Abril 22, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
99 visualizações

Uma autoprodução sobre a história do antifascismo libertário para o 25 de abril

É recém-lançada na imprensa uma produção do Arquivo Histórico da FAI, das Cozinhas do Povo de Massenzatico e das edições de Bruno Alpini.

Para recebê-lo você deve escrever para bruno.alpini@libero.it

Foi realizada pela primeira vez a reunião de vários artigos sobre os anarquistas nas ilhas do confinamento fascista, suas histórias e suas lutas, escritos por Ugo Fedeli para o periódico ítalo-americano “L’Adunata dei Refrattari” entre 1960 e 1961.

Fedeli (1898-1964) foi uma figura importante como militante, historiador e arquivista do anarquismo internacional, cuja vida está intimamente ligada a outra militante de Milão, Clelia Premoli. Desertor da Primeira Guerra Mundial, ativo no biênio vermelho de dois anos, o advento do fascismo o fez andar por algum tempo “de terra em terra” em toda a Europa: Rússia, Alemanha, França. Ligado a Luigi Fabbri, ele compartilhou seu exílio primeiro em Paris e depois em Montevidéu. Em meados dos anos 30, foi deportado para a Itália, preso e repetidamente forçado ao exílio, até a libertação do nazismo-fascismo. No pós-guerra foi primeiro secretário e depois membro da Comissão de Correspondência da FAI. No início dos anos 50, junto com Clelia, ele se mudou para a região de Canavese e começou a trabalhar como bibliotecário na Olivetti, que era o local de desembarque de muitos libertários naquela época. Sua militância vai de mãos dadas com muitos estudos históricos sobre o anarquismo, dos quais ele pode ser considerado um pioneiro na Itália, e com a coleção de livros, periódicos e documentos que compõem um arquivo muito valioso, adquirido após sua morte pelo Instituto de História Social em Amsterdã e hoje disponível aos pesquisadores.

O livro analisa o confinamento dos anarquistas, o segundo maior grupo após os comunistas. Denuncia o assédio das milícias e dos carabinieri, mas, mais importante ainda, lança luz sobre as formas de organização e resistência que os libertários deram a si mesmos, assim como as numerosas lutas contra as imposições do regime e por seus direitos que eles levaram a cabo. Eis o que Fedeli escreve sobre isso, depois de notar a ferocidade e a mentalidade retrógrada dos guardas:

Mesmo os confinados eram duros. Havia dignidade e firmeza, e contra a firmeza dos confinados, o ministério e a direção sofreram duros golpes que lhes custaram longos meses de prisão, como em Ponza, em 1933 e 1935. Em Tremiti, por exemplo, foi feita uma tentativa de impor a saudação romana obrigatória, e os confinados, a maioria dos quais eram anarquistas, preferiram ir para a prisão por um ano em vez de ceder […]. Toda violência e toda nova prisão despertou cada vez mais vivo e profundo o vínculo de solidariedade que unia a todos, e uma sensibilidade aguçada levou todos esses homens forçados a viver sobre uma rocha, apesar das diferenças de ideais e métodos de luta e ação, cada um para defender o outro, porque ao fazê-lo cada um sabia defender a si mesmo e sua dignidade, o princípio de liberdade e justiça que os animava“.

Este, é o índice, para entender melhor o que está no texto: “Na luta contra o fascismo – Homens e partidos – As Cantinas, o estudo e seu papel político – Agitações dos confinados – Últimos meses em Ventotene – Figura dos anarquistas confinados“.

A publicação é completada por uma introdução de Antonio Senta – que a Ugo Fedeli e suas atividades militantes e históricas tem dedicado muitos estudos, incluindo o livro A testa alta! publicado pela Zero em Condotta em 2012, e que inventou o arquivo Fedeli no Instituto de História Social em Amsterdã – e um prefácio de Franco Schirone, a quem devemos muito deste trabalho, tendo tido a ideia de coletar pela primeira vez em volume estes artigos e profuso esforço para transcrevê-los.

Finalmente, a publicação é enriquecida por um cartão postal colorido com uma reprodução de um quadro de Ernesto Rossi, pintado em Ventotene em 1940, mostrando os confinados, inclusive vários anarquistas, em duas cenas: “o passeio” pela ilha e “o brinde”, ou seja, a cantina Giustizia e Libertà (Justiça e Liberdade).

A. Soto

Fonte: https://umanitanova.org/ugo-fedeli-anarchici-al-confino/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Jasmineiro em flor.
Ciranda o luar na varanda.
Cheiro de calor.

Guilherme de Almeida



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org