conseguiu fazer para o desenvolvimento democrático e ecológico de nossa sociedade. Não apenas uma utopia, mas um projeto organizacional preciso para combater os vírus do irracionalismo, do fundamentalismo, do nacionalismo e do hipercapitalismo financeiro, que continuam a manter sob controle o frágil ecossistema humano e natural.

>> Martino Seniga, jornalista da RAI, especialista em questões ambientais e política internacional, é atualmente correspondente do TGR Lazio para a província de Frosinone.

Fonte: https://www.maxstrataweb.com/post/la-sfida-dell-ecologia-sociale-di-bookchin?fbclid=IwAR09Zleghrv_NZOM3gG6HoHuTCVKrlyxUHwdSJNzsamj0SzD0CSSBZWmRtk

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/06/07/espanha-a-tese-de-ecologia-social-de-m-bookchin-e-os-principios-de-gestao-de-bens-comuns-de-e-olstrom-sao-compativeis/

agência de notícias anarquistas-ana

Apenas vós,
Árvores de tronco branco,
Me garantis que retornei.

Paulo Franchetti




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org