Abril 27, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
203 visualizações


O dia 25 de abril deste ano verá apenas de forma reduzida as muitas iniciativas geralmente organizadas de baixo para celebrar a revolta popular que libertou a Itália há muitos anos do fascismo e da guerra. Nos últimos anos, os antifascistas legalistas e institucionais espalharam uma atitude de medo em relação ao fascismo, não uma oposição real.

O medo do fascismo presta um mau serviço ao antifascismo: os antifascistas legalistas e institucionais acabam aceitando todas as escolhas dos governos, inclusive aquelas liberticidas, belicistas e antipopulares. É o medo do fascismo que levou o DP e o Movimento 5 Estrelas a uma aliança que parecia impossível, é o medo do fascismo que permitiu que figuras questionáveis como Bonacini e Giani se tornassem presidentes de suas respectivas regiões, Emilia-Romagna e Toscana. É também o medo do fascismo que levou a esquerda e centro-esquerda a aceitar qualquer coisa para evitar eleições, a ponto de criar o governo Draghi, com uma maioria composta de forças que até ontem eram apontadas como capazes de tudo para conseguir mais alguns votos.

Não adianta, então, ficar surpreso se os fascistas exploram o descontentamento em relação ao governo. Os mesmos componentes antagônicos mantêm uma atitude moderada em relação a Draghi e à maioria, iludindo-se de que podem obter alguma forma de renda universal jogando ao lado dos vários matizes da esquerda parlamentar e das administrações locais, a fim de arrebatar algum paliativo para as situações mais marcantes de dificuldade graças aos fundos europeus, aceitando implicitamente a presidência do Conselho de Ministros de Mario Draghi, que é o garantidor da chegada de tais fundos.

O mecanismo é simples: um protesto irrompe, os fascistas, mesmo que não estejam presentes, o apoiam, a mídia os apresenta como organizadores e referentes políticos do protesto popular, as forças políticas da esquerda ficam presas entre o perigo de legitimar os fascistas e a impossibilidade de dar uma voz autônoma ao protesto popular. Desta forma, o antifascismo é apresentado com militarização, desemprego e miséria, todas características do fascismo histórico que se abateu sobre grande parte do proletariado.

O fascismo é historicamente um produto do medo: a monarquia, a Igreja, as classes privilegiadas temiam o crescimento do movimento revolucionário proletário; em particular, o rei Victor Emmanuel III tinha um motivo pessoal de vingança contra o anarquismo. Após a Primeira Guerra Mundial, o fascismo foi a arma utilizada pelas classes privilegiadas para combater o anarquismo como manifestação proletária e revolucionária, um movimento de emancipação humana com critérios igualitários e libertários e visa, ao mesmo tempo, combater a anarquia como uma verdadeira teoria de revolução, uma vez que os mecanismos de acumulação capitalista haviam bloqueado e os métodos do Estado liberal eram incapazes de manter as massas revolucionárias sob controle.

O fascismo, porém, não era apenas isso: era uma nova forma de Estado em comparação com o Estado liberal anterior: caracterizava-se pela integração dos sindicatos no Estado (corporativismo); pela intervenção do Estado na economia, através do controle do sistema bancário, da propriedade ou copropriedade dos setores industriais mais importantes, no todo ou em parte. O fascismo também se apresenta com o envolvimento na mobilização política dessas massas que o modelo anterior de governo queria manter fora do debate, com a política agressiva fora, com a repressão da oposição, com a substância racista latente na cultura italiana e em suas raízes clássicas. Para muitos, o fascismo representa a forma adequada do Estado ao capitalismo na fase do capitalismo monopolista do Estado e do imperialismo.

Se, entretanto, o fascismo contém todos esses elementos inovadores em relação à forma anterior de Estado, de onde vem o caráter reacionário reconhecido e reivindicado pelo próprio fascismo? A ascensão da burguesia “tirou de suas aparências sagradas todas as atividades até então honradas e consideradas com piedosa humildade”. Transformou o médico, o jurista, o padre, o poeta, o homem da ciência em seus funcionários. (…) Rasgou das relações familiares seu véu sentimental tocante e os reduziu a uma pura questão de dinheiro”. (K. Marx-F. Engels. O manifesto do partido comunista).

Em outras palavras, o advento da burguesia transformou a relação de subordinação pessoal que ligava servo e senhor na relação monetária que liga o trabalhador ao capitalista; é uma mudança de forma, mas a substância da relação de dominação permanece inalterada: os dominados são forçados a trabalhar para manter os dominadores. Quando, devido à rebelião dos dominados ou por causa das contradições do sistema, a relação monetária torna-se incapaz de manter os dominados em seu estado de sujeição e de garantir aos dominadores uma fatia crescente da riqueza social, a relação de dominação se manifesta em toda sua violência intrínseca, material e cultural. É então que os corifeus da democracia apelam para os “valores tradicionais”, para as “raízes culturais”, para o “interesse nacional”, para a evolução e seleção, a fim de justificar a violência desencadeada contra as classes populares. Desta forma, toda relação social, que dentro de sociedades antagônicas é uma relação de dominação, perde a máscara da liberdade e da igualdade e revela sua essência violenta: a contraposição de gênero, a contraposição étnica, a contraposição de classe, a contraposição entre cidade e campo, revelam seu caráter de terreno de confronto entre dominadores e dominados.

Neste choque, a ideologia burguesa perde a máscara revolucionária com que havia imposto a relação monetária como vínculo da sociedade e recupera aqueles componentes ideológicos que de uma forma ou de outra justificam a subordinação social; o suprematismo, o machismo, o racismo são novamente veiculados para construir um consenso social instável. Este processo é a substância do fascismo; quando este processo não pode ser implementado diretamente pelo aparato estatal, mas as classes privilegiadas são forçadas a recorrer a milícias privadas, a mercenários, nós temos o fascismo propriamente dito.

Este 25 de abril cai em uma situação muito difícil para as classes dirigentes: em todo o mundo a longa depressão continua com altos e baixos e não mostra sinais de fim; governos e instituições financeiras, nacionais e supranacionais, estão enfrentando um impasse: se em algum momento não puserem um fim ao dinheiro fácil para as empresas, a inflação poderá aumentar, o que consumirá receitas reais e aumentará os custos da dívida, tanto pública quanto privada. Se os governos e as instituições financeiras agirem para conter a inflação, no entanto, isto pode causar um colapso do mercado acionário e falências corporativas.

A única saída que as instituições têm é tirar a riqueza das classes trabalhadoras e colocar parte dela em investimentos, parte na renda das classes privilegiadas – tudo isso enquanto as classes exploradas ainda sofrem as consequências da pandemia. Tudo isso só pode ser feito transformando a questão social em um problema de ordem pública, ou seja, aumentando a violência das instituições, aumentando o fascismo.

Entretanto, o caminho para a violência não é tão fácil para as classes dirigentes: os Estados Unidos nos dão um exemplo. Diante da crise do aparelho econômico e do aparelho político, cabe ao aparelho militar se encarregar da manutenção da ordem social e econômica constituída no Estado, e nos Estados Unidos as forças armadas são em grande parte constituídas por não-brancos. Esta é uma das razões que levou os chefes de pessoal da União a se manifestar a favor de Joe Biden na véspera de seu juramento e a negar o apoio das forças armadas a Donald Trump na repressão violenta das manifestações antirracistas primeiro, e depois no questionamento do resultado das eleições.

Em vez do aspecto violento da segregação, a liderança das forças armadas preferiu uma abordagem “suave”, a da integração. As Forças Armadas americanas são um exemplo de integração: as minorias têm espaço nas Forças Armadas e alguns de seus membros podem ascender às fileiras mais altas desde que aceitem a ideologia do “sonho americano” e se tornem seus defensores.

Assim, a integração é um meio de difundir a hegemonia da ideologia das classes dominantes entre as classes exploradas e as minorias. As diversas formas de “quotas cor-de-rosa”, “direitos civis” etc. se movem dentro da aceitação da lógica do sistema, onde há os que comandam e os que obedecem, os que exploram e os que são explorados, os que vencem e os que são vencidos. As lógicas da competitividade e do mérito são a base da luta e, dada a luta, os mais fortes, os mais afortunados ou os mais desonestos devem vencer e oprimir os derrotados, se não se organizarem e não se oporem à solidariedade e ao apoio mútuo à luta.

Os anos que se passaram desde 25 de abril de 1945 deveriam ter nos ensinado que o fascismo é combatido não apenas militarmente, mas combatendo interseccional todas as formas violentas e conflituosas desta sociedade, desde as baseadas no gênero até as baseadas na classe até as baseadas na etnia. Se pudermos construir relações libertárias e federais entre os vários movimentos de luta, o domínio não poderá mais nos fechar em alguma “minoria” e o medo mudará de signo.

Tiziano Antonelli

Fonte: https://umanitanova.org/?p=13975

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Ploc… E Ploc…
O milho aquecido
Vira pipoca

Ze de Bonifácio




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org