Fevereiro 17, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
258 visualizações


Por Rafael Mondragón Velázquez | 02/09/2021

Da Infância

Apesar de seu título, as Memórias de um revolucionário do príncipe anarquista Piotr Kropotkin não dizem muito sobre a revolução em si. A atividade revolucionária que o tornou famoso é despachada em algumas dezenas de páginas, no final e de forma apressada. A maior parte desta autobiografia, que foi justamente saudada por Tolstoi como uma das grandes obras literárias de seu tempo, é dedicada à narração da infância e da juventude de Kropotkin.

Nesse sentido, pode-se dizer que Memórias de um revolucionário é literatura infantil e juvenil: não é escrita para o consumo de crianças e jovens (como são muitos livros de então e agora que se veem como recursos didáticos ou dispositivos moralizadores), mas foi concebida a partir da experiência da infância e da juventude, na qual Kropotkin continuou a viver toda a sua vida. É por isso que seu livro está próximo das histórias de Andersen, dos livros de Jonathan Swift e das obras de Tolkien e Ende: nenhum desses autores sabia que escrevia para crianças ou jovens, mas todos eles habitaram sua infância de forma teimosa e intensa, e continuaram a viver nela, mesmo quando eram velhos, e a partir dela ensaiaram uma crítica radical do mundo que desafia todos aqueles que habitam essa paisagem de sonhos, entre eles muitos jovens e crianças reais.

Mensagens de um fantasma

Nesta história de infância, a mãe de Kropotkin desempenha um papel especial. Embora ela tivesse morrido quando o futuro anarquista era uma criança, a presença de sua mãe lança uma sombra silenciosa sobre a primeira parte do livro. O narrador sente como se ela lhe tivesse deixado mensagens que ele descobriu ao crescer: um dia o menino abriu a despensa, e em um canto encontrou escondido um diário no qual sua mãe falava das paisagens alemãs, de sua amargura e de seu desejo de felicidade; encontrou livros cheios de versos russos proibidos pelos censores, peças em francês, partituras, poemas de Byron e Lamartine, todos copiados por sua mãe; encontrou também aquarelas.

Como o de Bakunin, o Kropotkin é um anarquismo materno e feminino. Como Bakunin, Kropotkin teve um relacionamento difícil com seu pai, que em suas Memórias é caricaturado como um homem irremediavelmente banal, incapaz de se conectar com as sutilezas da arte e da vida, e obcecado com os rituais de uma aristocracia peculiar e um tanto antiquada. Especialmente com os rituais do exército. A crítica da lei imposta verticalmente e da obediência é prefigurada no horror do menino Kropotkin ao exército adorado por seu pai, um exército que não pode nem mesmo se adornar com histórias de heroísmo: quando ele e seu irmão eram crianças, Piotr perguntou a seu pai qual foi a coisa mais impressionante que ele havia experimentado na guerra. A resposta foi decepcionante: uma vez foi perseguido por lobos…

– E essa medalha?

– Muito bem, uma vez vi uma casa incendiada. Havia crianças lá dentro e meu criado não hesitou em entrar na casa para resgatá-las.

– Então por que você tem a medalha? Era ele quem o merecia.

– Mas ele era meu servo”, respondeu o pai, não compreendendo a indignação dos filhos.

Como aconteceria com o peruano José María Arguedas algumas décadas depois, o príncipe Kropotkin cresceu entre seus criados, que o fizeram um de seus familiares e alimentaram sua infância com histórias de sua mãe, que deixaram uma profunda impressão em todos aqueles que a conheceram e legaram a essa criança um ensinamento de como nos ambientes mais sufocantes é possível construir espaços de liberdade. Estas anedotas me desafiam porque também eu recebi mensagens de fantasmas. Fui protegido por sua presença e eles também me ensinaram a crescer em liberdade.

Ler, uma aventura

Como aconteceria mais tarde com Arguedas, Kropotkin cresceu com um sentimento de não saber a que mundo social ele pertencia plenamente, e levou esse sentimento para uma adolescência que suas Memórias descrevem na chave de um romance de aventura. Como muitas vezes acontece com os leitores infantis, as aventuras reais são prefiguradas nas aventuras associadas aos livros. Não apenas com livros de aventura, mas com a aventura da leitura, especialmente em lugares onde a leitura não é necessariamente uma atividade reconhecida.

É por isso que nestas aventuras o irmão mais velho desempenha um papel importante, o transmissor, aquele que convida e incita. Este papel, anteriormente reservado ao fantasma de sua mãe, foi preenchido, anos mais tarde, por seu irmão Alexandre, que decidiu sacrificar-se entrando para o exército para impedir a entrada de Piotr por alguns anos. As Memórias recriam as cartas apaixonadas que Alexandre enviou a Piotr do quartel, acompanhadas pelos livros que Alexandre fervorosamente recomendou. Livros proibidos por seu pai que tratam de todos os assuntos possíveis, da teologia à história; eles se tornam uma desculpa para que os irmãos afastados se encontrem no espaço de uma carta e construam juntos projetos de leitura e estudo. Às vezes é até possível que Alexandre escape do quartel no meio da noite, saia pela janela, entre à socapa na casa de seu pai, e então o menino Kropotkin recebe um misterioso sinal de um dos criados e entra na cozinha. Ali, cercado pela presença protetora dos criados, Alexandre está esperando por ele para falar sobre livros durante horas que se tornam breves por causa de sua paixão compartilhada. Então Alexandre volta ao quartel antes do amanhecer, e Piotr permanece inquieto, mastigando as descobertas do dia.

Somente o difícil é estimulante

Aos quinze anos de idade, Piotr entrou numa escola militar. Não uma escola qualquer, mas aquela que treinou o corpo de pajens que serviria à família do imperador. Lá ele viveu as aventuras que todo adolescente respeitável deseja: enfrentou professores infames e alunos abusivos.

Lá ele também conheceu o professor Klássovski, um erudito de saúde delicada, a quem o inspetor escolar havia convencido a ensinar gramática russa. O inspetor era radiante: o professor era uma eminência e acompanharia os jovens durante os cinco anos de sua formação, seguindo-os de um curso para o outro. Eles só teriam que esperar por ele até o meio do semestre, pois ele tinha estado com pouca saúde durante o inverno e não podia deixar sua casa.

Kropotkin nunca esqueceu a primeira aula de seu professor. Ele era um homem pequeno, cerca de cinquenta anos de idade, que eu sempre imaginei ser ainda mais velho. Ele tinha uma expressão ligeiramente sarcástica, uma testa larga e olhos brilhantes. No primeiro dia, ele lhes disse que ainda estava se sentindo mal e não conseguia falar alto o suficiente, então todos eles teriam que sentar ao seu lado. Ele colocou sua cadeira ao lado da primeira fila “e nós nos agrupamos em torno dele como um enxame de abelhas”. A aula era para ser sobre gramática, mas na realidade era sobre muito mais. Klássovski saltou entre eras e línguas. Ele compararia um velho provérbio russo com um verso de Homero ou o Mahabharata, que ele traduziria na hora para seus alunos com grande beleza. Ele recitou Schiller, comentou mordazmente sobre o fechamento moral do mundo contemporâneo, voltou à gramática, fez uma reflexão poética ou filosófica.

Kropotkin lembrou que nem ele nem seus camaradas entendiam o que ele lhes dizia, mas que todos eles estavam fascinados. E ele acrescentou que o mais importante na educação acontece naqueles momentos em que o horizonte se abre e se é convidado a penetrar cada vez mais naquilo que a princípio parece borrado e impreciso. Ele se lembra dos gestos de seus colegas de classe. A pessoa descansa as mãos sobre as costas de seu companheiro. Outro se deita na mesa na fila da frente. Ainda outro está atrás do professor. Todos estão à espera, tentando não perder uma palavra dessa voz. No final da aula, a exaustão transforma essa voz em um sussurro, e os alunos prendem a respiração para ouvir melhor. O inspetor abre a porta para ver como os adolescentes estão se comportando, mas quando ele vê “aquele enxame imóvel”, ele o fecha cuidadosamente. Mesmo os tolos e os inquietos estão imóveis e, como diz Kropotkin, todos eles sentem algo bom e sublime agitando no fundo de seus corações, como se a visão de um mundo desconhecido estivesse aparecendo diante deles.

Na Rússia, acrescenta o velho anarquista, toda pessoa que vale alguma coisa na política ou na literatura deve seus primeiros passos a um professor de literatura. Somente eles são capazes de unir sujeitos dispersos em uma narrativa que reflete sobre o significado do mundo e da história humana. É assim que ele imagina que um dia as ciências naturais podem ser ensinadas. Um dia, física e química, astronomia e meteorologia, zoologia e botânica podem ser ensinadas juntas, todas acompanhadas por uma visão geral da natureza como um todo, como a encontrada no primeiro volume do Cosmos de Alexander von Humboldt. Talvez um dia o professor de geografia seja o único a ensinar dessa forma.

Reli suas reflexões e penso no quanto elas estão distantes de tantas práticas pedagógicas de hoje que se assumem “radicais” porque expulsam a dificuldade e constroem preconceitos em relação a manifestações culturais que são presumivelmente elitistas porque estão longe da experiência dos aprendizes. Ainda hoje me surpreende este elogio de espanto, de sedução do desconhecido, de conhecimento com vocação cósmica, de generosidade.

Depois de se formar na escola militar, Kropotkin foi para a Sibéria. Seu pai ficou horrorizado: ele havia desistido de uma carreira na corte imperial. Para o adolescente, a Sibéria era a liberdade, sua única alternativa porque ele sabia que sua família o impediria de estudar na universidade. Na Sibéria começou um novo capítulo: o de seu diálogo diário com os camponeses, sua intensa experiência do mundo natural, suas reflexões sobre a cooperação. Esse capítulo só terminou quando ele ouviu a notícia da Comuna de Paris. Mas essa é outra história e terá que ser contada em outro momento.

Fonte: https://www.revistacomun.com/blog/kropotkin-y-la-infancia

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

sair do protocolo
contornar a mesmice
bancar o vôo solo

Gabriela Marcondes




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org