183 visualizações


A Federação Anarquista de Livorno e o Coletivo Anarquista Libertário expressam sua simpatia à família e amigos de Fares S’Ghayer, um jovem tunisiano de 25 anos que morreu durante um controle policial na noite entre 24 e 25 de abril. Parece incrível que perto das praças mais vigiadas e patrulhadas de Livorno, um jovem se afogou sem que ninguém mergulhasse para ajudá-lo.

Apoiamos o pedido de verdade e justiça para Fares, trazidas para as ruas pela manifestação que ontem, 26 de abril, da Piazza della Repubblica chegou à Piazza del Municipio. A manifestação denunciou a frequência das ameaças e da violência durante os controles policiais contra jovens de origem estrangeira. Apelamos para apoiar estes protestos porque é inaceitável que você possa morrer durante uma verificação policial, porque a história de Fares não termina em silêncio.

Todo ato de solidariedade é importante porque para muitos, especialmente nas instituições, algumas vidas contam menos do que outras.

Alguns jornais locais chamaram a manifestação de 26 de abril de “assalto”, “cerco” e “tumultos”, criminalizando-a. A procissão, apesar de várias tentativas de bloqueio pela polícia, presente com caminhões, chegou sem muita tensão na Piazza del Municipio e até mesmo enviou uma delegação à sede da polícia. Por outro lado, alguns meios de comunicação deram espaço e legitimidade às vergonhosas palavras dos poucos expoentes da direita da cidade que se reuniram provocadoramente na Piazza della Repubblica ao mesmo tempo em que os amigos de Fares se manifestavam. Entre os fascistas havia também o conhecido Paolo Pecoriello.

Políticos de vários partidos expressaram solidariedade com a polícia e há até mesmo aqueles que definem como “delirantes” as manifestações e “vandalismo” os escritos de lembrança que chamam à justiça, contra o racismo e a violência policial, que apareceram, juntamente com velas, fotos, mensagens, onde o corpo do jovem foi encontrado.

Para aqueles que nos governam, algumas vidas contam para menos de zero, são o risco calculado. Há aqueles que morrem no trabalho, agora também pela Covid-19, apenas para fazer a economia funcionar e garantir lucros. Há aqueles que morrem no mar, deixados para se afogar, a fim de garantir posições de poder nas relações de força entre os estados. Há aqueles que morrem porque é possível ter algumas mortes nos controles policiais para ter uma força policial pronta para defender os interesses do governo e dos chefes, para garantir o controle militar do território, a fim de alimentar a propaganda securitária.

Sabemos muito bem que aqueles que não têm cidadania italiana arriscam muito em cada verificação policial. Arriscam-se a ameaças e violência, arriscam-se a perder sua permissão de residência, arriscam-se a ser trancados em uma RCP ou a ser repatriados. Não é surpreendente, portanto, se por estas e outras razões alguém quiser fugir de um controle policial. Há situações perigosas que os nascidos na Itália não podem imaginar, mas que a Fares e seus amigos conhecem bem.

Algumas coisas devem mudar nesta cidade. A gestão cada vez mais perseguitiva, agressiva e autoritária da política de “segurança e ordem pública” é inaceitável. Durante algum tempo em Livorno, os soldados do Folgore também são utilizados para operações policiais. Uma medida já em si a ser rejeitada como toda a operação “Strade Sicure”, mas ainda mais no contexto da Piazza Garibaldi exasperou a situação. O que quer que tenha acontecido naquela noite, algumas coisas são certas. A repressão geral na cidade, o medo gerado pelo racismo estatal nos jovens estrangeiros, combinado com um toque de recolher nacional que nada tem a ver com a proteção da saúde, estão na origem da morte de Fares.

Diante dos fatos dos últimos dias, lembramos o que aconteceu em março de 2019, quando o jovem Livornese Michael del Vivo, de 29 anos, dirigindo um ciclomotor, morreu batendo em um carro estacionado durante uma perseguição. Um cruzador da polícia o havia flanqueado pouco antes de perder o controle do ciclomotor, e a dinâmica do acidente nunca foi esclarecida. Nessa noite, três carros entre a polícia e os carabinieri foram lançados em perseguição após cerca de 100 euros terem sido roubados da caixa registradora de uma orla marítima local.

Uma história que é bom ter em mente para entender que não estamos diante de um episódio isolado, pois estas mortes são apenas os casos mais trágicos de uma vida cotidiana muitas vezes feita de abuso, ameaças e violência. Os jovens desta cidade não podem morrer nos controles policiais ou em perseguições. Chega de violência policial. Chega de racismo. Verdade e justiça para Fares!

Federação Anarquista de Livorno

cdcfedanarchicalivornese@virgilio.it

federazioneanarchica.org

Coletivo Anarquista Libertário

collettivoanarchico@hotmail.it

collectivoanarchico.noblogs.org

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

A tarde é bem quente.
Cansada, boneca ao lado,
menina dormindo.

Humberto del Maestro




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org